Página Principal > Psiquiatria > Consumo elevado de açúcar aumenta o risco de transtornos mentais
silhueta de garfo e faca em açúcar

Consumo elevado de açúcar aumenta o risco de transtornos mentais

Tempo de leitura: 3 minutos.

A Organização Mundial da Saúde recomenda que o consumo diário de açúcar não ultrapasse 10% das calorias ingeridas diariamente, em uma dieta saudável. Maiores benefícios à saúde podem ser alcançados se o consumo diário de açúcar for reduzido para 5% das calorias ingeridas (ou cerca de 25 g de açúcar/dia).

O açúcar total consumido diariamente é composto pelo açúcar de mesa e pelo utilizado nas refeições e os açúcares adicionados aos alimentos, refrigerantes e bebidas prontas para consumo, além do mel, xaropes e sucos de frutas com adição de açúcar.

O consumo de açúcar é cada vez mais discutido como um alvo de intervenção para reduzir a prevalência de obesidade, diabetes e outras doenças não transmissíveis.

Saiba mais: ‘6 dicas de nutrição para compartilhar com seus pacientes’

O maior consumo de açúcar foi associado à maior prevalência de depressão em vários estudos ecológicos e transversais. Até o momento, poucos estudos investigaram a associação prospectiva do consumo de alimentos e bebidas doces com a depressão.

O artigo, publicado no Scientific Reports, utilizou dados da coorte Whitehall II e analisou o consumo de açúcar de alimentos e bebidas doces e a ocorrência de transtornos mentais comuns em mais de 5.000 homens e mais de 2.000 mulheres por um período de 22 anos entre 1983 e 2013.

O estudo classificou o consumo diário de açúcar de alimentos e bebidas doces em três grupos. Os homens que consumiram mais de 67 g tiveram uma chance aumentada de 23% de transtornos mentais comuns (como ansiedade e depressão) incidentes após cinco anos (independentemente dos comportamentos de saúde, fatores sócio demográficos e relacionados à dieta, adiposidade e outras doenças) em comparação com aqueles com baixo consumo, ou seja, que consumiram menos de 39,5 g.

Homens e mulheres com transtornos de humor e alto consumo de açúcar também tiveram maiores chances de apresentarem depressão recorrente após 5 anos em comparação com aqueles com baixo consumo, mas esse resultado não foi independente de outros fatores sóciodemográficos, de saúde e relacionados à dieta.

O estudo confirmou, portanto, um evento adverso do consumo de açúcar de alimentos/bebidas doces na saúde psicológica em longo prazo e sugere que uma menor ingestão de açúcar pode estar associada a uma melhor saúde psicológica.

Veja também: ‘Existe uma quantidade segura para consumo do açúcar?’

Autora:

Revisado por:

Referências:

  • Knüppel A, Shipley MJ, Llewellyn CH, Brunner EJ. Sugar intake from sweet food and beverages, common mental disorder and depression: prospective findings from the Whitehall II study. Sci Rep [Internet]. 2017;7(1):6287. Available from: http://www.nature.com/articles/s41598-017-05649-7

Um comentário

  1. UBIRATAN ROSA PASSOS

    QUANDO SE FALA EM CONSUMO DE AÇÚCAR, DEVO ENTENDER ESTAREM INCLUÍDOS OS CARBOIDRATOS DE ALTO ÍNDICE GLICÊMICO (E, MESMO, O CONSUMO EXAGERADO DE CARBOIDRATOS QUE NÃO DE ALTO ÍNDICE GLICÊMICO). O CONSUMO DE CARBOIDRATOS EM EXCESSO, ALÉM DO QUE FOI MENCIONADO EM RELAÇÃO AOS “AÇÚCARES”, TAMBÉM AUMENTA A INCIDÊNCIA DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES, ENTRE OUTRAS.
    INFELIZMENTE O FOCO RECAI SOMENTE SOBRE AS GORDURAS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.