Esclerose múltipla: contagem de linfócitos em pacientes tratados com fumarato de dimetila - PEBMED

Esclerose múltipla: contagem de linfócitos em pacientes tratados com fumarato de dimetila

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

O fumarato de dimetila de liberação retardada (DMF), indicado para o tratamento de pacientes com esclerose múltipla recorrente-remitente, é uma terapia com potenciais efeitos imunomoduladores e neuroprotetores. Segundo dados da literatura, o DMF tem sido associado com redução da contagem de leucócitos e linfócitos absolutos.

Nos Estados Unidos, a informação atual sobre prescrição recomenda a obtenção de uma contagem sanguínea completa antes do início e durante o tratamento com DMF.

Publicado no Neurology Clinical Practice, um estudo caracterizou o perfil de contagem de linfócitos e também avaliou a eficácia do uso de DMF em pacientes com ou sem linfopenia.

Um total de 2.470 pacientes (98,3%) tiveram acompanhamento da contagem absoluta linfocitária (mediana de seguimento: 39,9; variação: 0,0 a 90,5 meses).

Veja também: ‘Esclerose Múltipla para não neurologistas’

A contagem média absoluta de linfócitos diminuiu em, aproximadamente, 30% durante o primeiro ano de tratamento, e posteriormente, atingiu um platô, permanecendo acima do limite normal de 910 mm3 durante o período de tempo observado.

Dentre os pacientes tratados por mais que 6 meses (n=2.099), 47 (2,2%) apresentaram contagem absoluta de linfócitos <500 mm3 que persistiu por mais de 6 meses.

A contagem absoluta de linfócitos permaneceu maior ou igual ao limite inferior da normalidade em 84% dos pacientes durantes os seis primeiros meses e em 76% durante o primeiro ano. Destes, 0,1% e 0%, respectivamente, desenvolveram contagem absoluta de linfócitos inferior a 500 mm3, persistindo por ≥ seis meses em qualquer momento.

A eficácia terapêutica observada para pacientes com e sem linfopenia sugeriu que a linfopenia não é um mecanismo de ação primário de DMF.

E mais: ‘Treino de resistência protege cérebro de Esclerose Múltipla’

*Esse artigo foi revisado pelo médico Eduardo Moura.

Referências:

  • Fox RJ, Chan A, Gold R, Phillips JT, Selman K. Characterizing absolute lymphocyte count pro fi les in dimethyl fumarate – treated patients with MS. Neurol Clin Pract. 2016;6(3):220–9.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar