Página Principal > Clínica Médica > Ultrassom: como e quando solicitar? Veja 5 indicações
ultrassom

Ultrassom: como e quando solicitar? Veja 5 indicações

Tempo de leitura: 2 minutos.

A ultrassonografia (USG) é um dos principais exames complementares que podem auxiliar no diagnóstico do paciente, principalmente, devido a sua vasta área de atuação nas diversas especialidades médicas. Encontraremos o ultrassom desde o consultório vascular com o doppler, passando pela obstetrícia e terminando nas salas de emergência e terapia intensiva, com o FAST (Focused Assessment with Sonography for Trauma).

As vantagens desse exame decorrem principalmente da facilidade de acesso – beira do leito -, baixo custo operacional e possibilidade de diagnóstico instantâneo. Contudo, ocasionalmente aparecem algumas dúvidas sobre quando e como solicitar a ultrassonografia. Nesse sentido, esclareceremos adiante as cinco principais indicações:

1. Ultrassom obstétrico

Sem dúvida a USG é fundamental na obstetrícia. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda um exame de ultrassom por trimestre, sendo o primeiro deles o obstétrico de primeiro trimestre – via endovaginal, utilizada para definir a idade gestacional e detectar parâmetros de viabilidade. No segundo trimestre o obstétrico morfológico – via abdominal para estudo da morfologia fetal – e, no terceiro trimestre, o obstétrico simples – via abdominal para avaliação e acompanhamento do crescimento e vitalidade.

2. Hérnias de parede abdominal

Estas provocam muita confusão nos pedidos de exame, deixando os colegas que farão o ultrassom perdidos quanto ao que realmente deve ser avaliado. Assim sendo, o adequado é solicitar ultrassom de parede abdominal e na indicação do exame esclarecer a hipótese em investigação, como exemplo “hérnia inguinal” e/ou “hérnia umbilical”.

LEIA MAIS: Hérnias inguino-femorais – como identificar?

3. Próstata

Há duas possibilidades para realização da USG e ambas possuem particularidades que devem ser avaliadas. O ultrassom de próstata via abdominal apresenta-se mais confortável para o paciente, não exige cuidados pré e pós exame, porém não permite realizar biópsia de lesões identificadas. Essa última fica reservada para o ultrassom de próstata via retal que, devido a maior proximidade com a estrutura, permite melhores resultados diagnósticos.

4. Apêndice vermiforme

Não há uma definição clara sobre qual o ultrassom melhor avalia o apêndice, principalmente, dada a dificuldade de se avaliar a estrutura e muitas vezes a necessidade de substituir os transdutores. Nesses casos, a experiência sugere que o médico solicite ultrassom de abdome inferior, ressaltando claramente na indicação a suspeita de apendicite.

LEIA MAIS: Como ler ultrassonografia nos casos de apendicite aguda?

5. Partes Moles

Existem algumas alterações – nódulos, tumores, abcessos, linfonodomegalias – sem uma localização específica. Por exemplo, um lipoma em antebraço esquerdo. Para esses casos, reserva-se ao colega a possibilidade de solicitar o ultrassom de partes moles. Ressaltando sempre na indicação do exame a hipótese em investigação.

Vale lembrar que para um diagnóstico completo é necessário:

  • História clínica
  • Exame físico
  • Exames complementares

Assim, é importante para o médico que realiza o ultrassom receber informações sobre dados clínicos e a hipótese diagnóstica, a fim de que o exame possa ser mais completo e auxiliador.

É médico e também quer ser colunista do Portal PEBMED? Clique aqui e inscreva-se!

Autor:

 

Dowglas Marques de Santana

Médico, pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás – 2016 ⦁ Diretor Técnico da DMS Serviços Médicos ⦁ Atuo no Programa Saúde da Família, em Urgência/Emergência hospitalar e Ultrassonografia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.