Leia mais:
Leia mais:
Imunobiológicos no tratamento da asma
Doenças oculares associadas ao dupilumabe
Check-up Semanal: risco de miopia na Covid-19, corticoide na manutenção da asma e mais!
Corticoide oral no tratamento da asma: até onde podemos ir?
Eficácia de longo prazo de um programa de autocuidado da asma em adolescentes

Estudo apoia o uso de dupilumabe para tratamento de asma moderada a grave em crianças de 6 a 11 anos

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Os resultados de um ensaio multicêntrico internacional defendem a aprovação feita em outubro pela agência Food and Drug Administration (FDA) do medicamento dupilumabe para o tratamento de asma moderada a grave em crianças de seis a onze anos. O artigo Dupilumab in Children with Uncontrolled Moderate-to-Severe Asthma, de Bacharier e colaboradores, foi publicado em 9 de dezembro no jornal The New England Journal of Medicine. 

Crianças com asma moderada a grave podem evoluir com complicações da doença, apesar do uso de terapia padrão. O anticorpo monoclonal dupilumabe já havia sido aprovado para o tratamento de asma em adultos e adolescentes, bem como com outras doenças inflamatórias do tipo 2. Dessa forma, o objetivo do estudo Liberty Asthma VOYAGE (Evaluation of Dupilumab in Children with Uncontrolled Asthma) foi avaliar a eficácia e segurança de dupilumabe na faixa etária pediátrica em crianças com idades entre seis e onze anos com diagnóstico de asma moderada a grave.

Saiba mais: Recomendações brasileiras para o manejo da asma grave — 2021

dupilumabe

Metodologia 

Os pesquisadores conduziram um ensaio clínico randomizado, duplo-cego e controlado por placebo de fase 3 em um período de 52 semanas.  

Crianças com idades entre seis e onze anos eram elegíveis para participar se tivessem asma moderada a grave diagnosticada de acordo com as diretrizes GINA. Quatrocentas e oito crianças com idades entre seis e onze anos que tinham asma moderada a grave não controlada foram atribuídas para receber uma injeção subcutânea (SC) de dupilumabe, em um dose de 100 mg para aqueles com peso igual ou inferior a 30 kg e 200 mg para aqueles com peso superior a 30 kg) ou placebo correspondente a cada duas semanas. Todas as crianças continuaram a receber uma dose estável da terapia de base padrão.

O desfecho primário foi a taxa anual de exacerbações graves da asma. Os desfechos secundários incluíram a mudança da linha de base na porcentagem do volume expiratório forçado pré-broncodilatador previsto em um segundo (ppFEV1) na semana 12 e na pontuação no Questionário de Controle da Asma 7 Administrado por Entrevistador (ACQ-7-IA) na semana 24. Os pontos finais foram avaliados nas duas populações de eficácia primária que tinham um fenótipo de asma inflamatória tipo 2 (≥150 eosinófilos sanguíneos/mm³ ou uma fração de óxido nítrico exalado de ≥20 ppb na linha de base) ou uma contagem de eosinófilos sanguíneos de, pelo menos, 300/mm³ na linha de base.

Resultados 

Um total de 408 pacientes foram submetidos à randomização: 273 para o “grupo dupilumabe” e 135 para o “grupo placebo”. No “grupo dupilumabe”, três pacientes não receberam a intervenção atribuída. As características demográficas e clínicas dos pacientes nos dois grupos foram semelhantes no início do estudo e as atribuições de tratamento foram equilibradas entre as duas populações de eficácia primária. A duração média do acompanhamento foi de 365 dias.  

Em pacientes com fenótipo inflamatório tipo 2, a taxa anual de exacerbações graves da asma foi de 0,31 (intervalo de confiança de 95% [IC], 0,22 a 0,42) com dupilumabe e 0,75 (IC 95%, 0,54 a 1,03) com placebo (redução do risco relativo no grupo dupilumabe 59,3%; IC 95%, 39,5 a 72,6; P <0,001). A alteração média da linha de base no ppFEV1 foi de 10,5 ± 1,0 pontos percentuais com dupilumabe e 5,3 ± 1,4 pontos percentuais com placebo (diferença média, 5,2 pontos percentuais; IC de 95%, 2,1 a 8,3; P <0,001). O dupilumabe também resultou em um controle significativamente melhor da asma do que o placebo (P <0,001). Resultados semelhantes foram observados em pacientes com uma contagem de eosinófilos de, pelo menos, 300 células/mm³ no início do estudo.  

A incidência de eventos adversos graves foi semelhante nos dois grupos. O evento adverso mais comum que ocorreu em, pelo menos, 5% dos pacientes e com maior frequência no “grupo dupilumabe” foi infecção viral do trato respiratório superior (12,2% com dupilumabe e 9,7% com placebo). A descontinuação de uma intervenção do estudo devido a eventos adversos ocorreu em 1,8% dos pacientes no “grupo dupilumabe” e em 1,5% daqueles no “grupo placebo”. Eventos adversos graves foram relatados em 13 pacientes (4,8%) no “grupo dupilumabe” e em 6 (4,5%) no “grupo placebo”. A eosinofilia ocorreu em 5,9% e 0,7% dos pacientes nos grupos dupilumabe e placebo, respectivamente. A maioria dos episódios de eosinofilia foi de achados laboratoriais autolimitados, sem quaisquer sintomas associados. Um único caso de eosinofilia foi associado a sintomas clínicos que incluíram hospitalização e descontinuação permanente de dupilumabe. Infecções parasitárias foram relatadas em sete pacientes (2,6%) no “grupo dupilumabe”.

Leia também: Tezepelumabe em adultos com asma grave

Conclusão 

Os resultados desse estudo mostraram que a terapia com dupilumabe levou a melhorias significativas por meio de reduções nas exacerbações da asma e melhorias rápidas na função pulmonar e no controle da asma durante o período de teste de 52 semanas. Além disso, o tratamento também teve um perfil de efeitos colaterais aceitável em pacientes com idades entre seis e onze anos com asma moderada a grave não controlada e um fenótipo de asma inflamatória tipo 2. Portanto, entre as crianças com asma moderada a grave não controlada, aquelas que receberam dupilumabe tiveram menos exacerbações da asma e melhor função pulmonar e controle da asma do que aquelas que receberam placebo.  

Autora:

Referências bibliográficas: 

  • Bacharier LB, Maspero JF, Katelaris CH, et al. Dupilumab in Children with Uncontrolled Moderate-to-Severe Asthma. N Engl J Med. 2021;385(24):2230-2240. doi10.1056/NEJMoa2106567
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.