Página Principal > Colunistas > Conheça novas orientações da diretriz para hemangiomas infantis
hemangiomas

Conheça novas orientações da diretriz para hemangiomas infantis

Tempo de leitura: 4 minutos.

Os hemangiomas infantis (HI) ocorrem em até 5% dos bebês, sendo os tumores benignos mais comuns da infância. A maioria dos HI é pequena, inócua, autolimitada e não requer tratamento. Entretanto, devido ao seu tamanho ou localização, uma minoria significativa é potencialmente problemática.

Essa minoria inclui as lesões que podem causar cicatrizes permanentes e desfiguração (por exemplo, os HI faciais), HI hepáticos ou das vias aéreas e HI com potencial risco de comprometimento funcional (como os periorbitais), ulceração (que pode causar dor ou cicatrizes) e associado a anormalidades subjacentes (como anormalidades vasculares do arco aórtico que acompanham um grande HI facial).

artigo hemangioma

Recentemente, a Academia Americana de Pediatria (AAP) divulgou o artigo Clinical Practice Guideline for the Management of Infantile Hemangiomas, que consiste em uma diretriz de prática clínica para o gerenciamento de HI, enfatizando vários conceitos-chave. Os destaques desta diretriz são descritos no Quadro 1:

Quadro 1: Destaques das diretrizes de hemangiomas infantis da Academia Americana de Pediatria.

As características de crescimento dos HI são diferentes.

· O crescimento mais rápido ocorre entre 1 e 3 meses de idade;

· Embora os HI de forma geral involuem, este processo pode ser incompleto, o que pode acarretar alterações cutâneas permanentes, principalmente os de maior espessura;

·  Os HI com risco elevado para potenciais complicações têm uma janela de tempo para o tratamento, evitando sequelas, como: desfiguração (a razão mais comum é o tratamento necessário); complicações com risco de vida; comprometimento funcional; ulceração, e anormalidades subjacentes.

O propranolol oral é o tratamento de escolha para HI problemáticos que requerem terapia sistêmica.

O timolol tópico pode ser usado para tratar alguns HI finos e/ou superficiais.

A cirurgia e/ou o tratamento com laser são mais úteis para o tratamento de alterações residuais da pele após a involução, podendo ser usados precocemente no tratamento de HI selecionados.

Legenda: HI – hemangiomas infantis.
Fonte: Adaptado de American Academy of Pediatrics (2019).

O Quadro 2 mostra as definições relacionadas ao HI publicadas nesta diretriz.

Especialista em hemangioma Diferentemente de muitas doenças, o manejo de HI não se limita a uma especialidade médica ou cirúrgica. Um especialista em hemangioma tem experiência em dermatologia, hematologia, pediatria, cirurgia plástica facial e reconstrutiva, oftalmologia, otorrinolaringologia, cirurgia pediátrica e / ou cirurgia plástica, e sua prática é frequentemente focada primaria ou exclusivamente na faixa etária pediátrica.

Um especialista em hemangioma deve compreender a natureza sensível ao tempo dos HI durante a fase de crescimento e ser capaz de realizar avaliações de urgência; ter experiência com estratificação de risco precisa e conhecer as potenciais complicações associadas aos HI; ser capaz de fornecer várias opções de manejo, incluindo observação, tratamento clínico e procedimentos cirúrgicos ou a laser, fornecendo aconselhamento sobre os potenciais riscos e benefícios dessas intervenções em pacientes específicos; e ter um conhecimento profundo da literatura médica passada e emergente sobre os HI. Estes especialistas geralmente têm 1 ou mais das seguintes características: participou de um programa de anomalias vasculares durante treinamento médico prévio; dedica uma parte significativa de sua prática clínica aos HI; é membro ou colabora com um centro multidisciplinar de anomalias vasculares; mantém filiação em organizações profissionais ou grupos com interesse especial em HI; participa de pesquisas no campo de HI; ou publica literatura médica no campo dos HI.

HI Tumores vasculares benignos da infância com características clínicas e histopatológicas únicas que os distinguem de outros tumores vasculares (por exemplo, hemangiomas congênitos) ou malformações. Essas características incluem desenvolvimento durante as primeiras semanas ou meses de vida, uma história natural típica de crescimento rápido seguida de involução e coloração imuno-histoquímica de amostras de biópsia com proteína transportadora de glicose do tipo eritrocitária e outros marcadores únicos não presentes em outros tumores vasculares benignos. Muitas outras entidades também são chamadas de hemangiomas. Algumas são verdadeiros tumores vasculares, e outros são malformações vasculares. Portanto, é importante usar o adjetivo “infantil” quando se refere a verdadeiros HI.

Os HI são classificados com base na profundidade do tecido mole e no padrão de envolvimento anatômico. De acordo com a profundidade do tecido mole, podem ser:

· Superficiais: vermelhos com pouca ou nenhuma evidência de um componente subcutâneo (anteriormente denominado hemangiomas de morango);

· Profundos: azuis e localizados abaixo da superfície da pele (anteriormente denominados hemangiomas “cavernosos”);

· Combinados (misto): presença de componentes superficiais e profundos.

De acordo com o padrão de envolvimento anatômicos, são classificados em:

· Localizados: lesões focais bem definidas (parecendo surgir de um ponto central);

· Segmentares: HI envolvendo uma região anatômica, sendo geralmente semelhantes à uma placa e medindo > 5 cm de diâmetro;

· Indeterminados: nem localizados nem segmentares (frequentemente chamados de segmentares parciais);

· Multifocais: vários HI discretos em locais diferentes.

Em resumo, esta diretriz define os HI que são potencialmente de maior risco e devem suscitar preocupações, e ressalta também o aumento da vigilância, a consideração do tratamento ativo e, quando apropriado, a consulta especializada. Segundo esta diretriz, o crescimento mais rápido e significativo ocorre entre 1 e 3 meses de idade e que o crescimento é completado aos 5 meses de idade na maioria dos casos. Contudo a involução pode ser incompleta e deixar alterações permanentes na pele, particularmente no caso de hemangiomas mais espessos.

Leia maisConheça novas orientações da SBP para tratamento de hemangioma

Recomenda-se intervenção precoce e/ou encaminhamento (idealmente por 1 mês de idade) para bebês com HI potencialmente agravantes. Quando o tratamento sistêmico é indicado, o propranolol é a droga de escolha na dose de 2,0 a 3,0 mg/kg/dia. O tratamento geralmente é continuado por, no mínimo, 6 meses e frequentemente é mantido até os 12 meses de idade (ocasionalmente mais). Timolol tópico pode ser usado para tratar HI pequenos, finos e superficiais selecionados. A cirurgia e/ou o tratamento com laser são mais úteis para o tratamento de alterações residuais da pele após a involução e, menos comumente, podem ser considerados precocemente para tratar alguns HI.

É médico e quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

  • Krowchuk DP, et al. Clinical Practice Guideline for the Management of Infantile Hemangiomas. Pediatrics, 2019;143(1): :e20183475.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.