Página Principal > Colunistas > Hemoculturas e pneumonia adquirida na comunidade em pediatria
pneumonia aspirativa

Hemoculturas e pneumonia adquirida na comunidade em pediatria

Tempo de leitura: 3 minutos.

A pneumonia é uma das causas mais comuns de hospitalização de crianças nos Estados Unidos, seja causada por bactérias, vírus ou simultaneamente por ambos os tipos de patógenos. No caso de pneumonias de etiologia bacteriana, a cultura continua a ser o método mais comum para identificação de patógenos.

As diretrizes nacionais americanas de 2011 para o manejo da pneumonia adquirida na comunidade (PAC), publicadas pela Pediatric Infectious Diseases Society (PIDS) e pela Infectious Diseases Society of America (IDSA), recomendam a coleta de hemocultura (HMC) em todas as crianças internadas com PAC moderada a grave. Apesar disso, a classificação de doença moderada não foi explicitamente definida.

Os benefícios potenciais de uma hemocultura positiva na PAC incluem a capacidade de descalonamento de antibióticos, previsão de desfechos e avaliação da eficácia de vacinas. Mas o rendimento e o impacto das hemoculturas não foram ainda adequadamente estudados. Em uma meta-análise contendo estudos menores, os resultados da hemocultura foram raramente positivos entre as crianças com PAC. Além disso, o Streptococcus pneumoniae continua a ser o organismo bacteriano mais comum em casos de PAC com hemocultura positiva, e as recomendações para tratamento empírico já objetivam a abordagem deste patógeno.

Mais ainda, a contaminação de hemoculturas é relativamente comum e pode levar à exposição desnecessária da criança a antibióticos de amplo espectro e consequente prolongamento da hospitalização. Estudos anteriores que avaliaram a presença de bacteremia em crianças hospitalizadas com pneumonia são limitados por dados incompletos relacionados a hemoculturas

Prevalence, Risk Factors and Outcomes of Bacteremic Pneumonia in Children

Dessa forma, procurando determinar as características de crianças com pneumonia bacteriana usando dados de um grande estudo prospectivo utilizando hemoculturas, Fritz e colaboradores (2019) coordenaram o estudo Prevalence, Risk Factors, and Outcomes of Bacteremic Pneumonia in Children, publicado na edição de julho da revista Pediatrics

Neste estudo, foram analisados retrospectivamente dados colhidos de forma prospectiva em um estudo de vigilância ativa incluindo pacientes pediátricos com idade <18 anos, hospitalizadas por PAC em três hospitais infantis americanos, no período de 2010 a 2012. Culturas de sangue foram obtidas em 91% das 2358 crianças internadas, a maioria (93%) nas primeiras 24 horas.

Os seguintes resultados foram encontrados: 46 pacientes (2,2%) tiveram hemocultura positiva para um verdadeiro patógeno [os mais comuns foram: Streptococcus pneumoniae (46%), Staphylococcus aureus (13%) e Streptococcus pyogenes (9%)]. Os pacientes que receberam antibióticos antes da coleta de sangue tiveram uma menor prevalência de culturas positivas (0,82% versus 2,6%) e as hemoculturas positivas foram duas vezes mais prevalentes que as hemoculturas negativas em pacientes internados em unidade de terapia intensiva (UTI). Quase quatro vezes mais prevalentes em pacientes com derrame pleural. Por fim, pacientes com sibilância documentada à admissão tiveram uma menor prevalência de culturas positivas do que negativas, mas nenhuma diferença foi observada entre as crianças com patógenos virais detectados.

Considerações finais sobre o estudo

Conclui-se, neste estudo, que a bacteremia foi raramente detectada nesta grande coorte multicêntrica de crianças hospitalizadas com PAC, mas foi associada à doença grave, sendo o pneumococo o patógeno detectado com maior frequência. A hemocultura foi de baixo rendimento, em geral, mas sua importância pode ser maior em pacientes com derrame parapneumônico e naqueles admitidos em UTI

Embora as diretrizes recomendem que hemoculturas devam ser colhidas em crianças admitidas no hospital com PAC, o rendimento deste exame é baixo. Limitar a coleta de hemoculturas para crianças com derrame pleural, para aquelas admitidas em UTI, e possivelmente, para aquelas sem sibilos, provavelmente aumentarão o rendimento, reduzirão o isolamento de contaminantes e, certamente, reduzirão os custos (Quadro 1).

No Brasil, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) recomenda que a hemocultura seja colhida em todos os pacientes pediátricos hospitalizados por PAC.

Autora: 

Referências: 

2 Comentários

  1. Avatar
    Maria Aparecida Corrêa Sinquini

    Parabéns ao pebmed seus artigo tem contribuído para atualizar na minha profissão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.