Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Hematologia / Hemotransfusão: novas indicações segundo guideline americano

Hemotransfusão: novas indicações segundo guideline americano

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Novas diretrizes da American Association of Blood Banks foram recentemente publicadas no Journal of American Medical Association (JAMA) com recomendações de hemotransfusão em pacientes hospitalizados hemodinamicamente estáveis.

500x120-rosa

A publicação recomenda dois limites de hemoglobina que indicam transfusão: 7 g/dL em adultos hemodinamicamente estáveis, mesmo em terapia intensiva; e 8 g/dL para pacientes com doença cardiovascular ou em pré-operatório de cirurgia cardíaca ou ortopédica, sendo o alvo limite de hemoglobina de 10 g/dL.

A transfusão inicial recomendada é de apenas 1 concentrado de hemácias, ao invés de 2 unidades, como habitualmente observado na prática. Estratégia que visa diminuir os riscos de complicações, infecciosas ou não, da hemotransfusão.

O guideline analisou 31 ensaios clínicos randomizados com mais de 12 mil participantes. Foram comparadas uma conduta conservadora na indicação de transfusão (hemoglobina de 7-8 g/dL para indicar transfusão) com uma conduta liberal de indicação de transfusão (hemoglobina de 9-10 g/dL).

Veja também: ‘Benefício da transfusão de plaquetas para sangramento gastrintestinal em vigência de antiplaquetários’

A conduta conservadora não demonstrou desfechos piores que a conduta liberal, quando analisados os seguintes desfechos: mortalidade em 30 dias; ressangramento; infarto agudo do miocárdio; acidente vascular encefálico; pneumonia; tromboembolismo venoso.

No entanto, para pacientes portadores de síndrome coronariana aguda, trombocitopenia severa e anemia dependente de transfusão crônica, a evidência não é forte suficiente para mudar conduta, e, portanto, níveis de hemoglobina mais altos como 8-9 g/dL devem ser considerados para transfusão.

A publicação também destaca que o nível de hemoglobina não pode ser o único fator a indicar hemotransfusão, e o julgamento clínico deve considerar as comorbidades e situação clínica do paciente, a disponibilidade e a possibilidade de tratamentos alternativos.

Na realidade dos serviços de saúde no Brasil, essas recomendações não chegam a ser nenhuma novidade, visto que é conduta comum no país adotar medidas conservadoras de indicação de hemotransfusão. A grande importância do novo Guideline é que o mesmo corrobora uma conduta que tem sido amplamente adotada e que, anteriormente, era baseada apenas no resultado de pequenos ensaios clínicos, e, a partir de agora, apresenta ampla evidência favorável.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

banner250x250

Referências Bibliográficas:

  • Carson, JL MD; Guyatt, G MD; Heddle, NM et al. Clinical Practice Guidelines From the AABB: Red Blood Cell Transfusion Thresholds and Storage. AMA. Published online October 12, 2016. doi:10.1001/jama.2016.9185. Disponível online em: https://jamanetwork.com/journals/jama/fullarticle/2569055

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.