Página Principal > Oncologia > Como identificar o paciente de risco para o câncer de mama
doença de Paget

Como identificar o paciente de risco para o câncer de mama

Tempo de leitura: 2 minutos.

O câncer de mama é o mais comum entre as mulheres no Brasil e no mundo, depois do de pele não melanoma, correspondendo por cerca de 28% dos casos novos a cada ano e também pode acometer homens, representando apenas 1% do total de casos da doença. É causado pela multiplicação desordenada de células da mama, esse processo gera células anormais que se multiplicam, formando um tumor. A estimativa é de 59.700 de novos casos de acordo com o INCA. Número de mortes é de 15.593, sendo 15.403 mulheres e 187 homens (2015 – Atlas de Mortalidade por Câncer)

Segundo o Ministério da Saúde, o rastreio para câncer de mama para mulheres de baixo risco é realizado por meio do exame clinico anual em mulheres com 40 anos- 49 anos e se alterado, mamografia; e exame clínico e mamografia de rastreio a cada dois anos em mulheres com  50-69 anos. Nas pacientes com alto risco (mulheres com história familiar positiva para câncer de mama, parente de 1º grau com história de câncer < 50 anos, câncer bilateral, familiar homem com câncer de mama, BRCA positivo) é necessário fazer exame clinico e mamografia anuais.

Leia mais: Veja novidades na prática clínica em mastologia e câncer de mama

Mulheres com 35 anos ou mais devem fazer exame de Mamografia de rastreamento. A mamografia diagnóstica é realizada na mulher e no homem em qualquer idade com sinais suspeitos de câncer de mama.

Como entender e proceder com o laudo de mamografia?

A elaboração do laudo descrito no sistema BI-RADS deve conter a identificação da paciente, a descrição do exame, uma conclusão e a sugestão de conduta. A conclusão é a impressão diagnóstica, e é esta que vai nortear o clínico para a maior ou menor importância de uma determinada imagem, ou definir um exame como normal

  • Categoria 0 – Avaliação incompleta, achados incompletos que necessitam de complementação com exames adicionais como por exemplo ultrassonografia das mamas
  • Categoria 1 – Normal
  • Categoria 2 – Achados benignos
  • Categoria 3 – Achados provavelmente benignos*
  • Categoria 4 – Achados suspeitos , necessita de prosseguir com biopsia
  • Categoria 5 – Achados altamente sugestivos de malignidade, necessita de prosseguir com biopsia
  • Categoria 6 – Malignidade conhecida comprovada por biópsia

*Pacientes da categoria 3 -> repetir exames a cada seis meses, após dois anos de exames inalterados, elas voltam a ser consideradas da categoria 2

Conduta mediante a nódulo palpável?

  • Exame clínico/Físico
  • PAAF (resultado NEGATIVO não exclui o diagnostico e resultado positivo, não tem material para imunohistoquímico do tumor. Por isso hoje esta em desuso)
  • Exame de imagem – Mamografia é o exame de rastreio , Ultrassonografia para complementação em caso de duvidas

Características da Ultrassonografia

  • Benignas: Anecoico/Homogêneo/ Bem delimitado/Reforço acústico posterior
  • Maligno:Misto/ Heterogêneo/ Mal delimitado/ Sombra acústica posterior – Biopsia

É médico e quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.