Terapia Intensiva

Haloperidol não previne delirium no CTI, indica estudo

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

O delirium é uma complicação comum no CTI e está associado a maior duração da internação hospitalar e risco de mortalidade. Nesse contexto, o haloperidol é muito utilizado e estudos sugerem que o antipsicótico também pode ajudar a prevenir essa condição. No entanto, um novo artigo do JAMA indica que o haloperidol não melhora a sobrevida em adultos críticos com alto risco de delirium.

Esse novo estudo randomizado, duplo-cego, controlado por placebo, envolveu 1.789 adultos (idade média de 66 anos; 61,4% do sexo masculino) criticamente doentes tratados em 21 CTIs na Holanda, nos quais intervenções não-farmacológicas para a prevenção do delirium são rotineiramente usadas. Todos os doentes sem delirium, cuja expectativa de permanência no CTI foi de, pelo menos, um dia, foram incluídos.

Os pacientes receberam tratamento profilático três vezes ao dia por via intravenosa de 1 mg (n = 350) ou 2 mg (n = 732) de haloperidol ou placebo (n = 707). O recrutamento aconteceu de julho de 2013 a dezembro de 2016 e o follow-up foi realizado aos 90 dias com o acompanhamento final em março de 2017.

O desfecho primário foi o número de dias em que os pacientes sobreviveram em um total de 28 dias. Os desfechos secundários incluíram incidência de delirium, dias livres (em 28 dias) sem delirium e coma, duração da ventilação mecânica e período de permanência hospitalar.

HALOPERIDOL E DELIRIUM

A intervenção de 1 mg de haloperidol foi interrompida prematuramente devido à inutilidade. Não houve diferença na média de dias em que os pacientes sobreviveram em 28 dias (p = 0,93):

  • 28 dias no grupo de haloperidol de 2 mg
  • 28 dias no grupo placebo

Nenhum desfecho secundário foi estatisticamente diferente, incluindo a incidência de delirium (diferença média = 1,5%, IC de 95%: -3,6% a 6,7%), dias livres de delirium e coma (diferença média = 0 dias) e duração de ventilação mecânica e de permanência hospitalar (diferença média = 0 dias). O número de efeitos adversos reportados também não diferiu (2 [0,3%] para o grupo de haloperidol e 1 [0,1%] para o grupo placebo).

Pelos achados, os pesquisadores concluíram que o uso de haloperidol não melhorou a sobrevivência em 28 dias de adultos críticos internados no CTI.

Emergência exige urgência. Consulte o Whitebook e adquira a informação necessária de forma rápida. É só clicar aqui para baixar.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências:

  • van den Boogaard M et al. Effect of haloperidol on survival among critically ill adults with a high risk of delirium: The REDUCE randomized clinical trial. JAMA 2018 Feb 20; 319:680 || https://doi.org/10.1001/jama.2018.0160
Compartilhar
Publicado por
Vanessa Thees

Posts recentes

Consequências maternas e fetais no uso abusivo de álcool e drogas

O dia 26 de junho é o Dia Nacional de Combate às Drogas. Confira neste…

33 minutos atrás

Caso clínico: Paciente com exacerbação de asma [vídeo]

Nesse episódio, o dr. Vinicius Zofoli, editor do Portal PEBMED, discute um caso grave de…

3 horas atrás

Diabetes Mellitus tipo 1 na criança: cuidados e pontos de atenção para a família

No dia 26 de junho é o Dia Nacional do Diabetes. O Nursebook trouxe algumas…

6 horas atrás

Implante hormonal: para quais condições é indicado?

O implante hormonal é uma opção de reposição de hormônios que trata muitas comorbidades ginecológicas,…

1 dia atrás

Cosméticos: 11 novos produtos chegaram esta semana no Whitebook

Cosméticos, em Produtos Farmacêuticos, tem o objetivo de categorizar produtos do segmento. Confira quais chegaram…

2 dias atrás

O que eu devo saber sobre anemia falciforme? [podcast]

Neste episódio, Felipe Mesquita, hematologista e conteudista do Portal PEBMED, traz importantes pontos sobre a…

2 dias atrás