Ginecologia e Obstetrícia

Exames da mama: qual método é o mais indicado para cada caso?

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

As alterações nas mamas – sejam elas dores, secreção ou lesões – são responsáveis por cerca 15 milhões de consultas médicas ao ano. Cistos, nódulos e calcificações fazem parte dos principais achados clínicos.

“Muitas das doenças mamárias são benignas, ou seja, não cancerígenas. Elas podem acometer mulheres de diversas faixas etárias, com diferentes tamanhos e densidades de mama”, explica o Dr. Henrique Pasqualette, mastologista e diretor médico do Centro de Estudos e Pesquisas da Mulher (CEPEM). As causas incluem mudanças hormonais, herança genética, fatores externos, entre outras.

Os cuidados com a região devem ser redobrados em mulheres após os 40 anos, principalmente aquelas com histórico de câncer de mama na família. Diversos exames são capazes de identificar alterações na área. “A mamografia digital e a tomossíntese são preconizados como os primeiros procedimentos a serem feitos para o rastreio. Enquanto o ultrassom das mamas, a ressonância magnética e, mais recentemente, a angiomamografia são complementares às alterações previamente observadas”, esclarece.

Exames da mama

 Confira abaixo a indicação para cada tipo de exame:

Ultrassonografia das mamas

“O exame é indicado para mamas radiologicamente densas, quando há uma quantidade de tecido fibroglandular capaz de obscurecer nódulos ou outras alterações”, salienta o especialista. Diferente da mamografia, que costuma ser feita após os 40, o ultrassom das mamas é um método de rastreio feito em pacientes jovens. O exame é eficaz para diferenciar um nódulo sólido de um cisto e, por isso, é muito utilizado para complementar a mamografia.

Ressonância magnética das mamas

Pouco comum, a ressonância é indicada apenas em casos muito específicos, sendo recomendada para rastreamento em mulheres de alto risco e para avaliação da integridade de próteses mamárias. “Por possuir altíssima sensibilidade, ela é capaz de detectar lesões que os outros exames, por vezes, não conseguem. Porém, isso também está associado a maiores chances de resultados falsos positivos”, conta o médico. De acordo com a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO), cerca de 70% das lesões suspeitas detectadas pela ressonância magnética não são câncer.

Como identificar o paciente de risco para o câncer de mama

Mamografia

Considerado o método mais eficaz de rastreamento de patologias na mama, a mamografia é um procedimento não invasivo que captura imagens do seio com o mamógrafo. O aparelho usa a mesma radiação do raio-x tradicional, mas em uma dose extremamente baixa. “A partir desse exame, é possível buscar por nódulos, microcalcificações, distorções da arquitetura mamária ou áreas densas assimétricas. Sinais que podem indicar a presença de uma neoplasia maligna”, ressalta Dr. Henrique. Normalmente, o exame deve começar a ser feito, anualmente, a partir dos 40 anos.

Teste de sangue para detectar o câncer da mama pode substituir mamografia?

Tomossíntese

Também conhecida como mamografia 3D, a tomossíntese mamária é uma evolução da mamografia digital. Esse exame é indicado para o rastreamento do câncer de mama em mulheres com ou sem alto risco para a doença. “Sua varredura produz uma série de imagens sob diversos ângulos, que reconstroem a imagem mamária em um formato tridimensional. É capaz de aumentar a taxa de detecção de câncer em 90% e, segundo alguns estudos, reduzir a indicação de biópsias em até 30%”, informa.

Angiomamografia

Novidade que chegou ao Brasil* este ano, a angiomamografia é um inovador procedimento em que é realizada uma mamografia convencional com aplicação de contraste. O método diminui a incidência de falsos positivos, devido a sua maior especificidade e sensibilidade em comparação à mamografia digital convencional e à ressonância magnética . O procedimento é feito com a injeção do contraste, que permite uma melhor avaliação de certas estruturas do organismo. “São realizadas as incidências convencionais e as de alta energia, na qual pequenas lesões suspeitas podem ser reveladas em virtude da neovascularização presente nos tecidos tumorais”, conta o mastologista. Após a administração do contraste, o exame é finalizado em, no máximo, oito minutos.

*A tecnologia é oferecida com exclusividade no Centro de Estudos e Pesquisas da Mulher (CEPEM), no Rio de Janeiro.

Autor:

CEPEM (Centro de Estudos e Pesquisas da Mulher): Há 25 anos cuidando da saúde das mulheres, o CEPEM investe fortemente na qualificação da sua equipe médica, composta por ginecologistas, mastologistas, endocrinologistas, entre outras especialidades médicas. O centro oferece uma variedade de exames de detecção de lesões em tempo hábil, como a mamotomia, mamografia digital de campo real e a mamografia digital com detecção inteligente. Também conta com o moderno Pristina, o primeiro mamógrafo com dispositivo de compressão controlado pela paciente, e o Affirm Prone 3D, um sistema de biópsia em 3D que garante rapidez, precisão e conforto durante a realização do procedimento. É primeiro aparelho desse tipo a ser instalado no Brasil. Com unidades em Botafogo, Barra da Tijuca e Centro, o CEPEM aposta em um espaço calmo e agradável para a realização dos exames.

Compartilhar
Publicado por
Colunista

Posts recentes

Orientações da nova diretriz de manejo da ascite e complicações na cirrose

Recomendações da diretriz da Associação Americana para Estudo das Doenças do Fígado (AASLD) sobre o…

30 minutos atrás

Uso de amoxicilina para o tratamento de infecções torácicas em crianças apresenta poucos efeitos

Há poucas evidências sobre a eficácia dos antibióticos prescritos infecções não complicadas do trato respiratório…

1 dia atrás

Whitebook: sangramento vaginal

Essa semana em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do Whitebook Clinical Decision vamos falar…

1 dia atrás

Atividade física e Covid-19: a importância da reavaliação médica no retorno aos treinos

Nesse primeiro vídeo sobre atividade física e covid-19, o cardiologista Mateus Freitas comenta sobre a…

2 dias atrás

Novas evidências: Laser fracionado de CO2 para tratamento de atrofia vaginal

O laser fracionado de CO2 ganha cada vez mais credibilidade no tratamento de patologias urogenitais.…

2 dias atrás

Manejo da dispneia na emergência com uso de ultrassonografia point-of-care (POCUS)

A ultrassonografia POCUS pode ser utilizada como ferramenta diagnóstica e como guia da evolução da…

2 dias atrás