Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Enfermagem / Doenças pediátricas do verão: como o enfermeiro deve abordar a otite externa?
menina com otite externa aguda difusa com mão no ouvido por sentir dor

Doenças pediátricas do verão: como o enfermeiro deve abordar a otite externa?

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

No verão, durante as férias escolares, é comum as crianças frequentarem praias e piscinas, aumentando o risco de desenvolveram otite externa diante do contato prolongado com a água.

Otite externa aguda difusa

A otite externa aguda difusa, também chamada de “ouvido de nadador (swimmer’s ear)”, é uma condição inflamatória e/ou infecciosa que acomete o conduto auditivo externo e região auricular. O contato prolongado com a água, possibilita a entrada de água nos ouvidos, propiciando um meio úmido e aquecido, o que possibilita o crescimento de microrganismos.

Essa condição também pode ocorrer devido a remoção da camada lipídica protetora do canal auditivo com hastes flexíveis, próteses auditivas e etc. Os principais causadores de otite externa são Pseudomonas aeruginosa, Staphylococcus epidermidis e Staphylococcus aureus.

O processo inflamatório provoca hiperemia, edema do conduto auditivo externo e dor aguda, que pode ser mais intensa ao toque da região auricular e durante movimentos de mastigação. Pode ocorrer otorreia purulenta, prurido plenitude auricular e hipoacusia.

Veja também: Doenças pediátricas do verão: cuidados de enfermagem à criança com diarreia

Ação da enfermagem

Durante a consulta de enfermagem, o enfermeiro deve investigar as manifestações clínicas, se a criança frequentou praias, piscinas, clubes nos últimos dias, a ocorrência de infecções respiratórias anteriores, que pode estar associada a quadros de otite média aguda.

É importante que o enfermeiro realize exame físico completo, com foco na avaliação da dor da criança, utilizando escalas apropriadas. A leve palpação do tragus é suficiente para a criança se queixar de dor. O examine do pavilhão e estruturas auriculares, otoscopia, avaliação da presença de secreções e verificação dos sinais vitais são imprescindíveis.

A manejo de crianças com otite externa é ambulatorial, salvo os casos de crianças imunossuprimidas, presença de abcessos, celulites de face, pescoço e pavilhão auricular.

Veja ainda: Doenças pediátricas do verão: ação do enfermeiro na insolação

Os principais cuidados de enfermagem para manejar os casos de Otite Externa em crianças são o uso de medidas farmacológicas e não farmacológicas para alívio da otalgia, orientar os pais sobre a administração de medicamentos prescritos como analgésicos, anti-inflamatórios e antibióticos em gotas otológicas. Antibioticoterapia sistêmica está reservada para os casos com infecções graves e complicadas.

Orientar sobre a limpeza externa do pavilhão auricular, orientar a não frequentar praias ou piscinas durante o quadro clínico, proteção dos ouvidos com tampões ou bolas de algodão, principalmente nos casos de banho de imersão.

Quer saber mais sobre doenças pediátricas no verão? Baixe grátis o aplicativo Nursebook, agora disponível em Android e iOS.

Autor:

Referências bibliográficas:

  • Rosenfeld RM, Schwartz SR, Cannon CR, et al. American Academy of Otolaryngology-Head and Neck Surgery Foundation. Clinical practice guideline: acute otitis externa.OtolaryngolHeadNeck Surg. 2014;150(suppl 1):S1-S24
  • Kaushik V,Malik T, Saeed SR. Interventions for acute otitis externa.CochraneDatabase Syst Rev. 2010;(1):CD004740
  • Mösges R, Baues CM, Schröder T, et al. Acute bacterial otitis externa: efficacy and safety of topical treatment with an antibiotic ear drop formulation in comparison to glycerol treatment. Curr Med Res Opin. 2011;27:871-878

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.