Endomiocardiofibrose: como diagnosticar

Endomiocardiofibrose [EMF] é a cardiomiopatia restritiva mais comum no mundo e é uma doença endêmica em determinadas regiões como o nordeste do Brasil.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Endomiocardiofibrose [EMF] é a cardiomiopatia restritiva mais comum no mundo. Denominamos cardiomiopatia restritiva a doença miocárdica caracterizada por diminuição primaria da complacência do ventrículo, levando a um enrijecimento excessivo das paredes miocárdicas, culminando com disfunção diastólica. Nos estágios mais tardios, a função sistólica também estará prejudicada. As cavidades ventriculares podem se apresentar de tamanho normal, diminuídas ou levemente aumentadas, já os átrios estão quase sempre aumentados.

A EMF é uma doença endêmica em determinadas regiões como: África equatorial, sudeste asiático, Índia, Colômbia e nordeste do Brasil. Em alguns países africanos a prevalência pode chegar até a 20%, geralmente em jovens. Os pacientes apresentam em sua maioria nível sócio-educacional mais baixo e má alimentação com uma dieta pobre em carnes e peixes, o que nos leva a interrogar um provável fator nutricional associado a doença.

As primeiras descrições sobre a EMF ocorreram entre 1975 e 1977 por meio de autópsias realizadas em Moçambique. Na África, a EMF é uma causa frequente de IC sendo responsável por 10% a 20% das mortes de causa cardíaca. Há maior prevalência no sexo feminino, com predomínio na etnia negra. A EMF se apresenta como infiltrados fibrosos que se depositam nos ápices ventriculares com alterações no processo de enchimento ventricular.

A principal sintomatologia inclui sinais e sintomas de IC. A fibrose endocárdica envolve principalmente os ápices dos ventrículos direito e esquerdo e pode afetar as válvulas atrioventriculares, principalmente por acometer os músculos papilares levando a regurgitação tricúspide e mitral. A forma mais comum é a EMF biventricular, em aproximadamente 50% dos casos há envolvimento biventricular, 40% do ventrículo esquerdo e em 10% do ventrículo direito.

Quando há acometimento das câmaras direitas há predomínio da reg tricúspide e pode haver presença de ascite volumosa, com ou sem edema periférico, hepatomegalia, náuseas e pressões de enchimento elevadas. A presença de ascite pode ser desproporcional ao edema periférico – isso se deve pela presença concomitante de enteropatia perdedora de proteínas com consequente hipoalbuminemia. Pacientes com insuficiência tricúspide podem ter ondas V gigantes observadas nos pulsos jugulares. Nas câmaras esquerdas predominam congestão, dor torácica, dispneia -sintoma predominante – além de fadiga, dispneia paroxística noturna e ortopneia. Complicações tromboembólicas também podem ocorrer.

Pacientes com EMF também podem apresentar sintomas de arritmia como síncope, lipotimia e palpitações. A fibrilação atrial está presente em 37% dos casos e apresentações graves do tipo morte súbita abortada por arritmias ventriculares fatais também são registradas.

Mais do autor: ‘Takotsubo X SCA – um desafio para o emergencista’

Achados eletrocardiográficos: fibrilação atrial ocorre em um terço dos pacientes, pode-se observar baixa voltagem dos complexos QRS, bloqueios AV, alentecimento na condução pelo ramo direito ou esquerdo do feixe de HISS, evidências de sobrecarga atrial.

Ecocardiograma: é a modalidade diagnóstica de escolha para EMF. A presença e a localização da fibrose se correlaciona bem com os achados da autópsia. Espessamento da parede infero-basal do VE obliteração apical e trombos aderentes à superfície endocárdica, além de derrame pericárdico, são achados frequentes. Análise da função diastólica demonstra padrão restritivo acompanhado de aumento no volume atrial. Reg mitral e tricúspide podem estar presentes.

Angiografia: era considerada o padrão ouro para diagnostico. A ventriculografia esquerda e direita demonstram distorção da câmara por fibrose e obliteração apical, além de vários graus de reg mitral e tricúspide. O sinal do cogumelo ou luva de boxer é usado para descrever a forma que o ventrículo afetado assume quando há obliteração completa do ápice.

A RNMC pode identificar a EMF nas imagens de cinerressonância facilmente por não possuir limitação, tipo janela acústica desfavorável, e realizar o diagnóstico diferencial com a cardiomiopatia hipertrófica apical. A EMF possui um padrão habitual de realce tardio identificado como uma imagem linear hiperintensa com o formato de letra V, representando a fibrose endocárdica ou como o sinal de duplo V, formado por esta imagem hiperintensa recoberta internamente por outra camada hipointensa – correspondente ao trombo-calcificação associado.

A terapêutica é direcionada para IC. Uso de diuréticos para o manuseio da volemia e betabloqueadores para melhora do enchimento ventricular são as principais drogas utilizadas. Em pacientes portadores de trombo, indicamos o uso de anticoagulantes orais por, pelo menos, 6 meses.

A cirurgia de ressecção do miocárdio com reconstrução ventricular e troca valvar surge como principal opção terapêutica, estando indicado nos pacientes sintomáticos NYHA III e IV. Apesar de taxas de mortalidade altas no pós-operatório imediato (15 a 30%), há benefícios na sobrevida a longo prazo.

A EMF persiste como um mistério na cardiologia clínica. A morte geralmente ocorre como um resultado da insuficiência cardíaca progressiva ou de arritmia associado e morte súbita cardíaca.

É médico e também quer ser colunista da PEBMED? Clique aqui e inscreva-se!

Referências:

  • Mocumbi AO, Ferreira MB, Sidi D, Yacoub MH. A population study of endomyocardial fibrosis in a rural area of Mozambique. N Engl J Med. 2008;359(1):43-9.
  • Bukhman G, Ziegler J, Parry E. Endomyocardial fibrosis: still a mystery after 60 years. PLoS Negl Trop Dis. 2008;2(2):e97.
  • Bukhman G. Endomyocardial fibrosis. UptoDate [internet]. [cited 2009 Sep 10]. Available from: http://www.uptodate.com
  • Moraes F, Lapa C, Hazin S, Tenorio E, Gomes C, Moraes CR. Surgery for endomyocardial fibrosis revisited. Eur J Cardiothorac Surg. 1999;15(3):309-12.
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades