Descobertas no Brasil bactérias resistentes ao tratamento padrão da Hanseníase

Foi detectada no Brasil a existência de bactérias resistentes ao tratamento padrão contra hanseníase em maior proporção do que números divulgados pela OMS.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

A Hanseníase ainda é um problema de saúde pública no Brasil e voltou a crescer nos últimos anos. Segundo dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a doença tem 28 mil novos casos registrados por ano no país. O Brasil ocupa o segundo lugar no ranking mundial de novos pacientes diagnosticados, atrás somente da Índia.

Um estudo realizado recentemente no país indica que o problema pode ser ainda mais sério. Foi detectada a existência de bactérias resistentes ao tratamento padrão em maior proporção do que os números divulgados pela OMS.

“Por muitos anos, a OMS dizia que não existia resistência, que a hanseníase era 100% curável. Isso não é verdade. O que aconteceu foi que no passado não tínhamos as ferramentas para detectar isso. A Mycobacterium leprae é a única bactéria que causa a doença em humanos e que não pode ser cultivada em laboratório, em meio de cultura. Só nos anos 90 começaram a surgir os primeiros testes moleculares, que permitiram identificar a resistência diretamente no genoma do bacilo”, explica Marcelo Mira, professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da PUC-PR e líder do estudo em entrevista ao portal G1.

No estudo, os pesquisadores brasileiros detectaram a maior proporção de cepas resistentes da M. leprae já identificada em uma comunidade: 43,2% dos casos apresentavam resistência a algum dos medicamentos, e 32,4% possuíam resistência dupla.

Veja também: Pé de Charcot: conheça esta neuroartropatia insensível e silenciosa

Metodologia do estudo

Os cientistas acompanharam por 12 anos a população da Vila Santo Antônio do Prata, uma ex-colônia de hansenianos no interior do Pará, localizada a 110 km de Belém.

Os casos confirmados de hanseníase foram investigados quanto à resistência bacteriana usando uma combinação de testes in vivo e sequenciamento direto dos genes de resistência folP1, rpoB e gyrA. A análise epidemiológica molecular foi realizada com dados de 17 repetições de número variável (VNTR).

Resultados encontrados

O M. leprae foi obtido a partir de biópsias de 37 casos de hanseníase (18 recaídas e 19 novas); 16 (43,24%) apresentaram variantes de resistência a drogas. Resistência multidroga a rifampicina e a dapsona foi observada em oito recaídas e quatro novos casos. Resistência única à rifampicina foi detectada em um novo caso. A resistência à dapsona esteve presente em duas recaídas e em um novo caso. Dados de resistência molecular combinada e VNTR revelaram evidências de transmissão primária intrafamiliar de M. leprae resistente.

Conclusões

Foi revelado um cenário alarmante de emergência e transmissão de cepas resistentes. Esses achados podem ser usados ​​para o desenvolvimento de novas estratégias de vigilância da resistência a drogas em outras populações.

Saiba mais: Terapia com fagos: é possível no combate à resistência a antibióticos?

“Claro que essa é uma população muito particular, isolada e que foi submetida a praticamente todos os protocolos de tratamento aplicados nos últimos 100 anos por décadas. Mas os resultados são um importante sinal de alerta, de que ainda sabemos muito pouco sobre o fenômeno da emergência de resistência ao tratamento. Em um cenário em que as autoridades de saúde continuem subestimando a gravidade desse problema, é provável que daqui a 20 ou 30 anos haja uma hanseníase muito mais resistente disseminada nas populações endêmicas”, ressalta o pesquisador Marcelo Mira.

 *Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

 

Referências:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades