Fatores de risco para esteatose hepática em obesos vs magros - PEBMED

Fatores de risco para esteatose hepática em obesos vs magros

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

A patogênese da esteatose hepática não alcoólica está intimamente associada à co-ocorrência de múltiplas condições patológicas, que caracterizam a síndrome metabólica, a obesidade em particular. No entanto, a doença hepática também se desenvolve em indivíduos magros, cujos fatores de risco ainda não são compreendidos.

Para avaliar essa questão, pesquisadores realizaram uma meta-análise de 15 estudos, com dados dos pacientes magros (n = 1.966) e obesos (n = 5.938) com esteatose hepática não alcoólica; pessoas magras (n = 9.946) e obesas (n = 6.027) sem a doença serviram como controles.

Em comparação aos controles magros, pacientes magros com esteatose eram mais velhos (3,79 ± 0,72 anos, p = 1,36 × 10-6) e exibiam todo o espectro dos fatores de risco da síndrome metabólica. Especificamente, eles tiveram um aumento significativo (p = 10-10) nos níveis de glicose plasmática (6,44 ± 1,12 mg/dL) e HOMA-IR (0,52 ± 0,094 unidades), lipídios no sangue (triglicerídeos: 48,37 ± 3,6, p = 10-10 e colesterol total: 7,04 ± 3,8, mg/dL, p = 4,2 × 10-7), pressão arterial sistólica (5,64 ± 0,7) e diastólica (3,37 ± 0,9), e circunferência da cintura (5,88 ± 0,4 cm, P = 10-10).

Você sabia? ‘Cuidado paterno diminui em 33% a obesidade infantil’

No entanto, as alterações gerais no grupo de obesos foram muito mais severas quando comparadas com indivíduos magros, independentemente da presença da esteatose. A meta-regressão sugeriu que a doença hepática é um modificador do nível de lipídios no sangue.

Pelos resultados, os pesquisadores concluíram que pacientes magros e obesos com esteatose hepática não alcoólica compartilham um perfil metabólico e cardiovascular alterado. Os magros, apesar do peso corporal normal, mostraram excesso de tecido adiposo abdominal, assim como outros sintomas da síndrome metabólica.

Quer receber diariamente notícias médicas no seu WhatsApp? Cadastre-se aqui!

Referências:

  • Sookoian S, Pirola CJ. Systematic review with meta-analysis: risk factors for non-alcoholic fatty liver disease suggest a shared altered metabolic and cardiovascular profile between lean and obese patients. Aliment Pharmacol Ther. 2017;46:85–95. https://doi.org/10.1111/apt.14112

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Entrar | Cadastrar