Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Ginecologia e Obstetrícia / Existe diferença na frequência do orgasmo entre pessoas com diferentes orientações sexuais?
mãos dadas

Existe diferença na frequência do orgasmo entre pessoas com diferentes orientações sexuais?

Acesse para ver o conteúdo

Inscreva-se gratuitamente para acessar esse conteúdo e muito mais no Portal PEBMED!

Tenha acesso ilimitado a quizzes, casos clínicos, novos estudos e diretrizes atualizadas.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Diversos estudos já mostraram que existe diferença na frequência de orgasmos durante o sexo entre homens e mulheres heterossexuais. No entanto, pouco se sabe sobre essa disparidade entre pessoas com diferentes orientações sexuais.

Para examinar as diferenças de gênero, orientação sexual e práticas na frequência do orgasmo, pesquisadores analisaram cerca de 50 mil adultos, divididos em:

  1. homens heterossexuais (n = 26.032)
  2. homens gays (n = 452)
  3. homens bissexuais (n = 550)
  4. mulheres heterossexuais (n = 24.102)
  5. mulheres gays (n = 340)
  6. mulheres bissexuais (N = 1.112)

Homens heterossexuais foram mais propensos a dizer que geralmente/sempre têm orgasmo durante o sexo (95%), seguido por homens gays (89%), homens bissexuais (88%), mulheres lésbicas (86%), mulheres bissexuais (66%) e, por último, mulheres heterossexuais (65%).

Mulheres que relataram orgasmos mais frequentes foram mais propensas a: receber mais sexo oral, ter maior duração do sexo, ser mais satisfeita com o seu relacionamento, pedir o que quer na cama, elogiar o seu parceiro na cama, trocar mensagens eróticas, usar lingerie, experimentar novas posições sexuais, aceitar estimulação anal, realizar fantasias e expressar amor durante o sexo.

Mulheres foram mais propensas ​​ao orgasmo se seu último encontro sexual incluísse beijo, estimulação genital e/ou sexo oral, além da penetração vaginal.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Para os pesquisadores, os resultados confirmam as perspectivas feministas e evolutivas, que indicam que a frequência do orgasmo é menor entre as mulheres. As frequências para mulheres heterossexuais só se aproximaram das dos homens quando outros comportamentos foram adicionados (por exemplo, sexo oral, estimulação manual). Esses achados são consistentes com a visão de que há diferenças biológicas entre homens e mulheres na relação sexual.

No entanto, os resultados também demonstram que essa disparidade pode ser reduzida, abordando fatores socioculturais e incentivando uma maior variedade de atividades durante a relação sexual. O fato de que as mulheres lésbicas tiveram orgasmos mais frequentemente do que as heterossexuais sugere que muitas mulheres heterossexuais poderiam experimentar maiores taxas de orgasmo.

Referências:

  • Frederick, D.A., John, H.K.S., Garcia, J.R. et al. Arch Sex Behav (2017). doi:10.1007/s10508-017-0939-z

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.