FFR (Fractional Flow Reserve): você sabe usar?

Fractional Flow Reserve (FFR), em português Reserva de Fluxo Fracionada, é um método de avaliação funcional por hemodinâmica cujo interesse na cardiologia cresceu muito nos últimos anos.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.
Fractional Flow Reserve (FFR), em português Reserva de Fluxo Fracionada, é um método de avaliação funcional por hemodinâmica cujo interesse na Cardiologia cresceu muito nos últimos anos.

Durante muitos anos, o paciente com isquemia miocárdica – seja dor anginosa típica ou um exame funcional positivo – era encaminhado para coronariografia e as estenoses superiores a 50-70%, tratadas com angioplastia e colocação de stent (PCI, percutaneous coronary intervention). Isso levou muitos médicos a supervalorizarem os resultados dos stents.

Médicos que tinham dor precordial muitas vezes iam direto ao seu amigo hemodinamicista e pediam para “abrir todas as lesões” que fossem encontradas (reflexo oculoestenótico). O problema é que as consequências adversas do uso excessivo de stent começaram a aparecer: a reestenose, com stent convencional, e o risco de trombose, com os farmacológicos. O uso de dupla antiagregação plaquetária prolongada também trouxe inconvenientes, pois muitos pacientes apresentavam sangramento e/ou necessidade de cirurgias menos de 1 ano após a colocação do stent.

Desse modo, foram realizadas pesquisas nos últimos 10 anos mostrando que o tratamento clínico otimizado moderno, com AAS e estatinas em dose alta, tem a mesma eficácia em reduzir o risco de morte e IAM quando comparado com a intervenção percutânea. Hoje, no cenário da doença coronariana estável/ambulatorial, a coronariografia (CAT) com PCI está indicada para o paciente com dor refratária ao tratamento clínico e/ou para o paciente com grande isquemia no teste funcional (o chamado “teste de alto risco”).

Mas o que o FFR tem a ver com isso? Quando o CAT é realizado, é comum encontrar diversas lesões obstrutivas. Apesar de haver software específico, a maioria dos médicos estima visualmente o grau de obstrução e considera-se relevante obstruções > 50-70%. No paciente com teste funcional por imagem, é possível correlacionar as áreas isquêmicas do teste com estas lesões encontradas no CAT. Mas e se houver uma lesão de 80% em um território sem isquemia? Ou, por outro lado, se houver isquemia com obstrução <50%? Estudos como DEFER e FAME mostraram que lesões com FFR “normal” não precisam ser angioplastadas, pois isso não muda o prognóstico, mas vale a pena intervir se FFR estiver alterado, mesmo em estenoses pequenas.

Além disso, em pacientes sem imagem funcional, o FFR determina quais lesões são funcionalmente isquêmicas com uma acurácia igual à cintilografia e ao ecocardiograma de estresse. Com isso, em vez de solicitar uma cintilo (radiação + custo) para avaliar quais áreas são isquêmicas, um paciente poderia ir direto ao CAT e decidir pelo FFR (no mesmo procedimento) quais lesões abordar. Outra aplicação é no contexto de SCA: não há dúvida que a lesão culpada pelo quadro agudo deve ser tratada. A dúvida é o que fazer com as demais lesões. Nas diretrizes ganhou força a ideia de “abrir todas”, mas os estudos com FFR mostram que basta colocar stent naquelas com FFR alterado: o prognóstico é o mesmo!

Outra indicação do FFR é para avaliar se o stent de fato desobstruiu a artéria. Classicamente, injeta-se contraste e o fluxo distal é avaliado pelo TIMI. O FFR pode fornecer a mesma informação sem a necessidade de mais contraste. O alvo é um FFR ≥ 0,95, isto é, um gradiente < 5 mmHg após o stent. No quadro 1 colocamos as principais indicações do FFR.

Quadro 1: indicações FFR

  • Indicar quais lesões obstrutivas coronarianas, independente do grau de estenose, devem ser angioplastadas.
  • Avaliar o resultado da colocação do stent.

E o que é o FFR? A microcirculação coronariana é capaz de promover vasodilatação aumentando o fluxo sanguíneo para o miocárdio em situações de maior demanda e o mesmo ocorre quando há isquemia, isto é, o fluxo é insuficiente para a necessidade. Contudo, medir este fluxo é tecnicamente difícil. Em situações “ideais” de máxima dilatação das coronárias epicárdicas, há um paralelo entre o fluxo coronariano e a pressão intracoronariana.

Por isso, podemos medir a pressão (tecnicamente mais fácil) para dela estimar o fluxo. Quando uma estenose é significativa, o fluxo/pressão pós-estenose são menores que na área pré-estenose mesmo com a coronária dilatada ao máximo. No FFR, um cateter (semelhante ao da PAM) é passado distal à lesão (Pd). Outro sensor é deixado proximal/antes (Pa). Injeta-se um vasodilatador (em geral adenosina intracoronariana) e o FFR será a divisão entre Pd/Pa.

Considera-se normal um FFR ≥ 0,75 a 0,80

Como nada é perfeito, o FFR pode apresentar problemas. A técnica em si é simples e de boa reprodutibilidade, mas é preciso ser cuidadoso: um simples dumping do cateter ou uma falta de flush podem atrapalhar a medida igualzinho ao que ocorre nas PAMs do CTI. Outro aspecto é que o ponto de corte não está estabelecido se 0,75 ou 0,80.

Um cuidado especial é que o FFR não deve ser visto como “normal ou alterado”. Como toda variável contínua, quanto maior (mais perto de 1), menos isquemia há, e quanto menor, mais isquemia. Valores em torno 0,75-0,80 precisam ser avaliados no contexto clínico do paciente (e não usados como guilhotina!).

Outra dica: em pacientes com hipertrofia maciça do VE (miocardiopatia hipertrófica e estenose aórtica grave) e em pacientes com grande aumento da pressão venosa central, o FFR pode vir falsamente elevado e deve ser usado com cautela.

Mais condutas em Cardiologia você encontra no Whitebook! Clique aqui para baixar grátis o aplicativo #1 do médico brasileiro.

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades

Tags

FFR