Home / Cardiologia / Insuficiência cardíaca: o que há de novo na abordagem da doença?
insuficiência cardíaca

Insuficiência cardíaca: o que há de novo na abordagem da doença?

Cardiologia, Colunistas
Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 2 minutos.

Segundo a American Heart Association (AHA) a insuficiência cardíaca (IC) é uma síndrome clínica desencadeada por quaisquer alterações cardíacas estruturais ou funcionais que levam o ventrículo a ter dificuldade em preencher ou ejetar sangue. Complementando esse conceito, a European Society of Cardiology (ESC) propõe três critérios clínicos que devem estar presentes para o diagnóstico:

  1. Sintomas típicos: Falta de ar em repouso ou no exercício, fadiga, cansaço e edema de tornozelos;
  2. Sinais típicos: Taquicardia, taquipneia, estertores pulmonares, derrame pleural, aumento da pressão venosa jugular, edema periférico, hepatomegalia;
  3. Evidência objetiva de alteração estrutural ou funcional: cardiomegalia, sopros cardíacos, B3, alterações no ecocardiograma, aumento do BNP.

A insuficiência cardíaca atinge cerca de 1 milhão de pacientes hospitalizados nos Estados Unidos e, segundo dados do DATASUS, no biênio 2006-2007 no Brasil foi a causa de quase 300 mil internações, cerca de 2,6% do total. A IC está associada ao envelhecimento da população, sobretudo nos pacientes hipertensos, devido à sobrecarga do ventrículo esquerdo, e os portadores de valvopatias. A doença é progressiva e leva à disfunção miocárdica e piora do prognóstico do paciente.

Leia mais: Insuficiência cardíaca: veja novas recomendações da diretriz brasileira

Os sinais e sintomas clínicos comuns da insuficiência cardíaca são dispneia, ortopneia, edema em membros inferiores, hepatomegalia, derrame pleural, estase jugular, congestão pulmonar, oligúria, nictúria, taquicardia, bulhas patológicas, sopros cardíacos. A avaliação laboratorial varia de acordo com o exame clínico do paciente, em geral inclui hemograma completo, parcial de urina, eletrólitos, glicemia, colesterol total e frações, ureia, creatinina e hormônios tireoidianos. A dosagem do peptídeo natriurético tipo B (BNP), substância produzida e liberada pelo coração, é muito utilizada na sala de emergência como orientador de descompensação. Outro exame de grande impacto é o ecocardiograma, que ajuda a balizar o tratamento e a classificação deste doente.

A classificação principal é a do comitê da New York Heart Association (NYHA):

  • Classe 1: Dispneia aos esforços não habituais (ex: subir ladeira);
  • Classe 2: Dispneia aos esforços médios (ex.: caminhar do plano);
  • Classe 3: Dispneia aos esforços pequenos (ex.: tomar banho, pentear-se);
  • Classe 4: Dispneia no repouso.

Sabemos que o paciente com IC é frequentador das salas de emergência por causa das descompensações. Ao longo de 45 anos, as terapias medicamentosas se limitam ao uso de diuréticos e suporte hemodinâmico com vasodilatadores e inotrópicos.

Um estudo publicado recentemente na New England Journal Medicine (NEJM) comparou duas drogas, o Enalapril e o Sacubitril-Valsartana. A pesquisa compara a concentração de N-terminal pro–B-type natriuretic peptide (NT-proBNP) na quarta e na oitava semanas após tratamento. A medicação produzida pelo laboratório Novarst é uma associação de Valsartana e Sacubitril, com apresentações de 24 mg/26 mg; 49 mg/51 mg e 97 mg/103 mg, sendo a dose-alvo de 97 mg/103 mg ministrada duas vezes ao dia, adaptada paulatinamente conforme resposta do paciente.

Segundo o estudo, esta associação reduziu significativamente a concentração de NT-proBNP já na primeira semana quando comparada ao Enalapril. O efeito benéfico foi acompanhado por uma diminuição na concentração de troponina T cardíaca de alta sensibilidade. Essas reduções contribuem ainda mais na diminuição do risco de mortes e necessidade de internações hospitalares referentes à insuficiência cardíaca.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

  • Velazquez EJ, Morrow DA, DeVore AD, Duffy CI, Ambrosy AP, McCague K, Rocha R, Braunwald E. Angiotensin–Neprilysin Inhibition in Acute Decompensated Heart Failure. N Engl J Med 2018 Nov DOI: 10.1056/NEJMoa1812851
  • SANTOS IS, BITTENCOURT MS. Insufciência cardíaca. Rev Med (São Paulo). 2008 out.-dez,;87(4):224-31.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.