Página Principal > Cardiologia > Hipotermia terapêutica pós-PCR por 48h ou 24h?
monitor cardiaco em sala de emergencia com paciente grave

Hipotermia terapêutica pós-PCR por 48h ou 24h?

Diretrizes internacionais de ressuscitação recomendam o manejo de temperatura de 33 ºC a 37 °C em pacientes inconscientes com parada cardíaca extra-hospitalar durante pelo menos 24 horas, mas a duração ideal ainda é incerta.

Pensando nisso, pesquisadores realizaram um estudo multicêntrico randomizado em 10 unidades de terapia intensiva de 10 hospitais universitários em seis países europeus. Trezentos e cinquenta e cinco pacientes adultos (idade média de 60 anos; 83% homens) inconscientes com parada cardíaca fora do hospital foram inscritos de 16 de fevereiro de 2013 a 1º de junho de 2016, e acompanhados até 27 de dezembro de 2016.

Os pacientes foram randomizados para manejo da temperatura (33 ± 1 °C) por 48 horas (n = 176) ou 24 horas (n = 179), seguido de um reaquecimento gradual de 0,5 °C por hora até atingir 37 °C. O desfecho primário foi o resultado neurológico aos 6 meses.

Veja também: ‘Hipotermia x normotermia pós-parada cardíaca intra-hospitalar em crianças’

Mais pacientes no grupo de 48 horas tiveram um desfecho favorável, mas isso não foi estatisticamente significante. A mortalidade aos 6 meses não diferiu entre os grupos. Eventos adversos foram mais comuns no grupo de 48 horas. Também não houve diferença significativa no tempo de mortalidade (hazard ratio, 0,79; IC de 95%, 0,54-1,15; p = 0,22). A duração média da permanência na UTI (151 versus 117 horas; p <0,001) foi maior no grupo de 48 horas, mas não o tempo de internação (11 versus 12 dias, p = .50).

Pelos achados, os pesquisadores concluíram que a hipotermia terapêutica pós-PCR por 48h não foi melhor que 24h no desfecho neurológico.

Quer receber diariamente notícias médicas no seu WhatsApp? Cadastre-se aqui!

Referências:

  • Kirkegaard H, et al “Targeted temperature management for 48 vs 24 hours and neurologic outcome after out-of-hospital cardiac arrest: a randomized clinical trial” JAMA 2017; DOI: 10.1001/jama.2017.8978.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.