Covid-19: Variante lambda se espalha pela América do Sul e preocupa OMS - PEBMED

Covid-19: Variante lambda se espalha pela América do Sul e preocupa OMS

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Novas variantes do coronavírus continuam surgindo e se espalhando pelo planeta, causando muita preocupação nas autoridades mundiais. A mais recente que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a emitir um sinal de alerta é a variante lambda, descoberta em agosto de 2020, no Peru.

Batizada na ocasião como C.37 ou “variante andina”, a lambda está em uma categoria em que se encontram outras seis mutações do novo coronavírus. Se (ou quando) for confirmada a sua transmissão comunitária, será investigada por cientistas para medir o seu impacto, principalmente na América do Sul.

Saiba mais: Maranhão registra primeiros casos da variante indiana

variante lambda

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Presença na América do Sul

De acordo com o GISAID, portal que coleta dados sobre o novo coronavírus e influenza, até 15 de junho essa variante estava presente em, pelo menos, 29 países, com grande presença na América do Sul.

A lambda está relacionada com 81% dos casos detectados no Peru desde abril no país. Foi detectada pela primeira vez em agosto de 2020, principalmente no Peru, Chile, Argentina e Equador.

A entidade afirmou ainda que, após o acompanhamento desta variante, constatou que é possível um aumento da transmissibilidade e resistência aos anticorpos neutralizantes. A variante brasileira e britânica está circulando em taxas semelhantes a gama e alfa.

A situação é preocupante porque o novo coronavírus causou muitos danos à América do Sul. No Chile, a cepa andina compete com a variante de preocupação registrada inicialmente em Manaus. Enquanto a cepa brasileira, P.1, foi identificada em 33% dos casos chilenos sequenciados nos últimos 60 dias, a C.37 se mostrou presente em 32% deles, segundo a OMS. A Argentina também viu a prevalência da variante andina aumentar entre abril e maio, presente em 37% das amostras sequenciadas.

Já no Brasil foram registradas poucas ocorrências da lambda até o momento.

Sinal de alerta

Essa situação preocupa os cientistas latino-americanos, uma vez que a região tem enfrentado sérios problemas para superar a pandemia, acumulando mais de um milhão de óbitos. Hospitais sobrecarregados, juntamente com um atraso no processo de vacinação em muitos países, tornaram particularmente difícil conter a pandemia de Covid-19.

Atualmente, o grupo de especialistas convocado pela OMS recomendou o uso de letras do alfabeto grego, ou seja, Alfa, Beta, Gama, que são mais fáceis e práticas de serem discutidas por qualquer público e comunicadores.

A OMS acrescentou que neste momento existem “evidências limitadas” sobre o impacto da lambda, ressaltando a urgência da realização de mais estudos que possam ajudar a compreender melhor o seu alcance, a fim de encontrar fórmulas que ajudem a controlar sua propagação.

O mesmo vale para qualquer afirmação sobre a eficácia das vacinas em relação a essa variante: é preciso realizar mais pesquisas.

Leia também: Impacto da vacinação e das variantes do SARS-CoV-2 na imunidade

Evidências sobre a variante lambda

O médico em microbiologia molecular e coordenador do Laboratório de Genômica Microbiana do Peru, Pablo Tsukayama, está por trás das pesquisas que identificaram a nova linhagem do novo coronavírus.

Em entrevista à BBC News Mundo, ele afirmou que ainda há muitas questões a serem resolvidas em relação à lambda, mas que, possivelmente, essa variante tem uma maior transmissibilidade.

“Ela provavelmente é mais transmissível, pois é a única forma de explicar o seu rápido crescimento. No Chile e no Peru, ela continua avançando fortemente, enquanto na província de Buenos Aires já representa mais de 40% dos casos”, contou.

Autora:

Referências bibliográficas:

 

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar