Leia mais:
Leia mais:
Anvisa confirma terceiro caso de Candida auris no Brasil
Abramed alerta para ameaça de desabastecimento de insumos para testes de Covid-19
Preditor de falha do tratamento conservador na apendicite aguda
Análise bibliográfica destaca os 100 artigos mais influentes em doença cardíaca congênita em 20 anos
Neutralização plasmática pela variante ômicron na covid-19

Como interpretar o ECG de um atleta?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

O eletrocardiograma (ECG) é hoje considerado estratégia de screening obrigatório para participação em esportes de alta performance. Com a crescente participação populacional em atividades como corrida, tem sido frequente pessoas “normais” praticaram 4 ou + horas de atividade física por semana. Nesta intensidade, o sistema cardiovascular pode apresentar alterações consequentes ao exercício regular e o ECG, por conseguinte, padrões variantes do normal que podem “assustar” médicos que não tenham estudado o assunto.

A principal modificação no sistema cardiovascular do esportista é o aumento do tônus vagal. Contudo, pode haver também aumento das câmaras cardíacas, da espessura e massa ventricular, do volume sistólico e da fração de ejeção. Essas alterações são mais pronunciadas em negro do que em brancos, em estudos feitos nos EUA. Pode ser difícil diferenciar quais destas alterações são benignas e quais indicam o início de uma cardiomiopatia, o grande fantasma da morte súbita em jovens. Por isso, o ECG é a etapa complementar ao exame físico/história indispensável e foi alvo de padronização por um grupo internacional. Eles dividiram as alterações em:

  1. Benignas: não necessitam de mais exames. Estão liberados.
  2. Duvidosas:
    Isolada: não é necessário investigar
    2 ou +: investigação é obrigatória
  3. Malignas: necessitam de interrupção da prática esportiva e investigação adicional, que na maioria das vezes envolve ecocardiograma, ressonância, Holter e teste ergométrico.

BENIGNAS

Alteração Comentário
Aumento amplitude QRS O critério de Sokolow não deve ser utilizado isoladamente para hipertrofia de VE ou VD

Só há suspeita se outras alterações estiverem presentes, como desvio ST ou onda T

BRD incompleto Pode estar presente na população normal
Padrão de repolarização precoce Caracterizado por supraST (ponto J ≥ 1 mm)

Concavidade superior do supraST

Transição precoce QRS-ST

Ausência imagem em espelho

Onda T base larga e simétrica

Inversão onda T Negros americanos: quando associada a QRS amplo, supraST convexidade superior e inv.T V1-V4

Qualquer jovem < 16 anos de V1 a V3 apenas

Bradicardia sinusal ou arritmia sinusal Desde que FC ≥ 30 bpm e PR < 400 ms
BAV 1º grau ou 2º grau Mobitz I Desde que PR < 400 ms
Ritmo juncional ou atrial ectópico Assintomática, transitória e com boa FC

DUVIDOSAS

Alteração Comentário
Desvio do eixo para esquerda -30 a -90 graus
Aumento átrio esquerdo Índice de Morris V1 ou duração > 120 ms em D1 ou D2
Desvio eixo para direita > 120 graus
Aumento átrio direito Amplitude P ≥ 2,5 mm em parede inferior
BRD completo QRS > 120 ms

MALIGNAS

Alteração Comentário
Inversão onda T Todas que não tiverem padrão benigno
InfraST ≥ 0,5 mm em 2 ou + derivações contíguas
Onda Q patológica Relação Q/R ≥ 0,25 e/ou duração ≥ 40 ms em 2 ou + derivações contíguas
BRE completo ≥ 120 ms
QRS ≥ 140 ms Todos, mesmo que sem padrão típico para BRE ou BRD
Onda Epsilon Deflexão baixa amplitude e curta duração entre ST e onda T em V1-V3

Leva à suspeita de displasia arritmogênica do VD

Padrão pré-excitação PR < 120 ms com onda delta e/ou QRS ≥ 120 ms
QT prolongado QTc ≥ 470 (H) ou 480 (M) ou qualquer QTc ≥ 500 ms
Padrão Brugada Veja nossa revisão sobre o tema
FC sinusal < 30 bpm ou com pausas sinusais > 3 seg
BAV 1º grau grave PR ≥ 400 ms
BAV 2º grau Mobitz II ou BAVT Sintomático ou não
ESV (extra-sístoles ventriculares) ≥ 2 ESV em 10 seg no ECG padrão
TSV, FA ou flutter Sintomático ou não
Arritmia ventricular maligna Inclui TV não sustentada

É médico e também quer ser colunista do Portal PEBMED? Clique aqui e inscreva-se!

Autor:

Referências:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.