Consumo de álcool aumenta risco de desenvolvimento de demência, diz estudo - PEBMED

Consumo de álcool aumenta risco de desenvolvimento de demência, diz estudo

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

O alcoolismo é uma das principais causas de morte ao redor do mundo, em especial no Brasil. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), mais de 3 milhões de brasileiros morrem todo ano em decorrência do uso de álcool. O consumo prolongado da bebida alcoólica, além de acarretar outras doenças, pode aumentar também o risco de demência, conforme demonstra uma pesquisa realizada no Reino Unido e publicada em agosto na The BMJ.

O levantamento contou com a participação de 9.087 voluntários com faixa etária entre 35 e 55 anos, e os acompanhou por um período médio de 23 anos. Os registros de demência e incidências de mortes foram analisados até 2017. A pesquisa avaliou a média de consumo de álcool dos participantes e definiu o parâmetro de 1 a 14 unidades da bebida por semana, sendo a unidade referente a 10 ml ou 8g de álcool puro.

Leia mais: Alcoolismo: nova diretriz indica melhor tratamento medicamentoso

Foram identificados três grupos: um que bebia mais de 14 unidades por semana, outro que consumia bebida alcoólica de forma moderada (1-14 unidades/semana) e o terceiro cujos integrantes passaram por crises de abstinência após período prolongado de uso da substância.

Ao fim da pesquisa, foram registrados 397 casos de demência. No grupo que passou por crises de abstinência, o risco de desenvolvimento da doença mental foi maior (HR 1,47; IC 95% [1,15-1,89]) do que no grupo que bebia moderadamente. Dos indivíduos que consumiam mais de 14 unidades por semana, o risco de demência aumentava 17% para cada 7 unidades adicionais no consumo de álcool (IC 95%).

Análise multivariada sugere que o risco do desenvolvimento de demência no grupo abstinente está associado a doenças cardiometabólicas presentes em alguns participantes deste grupo (HR 1,47; IC 95%  [1,15-1,89]). Nos voluntários do mesmo grupo, que não foram diagnosticados com essas doenças, o risco foi menor (HR 1,33; IC 95% [0,88-2,02]).

Tenha em mãos informações objetivas e rápidas sobre práticas médicas. Baixe o Whitebook.

Referências:

  • Alcohol consumption and risk of dementia: 23 year follow-up of Whitehall II cohort study. BMJ 2018; 362 doi: https://doi.org/10.1136/bmj.k2927.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Um comentário

  1. Obrigada pela Atenção

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar