Home / Clínica Médica / Devo utilizar corticoides para dor de garganta por infecção bacteriana?
mãos de médico segurando remédios para dor de garganta

Devo utilizar corticoides para dor de garganta por infecção bacteriana?

Clínica Médica, Colunistas, Farmacologia, Infectologia, Medicina de Família
Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Seja no plantão ou no consultório, uma das queixas que mais ouvimos sempre é: dor de garganta. Cerca de 12 milhões de pessoas apresentam essa queixa em qualquer cenário de atendimento anualmente nos Estados Unidos. O manejo pode parecer simples, mas quando queremos reduzir sintomas a aumentar a eficácia do tratamento, você conhece as melhores evidências?

Uma revisão sistematizada com metanálise da Cochrane tentou avaliar o uso de corticoides na redução de sintomas em casos de faringite aguda. Posteriormente o The NNT groupe avaliou as conclusões dos estudos para ratificar a conduta como sendo indicada ou não.

A equipe de revisores avaliou a influência do uso de corticoides para redução de sintomas para queixa inespecífica: dor de garganta. Foram avaliados indivíduos categorizados com qualquer uma das hipóteses de: amigdalite, tonsilite, faringite, odinofagia ou dor inespecífica de garganta.

Um total de oito trials randomizados placebo controlados foram identificados comparando o uso de antibióticos com ou sem uso associado de corticoides. Um total de 743 indivíduos foram avaliados, dos quais 369 eram crianças e 374 eram adultos. Os desfechos avaliados foram alívio de dor, resolução de sintomas com 24 horas, sustentação de alívio após 48 horas, tempo de resolução e recorrência.

Mais do autor: Estamos tendo menos diabetes ao longo dos últimos 30 anos?

Os resultados convergiram para conclusão de que corticoides (prednisona 60 mg, dexametasona em doses acima de 10 mg ou betametasona 8 mg) são eficazes na redução de intensidade de sintomas comparados ao placebo. Além disso, pacientes que se valeram dessa modalidade terapêutica apresentação uma chance maior de 39% contra 12% do placebo de resolução de sintomas em 24 horas. Nesses mesmos pacientes, a persistência de melhora foi superior (77%) em relação ao placebo (47%). A associação de corticoides reduziu o tempo de alívio da dor em 6 horas e resolução completa de sintomas em 14 horas. Não houve diferença significativa entre os grupos ao se avaliar recorrência.

As limitações encontradas dizem respeito ao tamanho dos estudos incluídos, o que diminui muito o poder detecção de danos associados à intervenção. Além disso houve uma heterogeneidade grande entre os tipos e doses de corticoides empregados. A maiorias das doenças que cursam com dor de garganta são de etiologia viral e não foram incluídas na análise, o que pode gerar resultados interessantes quanto aos desfechos por ser um agravo mais prevalente.

Usar ou não corticoides na dor de garganta?

A cada três pacientes com com dor de garganta associada à infecção bacteriana, um se beneficia com uso de corticoides para os desfechos avaliados. Esse NNT é muito baixo quando se compara que nenhum paciente apresentou dano relacionado ao uso.

Dessa forma, a recomendação é favorável ao uso de corticoides associados à antibioticoterapia para infecções bacterianas de faringe e laringe. Para compreender as doses e as melhores opções de antibióticos para esses agravos utilize o Whitebook. No próximo plantão ou rotina de consultório você já sabe o que fazer.

Receba todas as atualizações do Portal PEBMED! Inscreva-se em nossa news!

Autor:

Referências bibliográficas:

  • Hayward G, Thompson MJ, Perera R, Glasziou PP, Del Mar CB, Heneghan CJ. Corticosteroids as standalone or add‐on treatment for sore throat. Cochrane Database of Systematic Reviews 2012, Issue 10. Art.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.