Home / Ginecologia e Obstetrícia / Impactos no desenvolvimento da criança com síndrome alcoólica fetal

Impactos no desenvolvimento da criança com síndrome alcoólica fetal

Ginecologia e Obstetrícia, Pediatria, Psiquiatria, Saúde Pública
Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

No dia 9 de setembro foi comemorado o dia da prevenção da síndrome alcoólica fetal (SAF), que ainda preocupa muito as organizações e entidades de saúde em todo o mundo.

Isso acontece porque até hoje muitas mulheres não interrompem o uso do álcool durante a gestação, criando uma situação negativa inevitável para o seu bebê, como déficit de crescimento, alterações em características faciais e atraso no desenvolvimento neuropsicomotor.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), as crianças atingidas podem ter problemas relativos à memória, fala, audição, aprendizagem – principalmente em matemática e na resolução de problemas – e dificuldades no relacionamento com outras pessoas.

“O principal risco para o feto é as alterações do sistema nervoso central, que vai desde alterações comportamentais mais leves até o retardo mental”, explica o pediatra Ariel Azambuja.

A SAF é o transtorno mais grave do espectro de desordens fetais alcoólicas (fetal alcohol spectrum disorders – FASD). O Ministério da Saúde estima que um a cada mil recém-nascidos apresente esta condição, entretanto os números reais podem ser bem maiores.

Leia também: Síndrome alcoólica fetal: saiba como prevenir e tratar

“O álcool ingerido pela mãe atravessa a placenta e expõe o feto as mesmas concentrações de etanol que a mulher está exposta”, alerta a psicóloga Gizele Alves Martins, que também é mestre em Neurociências, atuante no CENSA Betim, entidade que atende portadores da síndrome alcoólica fetal.

SAF: acompanhamento multiprofissional

A condição da síndrome é irreversível, porém o acompanhamento de uma equipe multiprofissional pode minimizar as dificuldades enfrentadas no dia a dia.

Segundo o pediatra Ariel Azambuja, o acompanhamento multiprofissional após o nascimento vai desde o diagnóstico da síndrome, a identificação das áreas afetadas e as estimulações específicas.

“O acompanhamento psicológico é fundamental para reduzir os comportamentos disruptivos, como a hiperatividade e a irritabilidade. Além disto, indica-se acompanhamento psicopedagógico para o desenvolvimento de aspectos cognitivos e de aprendizado”, comenta Gizele Alves Martins.

Para a psicóloga, a alfabetização destas crianças, assim como o aprendizado de outras matérias, pode ficar comprometido. “A intervenção deve ser realizada o mais cedo possível para permitir que o indivíduo vá cada vez mais alcançando uma certa independência e qualidade de vida”, diz.

Prevalência de casos de SAF no Brasil e no mundo

Estimativas mundiais indicam que a prevalência média dos casos da síndrome alcoólica fetal se encontra entre 0,5 a 2 casos para mil nascidos vivos, superando índices de outros distúrbios do desenvolvimento como a síndrome de Down e a espinha bífida. Ainda, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), 0,1% das mortes atribuídas ao álcool em 2012 dizem respeito a condições neonatais, incluindo a SAF.

Leia mais: Saiba os riscos do consumo de álcool na gestação

Nos Estados Unidos, estima-se que a cada ano 40 mil bebês nascem com SAF, tornando este distúrbio mais comum que novos diagnósticos de transtorno do espectro autista e uma das principais causas evitáveis de deficiência intelectual. Recentes estudos sugerem que casos de SAF podem chegar a aproximadamente 50 por mil entre os nascimentos no país.

No Brasil, anualmente 1.500 a 3 mil casos novos podem surgir se a prevalência de 0,5 a 2 por mil nascidos vivos for considerada.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autor:

Referências bibliográficas:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.