Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Emergências / Jejum é necessário para sedação procedimental em crianças na emergência?
médica atendendo criança no hospital

Jejum é necessário para sedação procedimental em crianças na emergência?

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 2 minutos.

Adiar a sedação para atender aos critérios estabelecidos para o jejum não melhora os desfechos de crianças no serviço de emergência, indica novo artigo do JAMA Pediatrics, publicado em maio.

As evidências ainda não mostram claramente se a adesão aos critérios de jejum pré-procedimento previne a aspiração pulmonar e os desfechos adversos em crianças. Pensando nisso, pesquisadores realizaram um estudo prospectivo de coorte para examinar a associação entre a duração do jejum antes de um procedimento na emergência e a incidência de desfechos adversos relacionados à sedação.

Os participantes foram 6.183  crianças (idades entre 0 a 18 anos) que receberam sedação procedimental de seis departamentos de emergência do Canadá, entre 2010 e 2015. Quatro desfechos foram examinados: aspiração pulmonar, a ocorrência de qualquer evento adverso, eventos adversos graves e vômitos.

Bateu uma dúvida? O Whitebook refresca sua memória com conteúdos atualizados. Baixe aqui o nosso app.

Entre os participantes, cerca de 50% das crianças não preenchiam os critérios das diretrizes de jejum para sólidos e líquidos da American Society of Anesthesiologists. Não houve nenhum caso de aspiração pulmonar; 717 eventos adversos foram registrados (11,6%; IC de 95%: 10,8% a 12,4%), dos quais 68 foram graves (1,1%; IC de 95%: 0,9% a 1,3%) e 315 com vômitos (5,1%; IC de 95%: 4,6% a 5,7%).

O odds ratio (OR) para ocorrência de qualquer evento adverso, eventos adversos graves e vômitos não mudou significativamente com cada hora adicional de duração do jejum para sólidos (qualquer evento adverso: OR = 1,00; eventos adversos graves: OR = 1,01; vômitos: OR = 1,00) ou líquidos (qualquer evento adverso: OR = 1,00; eventos adversos graves: OR = 1,01; vômitos: OR = 1,00).

Pelos achados, os pesquisadores concluíram que não houve associação entre a duração do jejum e qualquer tipo de evento adverso. Esses resultados não suportam atrasar a sedação para atender às diretrizes estabelecidas de jejum.

Quais práticas conduzem aos melhores resultados em crianças submetidas à sedação?

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.