Diarreia por C. difficile: uso de probióticos na prevenção / tratamento é eficaz? - PEBMED

Diarreia por C. difficile: uso de probióticos na prevenção / tratamento é eficaz?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Os antibióticos afetam a flora intestinal, o que pode levar à redução da resistência a patógenos, como o Clostridium difficile. Com base na premissa de que os probióticos, quando administrados em quantidades adequadas, são uma potencial estratégia de prevenção, pesquisadores avaliaram a eficácia e segurança dos probióticos na prevenção da diarreia associada ao C. difficile em adultos e crianças.

Para essa meta-análise, pesquisadores utilizaram as bases do PubMed, EMBASE, CENTRAL e Cochrane IBD Group Specialized Register, desde a origem até 2017, para encontrar ensaios randomizados sobre probióticos na prevenção de diarreia ou infecção por C. difficile.

Diarreia: veja as principais orientações do novo guideline do IDSA

Resultados

Trinta e nove estudos com 9.955 participantes (7.000 eram pacientes internados, 7.800 eram adultos, 1.100 eram crianças e 2. 500 tinham risco inicial de diarreia por C. difficile > 5%) foram selecionados. Em geral, a análise mostrou que os probióticos reduzem o risco de diarreia por C. difficile em 60%.

A incidência de diarreia por C. difficile foi:

– Todos os pacientes: grupo probióticos 1,5%, grupo controle 3,9%; NNT 42
– Pacientes internados: probióticos 1,7%, controle 4,2%; NNT 40
– Adultos: probióticos 1,4%, controle de 3,3%; NNT 53
– Crianças: probióticos 2,5%, controle 7,5%; NNT 20
– Pacientes com risco de diarreia por C. difficile > 5%: probióticos 3,1%, controle 11,6%; NNT 12

Os eventos adversos foram avaliados em 32 estudos (8.305 participantes) e a análise indicou que os probióticos reduziram o risco em 17% (RR 0,83, IC de 95%: 0,71 a 0,97). Os eventos adversos mais comuns em todos os grupos incluíram cólicas abdominais, náuseas, febre, fezes moles, flatulência e distúrbios do paladar.

Tenha em mãos informações objetivas e rápidas sobre práticas médicas. Baixe o Whitebook.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências:

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Um comentário

  1. Boa Noite! Infelizmente não consegui acessar o artigo original…Qual o tipo de probiótico e dose utilizada?
    Grata!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar