Página Principal > Colunistas > Ebola volta a ser epidemia mundial no Congo
ebola

Ebola volta a ser epidemia mundial no Congo

Tempo de leitura: 2 minutos.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o surto do vírus ebola (DVE) na República Democrática do Congo voltou a ser uma emergência de saúde pública de preocupação internacional (PHEIC).

“É hora de todos os países perceberem essa grave situação e redobrarem os seus esforços em relação a essa doença. Precisamos trabalhar juntos em solidariedade com o governo do Congo para acabar com este surto e construir um sistema de saúde melhor”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS.

“Um trabalho extraordinário foi realizado por quase um ano nas circunstâncias mais difíceis. Todos nós devemos a esses profissionais – vindos não apenas da OMS, mas também do governo, parceiros e comunidades – para arcar com mais carga”, complementou Ghebreyesus.

A declaração seguiu-se a uma reunião do Comitê de Emergência do Regulamento Sanitário Internacional para o vírus ebola no Congo. O Comitê citou os recentes desenvolvimentos no surto ao fazer a sua recomendação, incluindo o primeiro caso confirmado em Goma, uma cidade de quase dois milhões de pessoas na fronteira com Ruanda e a porta de entrada para o restante da República Democrática do Congo e do mundo.

Saiba mais sobre a situação: Ebola no Congo: uma rápida revisão e o cenário atual

O Comitê manifestou-se desapontado com os atrasos no financiamento, que limitaram a resposta. Os representantes também reforçaram a necessidade de proteger os meios de subsistência das pessoas mais afetadas pelo surto, mantendo abertas as rotas de transporte e as fronteiras. É essencial evitar as consequências econômicas punitivas das restrições de viagens e comércio às comunidades afetadas.

“É importante que o mundo siga estas recomendações. É também crucial que os estados não usem o PHEIC como uma desculpa para impor restrições comerciais ou de viagens, o que teria um impacto negativo na resposta e nas vidas e meios de subsistência das pessoas na região”, disse o professor Robert Steffen, presidente do Comitê de Emergência.

Gravidade da situação

Desde que foi declarado há quase um ano, o surto foi classificado como uma emergência de nível 3 – a mais grave – pela OMS, provocando o mais alto nível de mobilização da OMS. A ONU também reconheceu a gravidade da emergência, ativando o Escala-Up do Sistema Humanitário para apoiar a resposta ao Ebola.

A intensidade da situação epidemiológica é flutuante, com cerca de 80 novos casos relatados semanalmente. Há uma mudança contínua de pontos de acesso e riscos associados. O vírus continua se disseminando em áreas novas ou previamente desmatadas, mas até agora sem transmissão local sustentada. O vírus estendeu-se geograficamente, mas a transmissão é não tão intensa.

No entanto, a situação na cidade de Beni continua difícil e preocupante, especialmente porque a proporção de mortes na comunidade tem aumentado. Desafios contínuos incluem insegurança, aceitação da comunidade, atrasos na detecção e isolamento de casos, desafios no rastreamento de contatos, população altamente móvel e múltiplas rotas de transmissão.

Transmissão nosocomial, enterros diários e o uso de curandeiros tradicionais continuam amplificando a transmissão do vírus ebola em comunidades. O nível de preparação em Goma e as ações prioritárias em Ruanda foram apresentadas, demonstrando melhorias significativas, além de preparação dos pilares (vigilância, Centros de Tratamento de Ebola, etc.). Lacunas e desafios permanecem, especificamente, em nível distrital.

Autora: 

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.