Gonorreia agora resistente a antibióticos, não mais banalizada

A resistência a antibióticos alcança uma das doenças ultimamente banalizadas devido à antibioticoterapia simples tradicionalmente utilizada, a gonorreia.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

A resistência a antibióticos alcança uma das doenças ultimamente banalizadas devido à antibioticoterapia simples tradicionalmente utilizada para o tratamento, a gonorreia. Agora, essa doença sexualmente transmissível circula em nossa sociedade, em muitos casos sem opções possíveis para tratamento.

A gonorreia acomete em torno de 78 milhões de pessoas por ano, incluindo 11 milhões nas Américas e 4,7 milhões na Europa, mesmo com as subnotificações. A gonorreia pode se manifestar na genitália, reto e orofaringe, e levar a complicações como doença inflamatória pélvica, síndrome artrite-dermatite, endocardite, sepse e outros.

A menor frequência de uso de preservativos, a urbanização e maior facilidade de viagens, taxas de detecção débil e tratamento inadequado ou falhas contribuem para essa elevada incidência em todo o mundo. Além das estimativas dos altos números significativos de casos em todo o mundo, a Organização Mundial de Saúde (OMS) relatou recentemente, em julho de 2017, a real ameaça da gonorreia intratável.

Diante do uso indiscriminado dos antibióticos e da versatilidade genômica e mutacional da Neisseria gonorrhoeae, a introdução de novas classes de antimicrobianos resulta em expectativas temporárias, pois o surgimento do fenômeno da resistência à drogas é também bastante esperado e em curto período.

Observa-se recentemente a ocorrência da resistência à drogas utilizadas como opções principais para o tratamento, como as cefalosporinas e azitromicinas, mesmo em países desenvolvidos. A carência de diagnóstico preciso e a persistência de tratamentos empíricos reforçam a redução de opções terapêuticas atuais, especialmente em países com menores recursos em saúde, onde a doença é mais prevalente.

A maior preocupação é que existem somente três classes de antibióticos como opção para tratamento da gonorreia. A resistência ao ciprofloxacino em gonococos, anteriormente droga de escolha, é disseminada na maioria dos países, assim como diversas localidades já descreveram a emergência da resistência à azitromicina e cefalosporinas de espectro estendido – ceftriaxona injetável ou cefixima oral, as quais são os últimos recursos para o tratamento.

No intuito de evitar a continuidade da emergência dos números de gonococos multirresistentes, a OMS recomenda, desde 2016, o tratamento duplo com ceftriaxone e azitromicina.

Novas opções de antimicrobianos candidatos para tratamento de gonorreia resistente a múltiplas drogas incluem:

  • Solitromicina (Cempra Inc) – um fluorocetolídeo oral com alvo em ribossomo procariotos e atividade contra bactérias Gram-positivos e negativos fastidiosos, incluindo N. Gonorrhoeae, Chlamydia trachomatis e Mycoplasma genitalium. Atualmente em estudo clínico de fase 3.
  • Zoliflodacin (Entasis Therapeutics) – um inibidor de topoisomerase II da classe espiropirimidinetriona com atividade contra patógenos como N. Gonorrhoeae e C. Trachomatis. Os estudos estão em estudo clínico de fase 2.
  • Gepotidacina (GlaxoSmithKline) – outro inibidor de topoisomerase II com atividade contra bactérias multirresistentes como Staphylococcus aureus resistente a meticilina, Enterobacteriaceae produtora de beta-lactamase de amplo espectro e N. Gonorrhoeae. Atualmente em estudos clínicos de fase 2.

Mais do autor: ‘Voluntariado médico: por que ainda não?’

Tais preocupações e estimativas relacionadas à emergência da gonorreia e ao fenômeno da multidroga resistente evidenciam as necessidade de melhores programas de prevenção, tratamento e diagnóstico precoce, especialmente recursos tipo “point-of-care” ainda não disponíveis para N. Gonorrhoeae.

Simultaneamente, destaca-se a urgência de um rastreamento mais eficaz e notificação de novos casos, uso de antibióticos, resistência e falhas de tratamento. As dificuldades para desenvolvimento de novos antibióticos recaem sobre o baixo interesse das indústrias farmacêuticas em investir em drogas utilizadas por curtos períodos e com iminência do surgimento da resistência antimicrobiana após introdução na terapêutica.

Iniciativas pela OMS, como “Global Antibiotic Research and Development Partnership” (GARDP), e outras como “The Drugs for Neglected Diseases initiative” (DNDi), que dá suporte a GARDP, visam o desenvolvimento de novos esquemas de antimicrobianos e a promoção do uso racional, incluindo o desenvolvimento de novos antibióticos para gonorreia.

Por outro lado, os investimentos em prevenção permanecem como desafios significativos para controle da disseminação da gonorreia e a consequente resistência. A mudança de comportamento com a adoção de medidas mais seguras, como o sexo seguro com o uso de preservativos, permanecem como pilar central no controle da doença.

O surgimento do PrEP, por exemplo, utilizado na prevenção da transmissão do vírus da imunodeficiência humana (HIV), tem contribuído para o menor uso de preservativos, o que resulta na maior disseminação de doenças sexualmente transmissíveis. Portanto, informação, educação e comportamento são estratégias fundamentais, porém requerem recursos e esforços significativos iniciais e de manutenção, com resultados nem sempre eficazes.

É médico e também quer ser colunista da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Referências:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades