Imunização contra a Covid-19: Ministério da Saúde inclui pacientes HIV como prioritários - PEBMED

Imunização contra a Covid-19: Ministério da Saúde inclui pacientes HIV como prioritários

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Setenta dias após o início oficial da campanha de vacinação contra a Covid-19 no Brasil, o Ministério da Saúde decidiu incluir indivíduos entre 18 e 59 anos vivendo com HIV no grupo prioritário para imunização. A recomendação publicada no final de janeiro dizia que apenas pessoas com HIV e CD4 menor 350 teriam prioridade na imunização.

Na época, representantes do movimento Aids, ouvidos pela Agência Aids, comemoraram a decisão do Ministério da Saúde, mas disseram que sem exame de contagem de CD4 era impossível saber se o indivíduo era prioritário para a imunização.

Leia também: Resposta às vacinas contra Covid-19 em mulheres gestantes e lactantes

O presidente da ONG Amigos da Vida, Cristiano Ramos, que atua na proteção de pessoas com HIV, avaliou que essa inclusão é um avanço importante, em entrevista à Agência Brasil.

mão de técnico segurando vacina de imunização contra a covid-19

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Imunização contra a Covid-19

Segundo a nota técnica, a indicação é vacinar as pessoas com HIV após encerrar a imunização de pessoas de 60 a 64 anos, uma vez que esse perfil está inserido no grupo de comorbidades, junto com outras doenças como hipertensão, diabetes e doenças cardiovasculares. A nota não informa, contudo, quantas pessoas devem entrar neste grupo.

“Considerando as novas evidências científicas publicadas sobre o risco de desfechos negativos da Covid-19 em PVHIV, faz-se necessário atualizar as recomendações visando incluir todos os indivíduos vivendo com HIV entre 18 e 59 anos de idade no grupo de comorbidades para a priorização da vacinação contra a Covid-19, visando reduzir o impacto da pandemia nesse grupo, especialmente em relação ao risco de hospitalização e óbito, e respeitar o conceito de equidade do Sistema Único de Saúde (SUS)”, diz um dos trechos da nota técnica.

Ouça: Covid-19: saiba tudo sobre as vacinas [podcast]

A nota ainda lembra que as pessoas que vivem com HIV e têm 60 anos ou mais serão vacinadas junto com os grupos dessa faixa etária. E informa que a contraindicação da vacina para esse público segue os mesmos critérios da população geral: “hipersensibilidade ao princípio ativo ou qualquer dos excipientes da vacina; para aquelas pessoas que apresentaram uma reação anafilática confirmada a uma dose anterior a da mesma vacina Covid-19”.

A orientação da nota técnica já está em vigor e será publicada neste início de abril, na sexta edição do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19.

Plano Nacional de Imunização

Confira a ordem dos grupos prioritários, segundo o PNI:

  • Pessoas com 60 anos ou mais institucionalizadas;
  • Pessoas com deficiência institucionalizadas;
  • Povos indígenas vivendo em terras indígenas;
  • Trabalhadores da saúde;
  • Pessoas de 75 anos ou mais;
  • Povos e comunidades tradicionais ribeirinhas;
  • Povos e comunidades tradicionais quilombolas;
  • Pessoas de 60 a 74 anos;
  • Pessoas de 18 a 59 anos com comorbidades;
  • Pessoas com deficiência permanente grave;
  • Pessoas em situação de rua;
  • População privada de liberdade;
  • Funcionário do sistema de privação de liberdade;
  • Trabalhadores de educação;
  • Forças de segurança, salvamento e Forças Armadas;
  • Trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros;
  • Trabalhadores de transporte metroviário e ferroviário;
  • Trabalhadores de transporte aéreo;
  • Trabalhadores de transporte de aquaviário;
  • Caminhoneiros;
  • Trabalhadores portuários;
  • Trabalhadores industriais.

Veja mais: Anunciada a Butanvac, primeira vacina brasileira que pode começar a ser distribuída em julho

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autora:

Referências bibliográficas:

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar