Anunciada a Butanvac, primeira vacina brasileira que pode começar a ser distribuída em julho - PEBMED

Anunciada a Butanvac, primeira vacina brasileira que pode começar a ser distribuída em julho

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Na última sexta-feira foi anunciado o desenvolvimento da primeira vacina nacional contra a Covid-19, produzida pelo Butantan. Segundo o presidente do Instituto, Dimas Covas, os testes em seres humanos começarão daqui a três meses.

A expectativa é que o país receba 40 milhões de doses do novo imunizante em julho, conseguindo, assim, disponibilizar uma capacidade de produção de 100 milhões de doses por ano.

Naturalmente, o uso e a aprovação da vacina dependerão do sucesso dos testes realizados em voluntários e da aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“Queremos fazer os estudos em dois meses, dois meses e meio, no máximo três meses, para disponibilizar as doses no segundo semestre”, anunciou Dimas Covas em coletiva de imprensa.

vacina butanvac para covid-19

Foto: Governo de São Paulo
Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Vacina 100% nacional?

No mesmo dia do anúncio, a Folha de São Paulo publicou uma reportagem com uma entrevista do professor Peter Palese, do Instituto Mount Sinai, nos Estados Unidos, afirmando que o imunizante anunciado pelo Instituto Butantan conta com tecnologia desenvolvida por ele e sua equipe, o que indicaria que a vacina não seria 100% nacional.

Em nota, o Butantan reconheceu que usa a técnica de produção da vacina a partir do vírus Newcastle, o que foi desenvolvido no Mount Sinai. Entretanto, destacou que a maior parte do projeto é mesmo nacional, incluindo a planejada produção das doses.

“A tecnologia da Butanvac, que será fabricada com custos baixo no Brasil, sem dependência de insumo importado, usa o vírus da doença de NewCastle, desenvolvido‪ por cientistas do Icahn School of Medicine no Mount Sinai, em Nova York. A proteína S estabilizada do novo coronavírus utilizada na vacina com tecnologia HexaPro foi desenvolvida na Universidade do Texas, em Austin. O desenvolvimento da vacina está sendo realizado pelo Butantan na mesma plataforma usada para a vacina da influenza. Todos os processos produtivos serão realizados integralmente pelo Butantan”, diz a nota.

Tecnologia utilizada

A Butanvac vai utilizar a mesma tecnologia da vacina contra a Influenza, que também é fabricada pelo instituto. O vetor utilizado é um vírus chamado Newcastle, que infecta aves, desenvolvido no Mount Sinai, em Nova York.

Os pesquisadores injetam nesse vírus os genes da spike do novo coronavírus, como é chamada a proteína que se encaixa nas células humanas, para promover a infecção. Esse vírus foi modificado geneticamente e expressa a proteína S, que desenvolve imunidade de uma forma muito mais efetiva que essas outras vacinas no mercado. Após essa modificação no vírus, ele é introduzido em ovos de galinha, onde se multiplica.

Segundo Dimas Covas, o uso de ovos para fabricar vacinas é uma tecnologia segura e barata, o que deve favorecer a fabricação de milhões de doses a um custo baixo.

Leia também: Nova recomendação do ACOG sobre as vacinas contra Covid-19 em gestantes

Número de doses, variantes e cronograma

O Butantan entrou na última sexta-feira com pedido na Anvisa para iniciar os estudos clínicos com seres humanos. A meta anunciada é iniciar a vacinação da população brasileira com esse novo produto em julho deste ano.

Dimas Covas disse que, quando a vacina estiver liberada para uso, o instituto conseguirá produzir 100 milhões de doses por ano.

Perguntado sobre como seria possível fazer testes das fases 1, 2 e 3 em apenas três meses, o presidente do instituto defendeu que os processos podem ser “encurtados”, pelo fato de a vacina utilizar uma tecnologia conhecida, a mesma da gripe, e pela experiência prévia do Butantan com a testagem da CoronaVac.

“O que leva a termos esse cronograma é a experiência adquirida com o estudo clínico da Coronavac. Ganhamos muita experiência nesse período e o estudo para essa vacina pode ser encurtado. Não é um estudo de uma nova vacina de que não se conhece nada sobre o assunto. Pode ser feita de maneira comparativa com as vacinas já em utilização”, disse Dimas Covas.

O número de doses ainda não está definido. Durante os ensaios clínicos, os pesquisadores testarão a resposta imunológica dos participantes a diferentes doses e com intervalos variados.

Sobre a eficácia da nova vacina contra as variantes, o presidente do Butantan disse que os pesquisadores já estão utilizando os aspectos genéticos da variante de Manaus, apelidada de P.1, nas pesquisas para produzir a Butanvac.
“Estamos trabalhando na vacina com a variante P1. Se for necessário, adaptaremos para outras variantes”, afirmou Dimas Covas.

Veja mais: Considerações sobre a vacina contra o SARS-CoV-2 nas doenças neurológicas

Anvisa autoriza pesquisa de soro do Butantan contra Covid-19

Outra boa notícia é que a Anvisa autorizou a pesquisa clínica com seres humanos do soro hiperimune anti-Sars-CoV-2, também desenvolvido pelo Instituto Butantan.

A autorização foi condicionada a um Termo de Compromisso, que prevê a entrega de informações complementares. Para isso, será enviado um ofício com apontamento das pendências ao Butantan, o que já estava acordado entre a Anvisa e o Instituto.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autora:

Referências bibliográficas:

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar