Consumo elevado de açúcar aumenta o risco de transtornos mentais - PEBMED

Consumo elevado de açúcar aumenta o risco de transtornos mentais

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

A Organização Mundial da Saúde recomenda que o consumo diário de açúcar não ultrapasse 10% das calorias ingeridas diariamente, em uma dieta saudável. Maiores benefícios à saúde podem ser alcançados se o consumo diário de açúcar for reduzido para 5% das calorias ingeridas (ou cerca de 25 g de açúcar/dia).

O açúcar total consumido diariamente é composto pelo açúcar de mesa e pelo utilizado nas refeições e os açúcares adicionados aos alimentos, refrigerantes e bebidas prontas para consumo, além do mel, xaropes e sucos de frutas com adição de açúcar.

O consumo de açúcar é cada vez mais discutido como um alvo de intervenção para reduzir a prevalência de obesidade, diabetes e outras doenças não transmissíveis.

Saiba mais: ‘6 dicas de nutrição para compartilhar com seus pacientes’

O maior consumo de açúcar foi associado à maior prevalência de depressão em vários estudos ecológicos e transversais. Até o momento, poucos estudos investigaram a associação prospectiva do consumo de alimentos e bebidas doces com a depressão.

O artigo, publicado no Scientific Reports, utilizou dados da coorte Whitehall II e analisou o consumo de açúcar de alimentos e bebidas doces e a ocorrência de transtornos mentais comuns em mais de 5.000 homens e mais de 2.000 mulheres por um período de 22 anos entre 1983 e 2013.

O estudo classificou o consumo diário de açúcar de alimentos e bebidas doces em três grupos. Os homens que consumiram mais de 67 g tiveram uma chance aumentada de 23% de transtornos mentais comuns (como ansiedade e depressão) incidentes após cinco anos (independentemente dos comportamentos de saúde, fatores sócio demográficos e relacionados à dieta, adiposidade e outras doenças) em comparação com aqueles com baixo consumo, ou seja, que consumiram menos de 39,5 g.

Homens e mulheres com transtornos de humor e alto consumo de açúcar também tiveram maiores chances de apresentarem depressão recorrente após 5 anos em comparação com aqueles com baixo consumo, mas esse resultado não foi independente de outros fatores sóciodemográficos, de saúde e relacionados à dieta.

O estudo confirmou, portanto, um evento adverso do consumo de açúcar de alimentos/bebidas doces na saúde psicológica em longo prazo e sugere que uma menor ingestão de açúcar pode estar associada a uma melhor saúde psicológica.

Veja também: ‘Existe uma quantidade segura para consumo do açúcar?’

Autora:

Revisado por:

Referências:

  • Knüppel A, Shipley MJ, Llewellyn CH, Brunner EJ. Sugar intake from sweet food and beverages, common mental disorder and depression: prospective findings from the Whitehall II study. Sci Rep [Internet]. 2017;7(1):6287. Available from: http://www.nature.com/articles/s41598-017-05649-7

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Um comentário

  1. UBIRATAN ROSA PASSOS

    QUANDO SE FALA EM CONSUMO DE AÇÚCAR, DEVO ENTENDER ESTAREM INCLUÍDOS OS CARBOIDRATOS DE ALTO ÍNDICE GLICÊMICO (E, MESMO, O CONSUMO EXAGERADO DE CARBOIDRATOS QUE NÃO DE ALTO ÍNDICE GLICÊMICO). O CONSUMO DE CARBOIDRATOS EM EXCESSO, ALÉM DO QUE FOI MENCIONADO EM RELAÇÃO AOS “AÇÚCARES”, TAMBÉM AUMENTA A INCIDÊNCIA DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES, ENTRE OUTRAS.
    INFELIZMENTE O FOCO RECAI SOMENTE SOBRE AS GORDURAS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar