Influência da Diabetes Mellitus nas doenças crônicas e agudas

É importante entender que a prevenção e educação sobre diabetes não é responsabilidade de um único profissional, e depende de integração de diversas áreas.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Diabetes Mellitus (DM) é um importante e crescente problema de saúde na maioria dos países, independentemente do patamar de desenvolvimento. Trata-se de desordem crônica caracterizada por metabolismo prejudicado de glicose com o desenvolvimento posterior de complicações diversas envolvendo distintos mecanismos patogenéticos, que têm a hiperglicemia como denominador comum. Em 2015, a Federação internacional de diabetes (IDF) estimou que 8,8% da população mundial com 20 a 79 anos de idade (415 milhões de pessoas) viviam com diabetes. Cerca de 75% dos casos são de países em desenvolvimento, com propensão ao aumento da incidência e prevalência nas próximas décadas¹.

Considerando tais fatores, chama a atenção a baixa conscientização e prevenção em relação ao diabetes tipo 2, que pode permanecer não detectado por vários anos, dando oportunidade ao desenvolvimento de suas complicações. Estima-se que cerca de 46-50% dos casos de DM2 não sejam diagnosticados e que 83,8% destas subnotificações estejam em países em desenvolvimento 2. O aumento do número de pessoas com doenças crônico-degenerativas tem se constituído um desafio para os serviços de saúde e para a sociedade de modo geral, chamando ainda mais atenção para a associação de patologias e comorbidades enquanto dificultador dos bons resultados terapêuticos. Tais complicações reduzem a capacidade funcional e condição laboral dos pacientes, resultando no afastamento de indivíduos em idade produtiva de suas respectivas profissões, mobilizando situações psicossociais que podem comprometer a volição, interação relacional, autoestima e adesão ao tratamento.

Doença cardiovascular é a principal causa de óbito entre as pessoas com diabetes, sendo responsável por pelo menos metade das mortes desta classe. Câncer e diabetes são duas das principais causas de morte nos Estados Unidos, fazendo parte também da mudança epidemiológica brasileira e mundial de prevalência de morbimortalidade por doenças crônicas. Apesar dos diagnósticos isolados já serem preocupantes, a associação patológica é complexa e vem sendo investigada desde a década de 1990, visto que estimativas atuais apontam que 1 em cada 5 pessoas com câncer também tem diabetes3.

Pesquisadores têm afirmado que o diabetes aumenta o risco de desenvolvimento de câncer, em especial no tipo 2, que costuma ser precedido por picos glicêmicos e insulínicos no sangue. Considerando que a glicose dá energia para a multiplicação celular e a insulina é um acelerador metabólico, conforme demonstrado em estudos in vitro, a manifestação da doença traria condições propícias para o desenvolvimento de câncer(4,5). Independentemente da ordem de aparecimento, há influência da associação das duas doenças em relação ao prognóstico, devendo ser considerada com atenção.

Leia mais: Adolescentes com diabetes podem desenvolver distúrbios alimentares

Outras linhas de pesquisa apontam para o desenvolvimento do DM2 secundário ao diagnóstico oncológico, inferindo a parcela da responsabilidade ao próprio paciente. Essa identificação aponta para a necessidade mais ativa do trabalho da psicologia e equipe multiprofissional na atenção de baixa e média complexidade em saúde, em especial utilizando o recurso da psicoeducação, estimulação do autocuidado e responsabilização do paciente em seu próprio tratamento. Isso porque, considerando a crença de alta letalidade do câncer, assim como outras doenças crônicas, os pacientes passam a descuidar de aspectos importantes da rotina diária, deixando de lado hábitos saudáveis, necessários para manutenção da saúde a médio e longo prazo e contribuindo para o aparecimento de outras comorbidades que propiciam a descompensação da doença de base(4,5).

Ainda são limitados os resultados dos estudos realizados sobre a associação das doenças, tanto que alguns autores defendem a mera coincidência da concomitância de DM e neoplasias malignas, assim como com doenças cardiovasculares e cerebrovasculares, pela maior predisposição devido à idade avançada. Em se tratando de má evolução clínica associada ao aparecimento de outras patologias crônicas, poderíamos citar desde a nefropatia diabética, causa importante de morbimortalidade, hipertensão arterial, doenças macro e microvasculares, depressão e tantas outras associações perigosas que colocam em cheque a boa evolução clínica e qualidade de vida do paciente diabético.

Pensando em quadros agudos, sabe-se que a tuberculose representa um grande desafio ao sistema de saúde, principalmente na associação com DM. Além do diabetes comprometer de forma importante o tratamento da tuberculose, inferindo em taxas aumentadas de óbito, a própria tuberculose pode induzir intolerância à glicose e dificultar o controle glicêmico dos diabéticos, levando a um ciclo de difícil manejo.

Em 2015, estudos no Brasil mostraram um total de 6,1% de mortes por tuberculose, cujo risco é maior em pacientes com DM, (RR= 3,94)6. O fato mais alarmante é que a prevalência de tuberculose está relacionada a fatores psicossociais e desigualdades, escancarando mais uma vez as falhas em prevenção e educação em saúde em determinadas regiões do país.

Ainda considerando a vertente infeciosa, outro aspecto que requer atenção especial no paciente diabético e depende fortemente do autocuidado e trabalho preventivo, são as lesões de membros inferiores, associadas à hidratação e proteção inadequada da pele. Apesar de parecer ser condição simples e de fácil tratamento, acaba como porta de entrada para infecções de difícil controle que podem resultar em lesões irreversíveis, chegando ao ponto de necessidade de amputação. O trabalho educativo e preventivo seria a condição de base para o controle do DM2, adesão adequada ao tratamento e melhor conhecimento da patologia. Esse trabalho tem potencial de modificação social quanto à necessidade de adequação dos hábitos de vida, cuidados em saúde, e, indiretamente, traria maior conhecimento para o controle de outras condições de risco, como obesidade, prejuízos da alimentação rica em sódio, açúcar e gorduras, consumo indiscriminado de álcool e tabaco, estimulando a responsabilização em saúde e escolhas de vida, que são fatores diretamente ligados ao surgimento de outras patologias crônicas.

diabetes

O processo de educação em diabetes

É importante entender que o trabalho de prevenção e educação sobre diabetes não é responsabilidade de um único profissional e depende de integração de diversas áreas do conhecimento que estabelecem como foco a atenção total ao portador. O objetivo principal deste processo é que o paciente e sua rede de apoio familiar assimilem a condição atual, informações necessárias sobre a patologia, recebam treinamento técnico para o controle adequado dos sintomas para desenvolver recursos e habilidades no intuito de conviver de modo saudável com a doença.

Sugere-se que, em situações já diagnosticadas, além dos grupos voltados à adesão, onde o foco é ofertar orientações sobre as adequações mais urgentes a serem implementadas, haja também regularidade nas avaliações. Deve-se atentar ao comportamento de autocuidado, acompanhamento das metas de controle individuais e observação dos comportamentos sociais e relacionais no processo de adequação às limitações da doença, estimulando a preservação da singularidade do portador e buscando manter os cuidados, adaptando-os à sua rotina de vida.

Para a adesão adequada é importante ofertar informações suficientes e suporte multiprofissional: garantia de apoio social para a manutenção do tratamento, acesso às medicações contínuas e controle ambulatorial; informações médicas e de enfermagem com planejamento de metas periódicas e acompanhamento dos exames; avaliação e educação nutricional para inserção progressiva à rotina; indicação individualizada de atividade física; suporte psicoemocional ao paciente e à família para melhor assimilação e adequação às mudanças ocasionadas pelo diagnóstico.

Apesar do suporte, que já é possível atualmente com projetos específicos de atenção ao diabético, a medida inicial que deve ser mobilizada diz respeito às estratégias de prevenção e educação da população. Conscientizar sobre o impacto das escolhas de vida contempla a diminuição de incidência de doenças crônicas ligadas aos hábitos inadequados, prepara os usuários para atentar-se aos sintomas iniciais de doenças, favorecendo o diagnóstico precoce, e impacta diretamente na redução dos custos da assistência curativa em saúde, assim como gastos relacionados às complicações da doença que hoje são as principais causadoras de óbito precoce e morbidade no paciente diabético.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Referências:

  • 1. Internacional Diabetes Federation. IDF Atlas. 7Th ed. Brussels, Belgium: International Diabetes Federation; 2015
  • 2. World Health Organization, editor. Global health risks: mortality and burden of disease attributable to selected major risks. Geneva, Switzerland: World Health Organization; 2009.
  • 3. Jemal A, Bray F, Center, MM, Ferlay, J et al. Global cancer statistics. CA Cancer J Clin. 2011 Mar-Apr;61(2):69-90.
  • 4. Bertolazzi LG, Domingues Junior JL, Carmo, VCMFO, Fernandes, FLC. Prevalence of diabetes in patients with intestinal malignancies in a teaching hopital. Rev Bras de Oncologia Clínica, 2015: 11(40)71-77.
  • 5. Yang GTC, Ko GTC, So WY et al. Associations of hyperglycemia and insulin usage with the risk of cancer in type 2 diabetes: the Hong Kong diabetes registry. American Diabetes Association-diabetes; 2010. 59(5):1254-1260.
  • 6. Dobler CC, Flack JR, Marks GB. Risk of tuberculosis among people with diabetes mellitus: an Australian nationwide cohort study. BMJ Open. 2012;2(1):e000666.
  • 7. Pereira SM, Araújo GS, Santos CAST, Oliveira MG, Barreto ML. Associação entre diabetes e tuberculose: estudo de caso controle. Rev Saúde Pública. 2016; 50(82)1-7.
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades

Tags