Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Infectologia / Diarreia: Novo guideline do IDSA (parte 2)
medico segurando um remedio e escrevendo uma prescricao

Diarreia: Novo guideline do IDSA (parte 2)

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 2 minutos.

Uma atualização recente das diretrizes de diarreia infecciosa da IDSA (Infectious Disease Society of America) foi publicada. Destacamos em 2 partes as principais recomendações da publicação. Na primeira, falamos sobre o diagnóstico, agora abordaremos o tratamento.

Tratamento empírico: Indicações:

  • Em imunocompetentes, apenas nas seguintes situações:
    – < 3 anos com suspeita de infecção bacteriana;
    – Na presença de: febre, dor abdominal, diarreia sanguinolenta e disenteria bacilar (caracterizada por sangue frequente nas fezes, febre, cólicas abdominais e tenesmo), com diagnóstico presumido de shigelose;
    – Histórico de viagens internacionais recentes com febre maior ou igual à 38,5ºC e/ou sinais de sepse.
  • Antimicrobiano empírico: Optar por fluoroquinolonas, como o ciprofloxacino, ou por macrolídeo, como a azitromicina.
  • Em menores de 3 meses, prefere-se cefalosporinas de 3º geração, como a ceftriaxona, ou outra opção com concentração em sistema nervoso central, como a azitromicina.
  • Contatos assintomáticos de pacientes disentéricos não apresentam indicação de uso empírico de antimicrobianos.
  • Em infecções por E. coli produtores de Shiga, tratamento empírico com antimicrobianos deve ser evitado.
  • Nos casos de diarreia aquosa, prolongada ou persistente, o tratamento empírico com antimicrobianos não é recomendado, exceto na presença de histórico de viagem internacional.

Terapia de reidratação oral:

  • Iniciar imediatamente em todas as crianças e adultos com diarreia aguda de leve a moderada de qualquer etiologia.
  • Pacientes impossibilitados ou intolerantes, administrar por sonda nasogástrica.
  • Administração de soluções isotônicas endovenosas, como cristaloides, está indicada em casos de falência da terapia oral ou em casos de desidratação severa, choque ou alteração do nível de consciência.

Alimentação:

  • Em lactentes, manter o aleitamento materno durante o quadro ou imediatamente após o início da terapia de reidratação.
  • Em adultos, retomar a dieta durante o quadro ou imediatamente após o início da terapia de reidratação.

Alívio sintomático:

  • Loperamida (ação antimotilidade): Deve ser evitada em menores de 18 anos de idade com diarreia aguda. Pode ser prescrita em adultos imunocompetentes com diarreia aquosa aguda, sendo suspensa em caso de febre ou suspeita de megacólon tóxico.
  • Antieméticos: Podem ser prescritos para melhor tolerância à terapia de reidratação oral em pacientes com mais de 4 anos de idade.

Probióticos e Zinco:

  • Probióticos: Alívio da gravidade e duração dos sintomas em adultos e crianças imunocompetentes com quadro de diarreia infecciosa ou associada ao uso de antimicrobianos.
  • Suplementação oral de zinco: Abrevia a diarreia em crianças de 6 meses à 5 anos de idade que residem em áreas com alta prevalência de deficiência de zinco ou com sinais de desnutrição, exclusivamente.

Autor:

Avatar

Referências:

2 comentários

  1. Avatar
    cecilia margarida schmolz de mattos

    muito elucidativo

  2. Avatar
    Uripide martinez

    Gosto muito adoro o aplicativo muito actualisado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.