Insegurança e ansiedade no aleitamento materno

Quando nasce uma mãe, nasce a culpa? Vamos falar sobre sentimentos como insegurança e ansiedade que podem permear a amamentação.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

“Quando nasce uma mãe, nasce a culpa”, frase dita por muitos e que, provavelmente, você já ouviu e/ou falou. Isso acontece porque desde o momento em que a mulher descobre estar grávida, surge o bebê imaginário, aquele que é idealizado em sonhos e pensamentos. Entretanto, quando o bebê real chega, ou seja, aquele que nasce, pode ser muito diferente ao da imaginação. Além disso, o cuidado com ele e seu desenvolvimento, inclusive, também podem ser diferentes daquilo que foi imaginado anteriormente.

Diante disso e das demandas geradas a partir da maternidade e da chegada de um novo membro da família, as puérperas podem desenvolver momentos de ansiedade, o que para Chemello, Levandowski e Donelli (2021, p.40), pode fazer parte da experiência materna, para algumas mães tais episódios podem se manifestar de forma exagerada, gerando “preocupações excessivas e/ou de um estado de tensão, insatisfação, insegurança, incerteza e medo diante da maternidade.”

Nesse sentido, uma situação que pode gerar quadro de ansiedade e, consequentemente, produzir insegurança para mulher, é a amamentação, tendo em vista que tal prática está permeada por muitos mitos, além de desinformação, conselhos não solicitados e opiniões diversas quanto ao ato de amamentar. Não é à toa que, em 1948, a Organização Mundial de Saúde (OMS) criou a Semana Mundial do Aleitamento Materno, cujo objetivo é incentivar a amamentação, o que corrobora para prevenção da mortalidade infantil.

Leia também: Como e quando o profissional de enfermagem pode orientar sobre aleitamento materno?

É notório que a intenção da mulher em realizar a amamentação é algo construído ao longo de sua vida, o que antecede até mesmo a gravidez. No entanto, quando ela se vê com o bebê real nos braços, permeada por diferentes obstáculos advindos dos primeiros dias do puerpério, emergem preocupações, inseguranças e incertezas quanto à decisão tomada. A puérpera percebe que amamentar um bebê não é instintivo como ocorre com outras espécies de mamíferos ou é compartilhado por diferentes meios de comunicação que veiculam propagandas de incentivo à amamentação. É importante salientar que algumas mídias digitais ou campanhas governamentais quando abordam o tema amamentação, apenas retratam a imagem de  mulheres sorrindo, lindas, maquiadas, segurando seu bebê nos braços enquanto amamentam.

Insegurança e ansiedade no aleitamento materno

Questionamentos

No entanto, a mulher que vivencia problemas como: dor do pós-parto, baby blues, privação do sono, dificuldade de fazer a pega para o bebê mamar, fissura nos mamilos ou problemas para o ganho de peso de seu filho, pode começar a repensar sobre sua capacidade de amamentar ou ter questionamentos sobre a qualidade de seu leite (“Existe leite fraco?”, “Estou com produção suficiente?”, ‘Meu bebê está com fome?”). Assim, observa-se que a ansiedade e a insegurança ficam cada vez mais evidentes diante dos mitos e tabus que pairam a amamentação.

Nesse contexto, destaca-se a importância do profissional de enfermagem que desenvolve um papel fundamental para consolidação das políticas públicas e promoção do desenvolvimento humano com qualidade. Suas atividades são pautadas em preceitos éticos, legais, técnicos e científicos que valorizam o saber dos indivíduos na sociedade. Durante o pré-natal, tais profissionais buscam compreender os questionamentos que emergem sobre o processo de amamentação, a fim de promover orientações eficazes para empoderar a mulher e sua rede de apoio, haja vista que as tradições e mitos de cada família vão passando de geração em geração

Saiba mais: Semana Mundial de Aleitamento Materno: segurança da amamentação após anestesia.

Neste cenário, é importante frisar que as orientações, ainda no período gestacional, devem englobar questões sobre como fazer uma boa pega, quais as posições possíveis para amamentar, o que é esperado nos primeiros dias de vida do bebê, os principais sinais e sintomas de alerta para que mulher e sua família saibam quando buscar ajuda profissional. Esse conjunto de ações assertivas fará com que a puérpera e sua rede de apoio conheçam o que está por vir, incluindo as sensações e sentimentos que podem surgir em decorrência da gestação, parto e puerpério.

Mensagem final

Desta forma, conclui-se que a acessibilidade ao conhecimento e o protagonismo que quem vivencia o processo possibilitam minimizar eventuais situações adversas, ao mesmo tempo que fortalece o ato de amamentar, minimizando, desta forma, as chances do surgimento de insegurança e ansiedade diante do medo do desconhecido.

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades

Chemello MR, Levandowski DC, Donelli TMS. Ansiedade materna e relação mãe-bebê: um estudo qualitativo. Rev. SPAGESP.  Ribeirão Preto. 2021;22(1):39-53. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-29702021000100004&lng=pt&nrm=iso. Vieira TO, et al. Intenção materna de amamentar: revisão sistemática. Ciência & Saúde Coletiva [online]. 2016;21(12):3845-3858. DOI:10.1590/1413-812320152112.17962015. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Atenção humanizada ao recém‑nascido de baixo peso: Método Canguru/ Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – 2. ed. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde, 2011.