Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / Fibromialgia: quais condutas têm evidencia?

Fibromialgia: quais condutas têm evidencia?

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: < 1 minuto.

Comumente, ao se deparar com pacientes cuja dor crônica fecha critérios para fibromialgia, o médico assistente tem dificuldade em iniciar o manejo clínico. Afinal, são pacientes crônicos, geralmente com limitação da qualidade de vida e que já realizaram outros tratamentos.

De acordo com o Consenso Brasileiro do Tratamento de Fibromialgia, de 2010, o tratamento desses pacientes é dividido entre medidas farmacológicas e não farmacológicas.

Dentre as medidas farmacológicas, têm nível A de evidência o uso de antidepressivos tricíclicos, fluoxetina em alta dose (maior que 40mg/dia) e ciclobenzapina. A associação de antidepressivos tricíclicos e fluoxetina possui nível de evidencia B, e alguns pacientes se beneficiam bastante.

Outras drogas menos utilizadas também possuem benefício, como duloxetina, milnaciprano e moclobemida. Para melhora do sono, zolpidem é uma opção melhor que trazodona ou outros benzodiazepínicos.

É importante que o médico use drogas que saiba manejar, esteja atento a efeitos colaterais e se mantenha aberto ao diálogo com o paciente, para que as doses sejam ajustadas de acordo com seu bem estar.

Já em relação a medidas não farmacológicas, a realização de atividade aeróbica de moderada intensidade de 2 a 3 vezes por semana é o que mais se mostra benéfico, com grau de evidência B. Outras atividades como programas de alongamento, pilates, e terapia cognitivo comportamental tem impacto em poucos pacientes, e deve ser avaliado as comorbidades que possui e como essas atividades se encaixam em sua vida antes de indica-las.

É médico e também quer ser colunista da PEBMED? Clique aqui e inscreva-se!

Autora:

Referências:

  • Consenso Brasileiro de Tratamento de Fibromialgia, 2010.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.