Home / Cardiologia / Indicações do implante de cardiodesfibrilador como prevenção de Morte Súbita
EuroElso 2019 - VAD

Indicações do implante de cardiodesfibrilador como prevenção de Morte Súbita

Cardiologia, Colunistas
Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 2 minutos.

No último artigo, conversamos sobre as indicações clássicas de implante de marcapassos cardíacos. Hoje, seguindo a linha ainda dentro deste pensamento, vamos discutir sobre as indicações clássicas do implante do cardiodesfibrilador, também conhecido pela sigla CDI.

Prevenção Primária de Morte Súbita Cardíaca em Pacientes Portadores de Cardiopatia Estrutural

A morte súbita cardíaca constitui causa importante de óbito em pacientes portadores de cardiopatias e disfunção de VE, e a grande maioria dos eventos é desencadeada por arritmias malignas, como FV e TV. Diversos estudos comprovaram a capacidade preventiva destes eventos após o implante, de modo que se tornaram uma estratégia profilático-terapêutica importantíssima para os pacientes.

A indicação classe I é válida para pacientes sobreviventes de IAM há mais de 40 dias, ou portadores de cardiopatia isquêmica crônica já com tratamento clínico otimizado e sem perspectiva cirúrgica, ou e expectativa de vida menor do que 1 ano, associada a uma das seguintes condições:

  1. FE ≤ 35% e classe funcional III – IV (nível A);
  2. FE ≤ 30% e classe funcional I, II ou III (nível A);
  3. FE ≤ 40%, TV não sustentada espontânea, e TV sustentada indutível ao estudo eletrofisiológico (nível B).
  4.  Prevenção Secundária de Morte Súbita Cardíaca em Pacientes Portadores de Cardiopatia Estrutural

Eventos arritmogênicos malignos apresentam grande taxa de recorrência em pacientes com episódios prévios de PCR, especialmente elevados principalmente nos primeiros 6 a 12 meses, chegando a taxas de 10% neste período.

Leia mais: Marcapasso está indicado em idosos com síncope e bloqueio bifascicular

A prevenção secundária da morte súbita cardíaca se inicia no tratamento farmacológico base da IC, por meio do arsenal beta-bloqueador, iECA, BRA e estatinas. Por muitos anos, o tratamento com antiarrítmicos também foi parte importante da prevenção, mas foi a introdução do CDI o principal avanço neste ponto. As indicações de classe I são:

  1. 1. PCR por TV/FV de causa não-reversível, com FE ≤ 35%, com expectativa de vida de pelo menos 1 ano (nível A);
  2. 2. TV sustentada, com instabilidade hemodinâmica ou síncope, de causa não reversível, com FE ≤ 35% e expectativa de vida de pelo menos 1 ano (nível A).

São indicações mais fáceis de guardar do que as dos marcapassos, certo? Mas é sempre revisando os casos, tanto previamente quanto reforçando as indicações de nossos pacientes, que cada vez mais conseguimos nos familiarizar com elas.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.