Página Principal > Terapia Intensiva > Falta de norepinefrina associada com maior mortalidade na sepse
paciente sendo levado em uma maca no corredor do hospital

Falta de norepinefrina associada com maior mortalidade na sepse

Tempo de leitura: 3 minutos.

A carência de medicamentos nos Estados Unidos é comum, mas seu efeito em relação aos cuidados dos pacientes e os desfechos raramente foram relatados.

Um estudo observacional retrospectivo publicado no JAMA avaliou as mudanças no atendimento do paciente e os resultados associados a escassez de norepinefrina, o vasopressor de primeira linha para choque séptico.

A seguinte pergunta foi realizada: Houve associação entre a escassez de norepinefrina nos EUA de 2011 e a mortalidade entre adultos com choque séptico?

A escassez de norepinefrina no nível hospitalar foi definida como qualquer intervalo trimestral em 2011, durante o qual a taxa hospitalar de uso de norepinefrina diminuiu mais de 20% em relação ao baseline.

Quer receber diariamente notícias médicas no seu WhatsApp? Cadastre-se aqui!

O estudo foi realizado em 26 hospitais dos EUA na Premier Healthcare Database com uma taxa de uso de norepinefrina de pelo menos 60% para pacientes com choque séptico. A coorte incluiu adultos com choque séptico admitidos entre 1 de julho de 2008 e 30 de junho de 2013.

Um total de 27.835 pacientes, com idade mediana de 69 anos e 47,0% do sexo feminino foram admitidos em hospitais de escassez. Entre 1.961 pacientes admitidos em hospitais de escassez durante os trimestres de escassez, a mediana de idade foi de 68 anos. Quase todos esses pacientes (95,3%) foram admitidos em UTI.

No geral, o uso de norepinefrina aumentou durante os 5 anos em toda a coorte de 76,7% (intervalo de confiança [IC] de 95%: 75,7% a 77,6%) no terceiro trimestre de 2008 para 80,0% (IC 95%: 79,2% a 80,9%) no segundo trimestre de 2013 (p<0,001).

No baseline, a norepinefrina foi utilizada por 78,5% (IC 95%: 78,2% a 78,7%) dos pacientes com choque séptico, e houve uma diminuição detectável no seu uso durante o período de escassez, com recuperação em 2012. Para os hospitais com escassez, o consumo de norepinefrina no baseline foi de 77,0% (IC95%: 76,2% a 77,8%). Durante o ano de escassez (2011), o uso trimestral de norepinefrina entre os hospitais com escassez diminuiu para um nadir de 55,7% (IC 95%: 52,0% a 58,4%) durante o segundo trimestre.

A média trimestral de uso de fenilefrina entre os mesmos hospitais aumentou simultaneamente de uma taxa basal de 36,2% (IC 95%: 35,3% a 37,1%) para um pico de 54,4% (IC 95%: 51,8% a 57,2%) no segundo trimestre de 2011.

Veja também: ‘VNI / BiPAP após alta por exacerbação do DPOC diminui o risco de reinternação?’

No geral, a mortalidade intra-hospitalar diminuiu nos hospitais com escassez durante os 5 anos avaliados, passando de 34,9% (IC 95%: 32,2% a 37,5%) no terceiro trimestre de 2008 para 31,9% (IC 95%: 29,5% a 34,3%) no segundo trimestre de 2013 (p<0,001).

Em comparação à admissão hospitalar com choque séptico durante os trimestres de uso normal, a hospitalização durante os trimestres de escassez foi associada com um aumento da taxa de mortalidade hospitalar (9.283 de 25.874 pacientes [35,9%] versus 777 de 1.961 pacientes [39,6%], respectivamente, aumento do risco absoluto: 3,7% [IC 95%: 1,5% a 6,0%], odds ratio ajustada: 1,15 [IC 95%: 1,01 a 1,30]; p=0,03).

O estudo concluiu que entre os pacientes com choque séptico nos hospitais dos EUA afetados pela escassez de norepinefrina em 2011, o vasopressor alternativo mais comumente administrado foi fenilefrina. Adicionalmente, o estudo mostrou que os pacientes admitidos nesses hospitais em períodos de escassez apresentaram maior mortalidade hospitalar.

Veja mais: ‘Canaglifozina, nova droga para diabetes, aumenta risco de amputações?’

Autora:

JulianaFestadeVasconcellos Canaglifozina, nova droga para diabetes, aumenta risco de amputações?

250-BANNER6 Canaglifozina, nova droga para diabetes, aumenta risco de amputações?

Referência:

  • Vail E, Gershengorn HB, Hua M, Walkey AJ, Rubenfeld G, Wunsch H. Association Between US Norepinephrine Shortage and Mortality Among Patients With Septic Shock. JAMA. 2017 Apr 11;317(14):1433-1442. doi: 10.1001/jama.2017.2841.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.