Leia mais:
Leia mais:
O início do tratamento anti-hipertensivo pode ter impacto na qualidade de vida?
Quiz: Mulher com lesões amareladas nas pálpebras. Qual o diagnóstico?
Renina e o diagnóstico de hiperaldosteronismo primário
ESC 2021: qual é a meta pressórica ideal em pacientes hipertensos idosos?
ESC 2021: produto “substituto do sal” pode reduzir o risco cardiovascular

Hipertensão está associada a riscos no parto, mesmo se ocorre no início da gestação

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

A hipertensão arterial durante o primeiro trimestre da gravidez está ligada a um maior risco de hipertensão gestacional e pré-eclampsia, indica um estudo publicado em junho no American Journal of Obstetrics & Gynecology. Isso também ocorre quando há um aumento na pressão arterial entre o primeiro e o segundo trimestres.

Segundo os autores, ambas as condições elevam o risco de acidente vascular cerebral materno, bem como para nascimento prematuro, natimorto e baixo peso ao nascer. 

Foi comparada a frequência de distúrbios hipertensivos da gravidez, incluindo pré-eclampsia e hipertensão gestacional, de acordo com a nova classificação de HAS proposta pela AHA/ACC.

As descobertas foram realizadas por Alisse Hauspurg, MD, com o Magee-Womens Research Institute da Universidade de Pittsburgh School of Medicine, na Pensilvânia. Eles sugerem que este estudo possa identificar mulheres de “baixo risco” que possam desenvolver um distúrbio hipertensivo durante a gravidez (HDP).

Em 2017, o ACC / AHA reclassificou os níveis de pressão arterial e reduziu o limiar para o diagnóstico de hipertensão crônica. Alisse Hauspurg e seus colegas queriam estudar a relevância das novas diretrizes para mulheres grávidas.

“Considerando que a prevalência de hipertensão pré-gestacional foi projetada para dobrar em mulheres recém-designadas como tendo hipertensão com base nas novas diretrizes ACC / AHA, a compreensão do risco neste grupo é particularmente relevante para os médicos”, escrevem os autores.

Entre as mulheres que tiveram pressão arterial elevada no primeiro trimestre (120/80 a 129/80 mmHg), 30,3% desenvolveram um HDP, o que representa um risco 42% maior do que para mulheres com pressão arterial normal. Das mulheres com hipertensão estágio 1 (130/80 a 130/89 mmHg), 37,8% desenvolveram HDP, risco 80% maior que o de mulheres com pressão arterial normal. A hipertensão de estágio 1 foi associada a mais de 2,5 vezes o risco de pré-eclampsia com características graves (risco relativo ajustado, 3,48; intervalo de confiança de 95%, 1,38 – 8,74).

Um aumento na pressão arterial entre o primeiro e o segundo trimestres também elevou o risco de um distúrbio hipertensivo. Mesmo para as mulheres cuja pressão arterial era normal durante o primeiro trimestre, um aumento na pressão arterial sistólica durante o segundo trimestre elevou o risco de um distúrbio hipertensivo em 41% em comparação com mulheres, cuja pressão sistólica diminuiu durante esse período. Se a pressão diastólica subiu, o risco foi 23% maior em comparação com aqueles cuja pressão diastólica diminuiu durante esse tempo.

Os pesquisadores utilizaram dados do Estudo de desfechos da gravidez nulípara: acompanhamento das futuras mães (nuMoM2b), um estudo observacional prospectivo de mulheres que não haviam dado à luz e que tiveram gestações únicas em oito locais clínicos entre 2010 e 2014. As 8.899 mulheres que foram incluídas não possuíam história conhecida de hipertensão pré-gestacional ou diabetes.

Os autores esperam que o estudo estimule mais pesquisas sobre hipertensão entre mulheres grávidas. “Mais estudos para identificar a eficácia da vigilância adicional e potenciais intervenções de redução de risco, como a aspirina em baixas doses, são necessários nesta população”, diz o mesmo.

O estudo foi financiado pelo Instituto Nacional Eunice Kennedy Shriver de Saúde Infantil e Desenvolvimento Humano, parte do National Institutes of Health. 

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED.

Autora: 

Referências:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar