Covid-19: sintomas de longa duração são raros em crianças e adolescentes

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Um estudo realizado por pesquisadores do Reino Unido e publicado na revista The Lancet Child & Adolescente Health no início de Agosto de 2021 aponta que sintomas de longa duração da Covid-19 após a infecção são menos comuns em crianças e adolescentes do que em adultos.

O estudo analisou dados de 1.734 crianças e adolescentes, de cinco a 17 anos, que testaram positivo para a doença.

Na maioria dos casos, crianças e adolescentes que desenvolvem sintomas de Covid-19 melhoraram após seis dias. Apenas 4,4% apresentaram sinais além de quatro semanas com duas ou mais manifestações persistentes (fadiga, cefaleia ou hiposmia). Menos de 2% tiveram sintomas por mais de oito semanas.

Leia também: “Kit Covid”, síndrome pós-Covid-19 e muito mais: confira o top 10 do mês de julho [infográfico]

Os voluntários utilizaram um aplicativo móvel, chamado ZOE COVID Study, lançado em conjunto pela Zoe Limited e pelo King’s College London. A duração da enfermidade, além da prevalência, duração e carga dos sintomas foram analisadas em crianças com teste positivo para o novo coronavírus para as quais a duração da doença poderia ser determinada. Foram avaliadas crianças menores (de 5 a 11 anos) e maiores (de 12 anos e 17 anos) divididas em dois grupos. Crianças com mais de uma semana entre relatos sintomáticos no aplicativo foram excluídas da análise.

Covid-19: sintomas de longa duração são raros em crianças e adolescentes

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Confira o resumo do estudo:

  • Pesquisadores analisaram dados de 1.734 voluntários, de cinco a 17 anos, que testaram positivo para Covid-19 perto do início dos sintomas;
  • As informações foram coletadas entre 1º de setembro de 2020 e 22 de fevereiro de 2021;
  • A maioria se recuperou em uma semana e apresentou poucos sintomas;
  • Cerca de 4% apresentaram sintomas além de quatro semanas;
  • Menos de 2% tiveram sintomas por mais de oito semanas;

Apesar dos dados positivos, os autores do estudo ressaltaram que todos os voluntários com sintomas persistentes necessitaram de cuidados multidisciplinares.

“É reconfortante saber que o número de crianças que tiveram sintomas duradouros seja baixo. No entanto, um pequeno número sofre com a Covid longa e o nosso estudo valida essas experiências”, disse a autora do estudo, Emma Duncan, do King’s College London.

Para mapear as crianças, foram utilizados dados coletados através de um aplicativo, com os sintomas sendo relatados pelos pais ou demais cuidadores. As manifestações foram relatadas regularmente até que os pacientes estivessem saudáveis.

Segunda onda

Outra informação importante revelada é que 25% das crianças com diagnóstico positivo para infecção pelo novo coronavírus durante a segunda onda no Reino Unido não apresentaram sintomas considerados típicos da enfermidade, o que gera um alerta para o melhor monitoramento.

Saiba mais: Aspergilose pulmonar associada à Covid-19

Aqui no Brasil, não há dados sobre sintomas duradouros nesta faixa etária. De acordo com o último boletim do Ministério da Saúde, desde o início deste ano, 6.472 crianças e adolescentes de 6 a 19 anos foram hospitalizadas com síndrome respiratória aguda grave (SRAG) em decorrência da doença. O número informado de óbitos foi de 593.

Vacinação em crianças e adolescentes

Atualmente, apenas a vacina Pfizer/BioNTech está aprovada para o uso em crianças a partir de 12 anos. A vacinação nesta faixa etária está aprovada no Brasil, com o início marcado para setembro, quando toda a população adulta vacinável deverá ter tomado, pelo menos, uma dose do imunizante.

A vacina contra a Covid-19 já é aplicada em pessoas a partir dos 12 anos em países como o Canadá e os Estados Unidos.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autor(a):

Referências bibliográficas:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar