Saúde Pública

Doar sangue: um gesto humanitário de amor

Tempo de leitura: 2 min.

Doar sangue é mais do que doar vida, é um gesto de amor ao próximo. Comemoramos hoje, 14 de junho, o Dia Mundial do Doador de Sangue, data criada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 2005 para homenagear o imunologista Karl Landsteiner, que descobriu o fator Rh e diferenças entre tipos sanguíneos.

Este ano o tema escolhido foi “Doe sangue para que o mundo continue pulsando”. O intuito é chamar atenção de toda a população para a importância de ser um doador, de se colocar a favor do próximo de maneira regular e gratuita.

Doar sangue

O doador de sangue contribui para que muitas pessoas continuem vivas. Este gesto não só salva vidas, mas também contribui para a manutenção da qualidade de vida de muitos pacientes que necessitam de transfusões sanguíneas regulares.

Veja também: O cuidado de enfermagem na doação de órgãos

Os jovens são considerados público alvo, pois os mesmos vivem atentos às mídias sociais e engajados em causas nobres. Chamar a atenção deste público pode fazer a diferença para o sucesso da campanha.

Muitos são influenciadores digitais e podem contribuir para um aumento importante deste gesto humanitário: a doação de sangue. Na campanha de 2020 apenas 1,8% da população realizou o gesto no Brasil, onde o esperado era que 5% da população o fizesse.

Doação de sangue e pandemia de Covid-19

A pandemia da Covid-19 contribuiu para uma diminuição das doações. Por isto, medidas para que os pontos de doações tivessem um ambiente adequado, organizado e que atendessem às regras de segurança para a prevenção desta patologia foram essenciais para que os doadores voluntários se sentissem seguros para realizarem este nobre gesto.

Se você quer ser um doador, mas teve Covid-19, você deve aguardar 30 dias após o desaparecimento dos sintomas para realizar a doação. Mas se teve contato com alguém contaminado ou retornou de uma viagem internacional, a orientação é aguardar 14 dias.

Os doadores podem ser pessoas na faixa etária entre 16 e 69 anos. O sangue doado não causa danos à saúde do doador, pois ao terminar a doação, sua medula trabalha para repor a quantidade retirada.

Mais da autora: Queimaduras: as cicatrizes podem marcar o corpo e a alma!

A importância e a necessidade da doação de sangue seguro são universais, mas infelizmente nem todos tem acesso, existindo uma escassez muito grande, principalmente em países em desenvolvimento. E este problema só será resolvido se tivermos o apoio dos poderes públicos e de doadores regulares, engajados e não remunerados, dispostos a darem o primeiro passo.

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Liziane Barros

Posts recentes

Desafio diagnóstico de Guillain Barré: paresia de membros inferiores

A síndrome de Guillain-Barré apresenta muitos desafios na obtenção de um diagnóstico. Acompanhe os relatos…

11 horas atrás

Soluções para pacientes com fobias de ressonância magnética e tomografia

Realizar uma ressonância magnética ou tomografia costuma ser uma tarefa muito difícil para alguns pacientes.…

1 dia atrás

Whitebook – Demência Avançada

De acordo com o Whitebook Clinical Decision, a demência avançada é a fase final (e…

1 dia atrás

Revisão de guidelines para cistos pancreáticos

O acompanhamento de lesões císticas do pâncreas requer atenção constante do médico. Confira atualização recente…

2 dias atrás

Highlights International AIDS Conference 2022

Nesse episódio, confira os principais destaques do International AIDS Conference, o AIDS 2022. Não deixe…

2 dias atrás

Organizando a consulta: o guia Calgary-Cambridge

Em mais um texto da Série Comunicação Médica, vamos entender a importância da comunicação e…

2 dias atrás