Página Principal > Colunistas > Jejum intermitente X dieta hipocalórica
jejum

Jejum intermitente X dieta hipocalórica

Tempo de leitura: 4 minutos.

Diversas modalidades de dieta já foram aventadas com a intenção de se mostrarem ideais para perda de peso ou mesmo para redução dos níveis glicêmicos em pacientes diabéticos. Fato é que ambos os objetivos caminham de forma unilateral e que a análise individual é a melhor forma de planejamento dietético. Porém, carecem estudos de qualidade comparando as modalidades dietéticas, o que torna a individualização algo empírica.

Com base nisso, um recente estudo realizado na University of South Australia, em Adelaide, e publicado no conceituado periódico JAMA Network Open, mostrou que pacientes com diabetes mellitus tipo 2 bem compensado e excesso de peso tiveram redução semelhante dos níveis de hemoglobina glaciada (HbA1c) em um ano de jejum intermitente em comparação com uma dieta de baixa caloria contínua.

Jejum intermitente X dieta de baixa caloria contínua

Durante a elaboração do estudo, foi necessário estabelecer uma periodicidade do jejum intermitente, tendo em vista que o mesmo pode ser feito de diversas maneiras diferentes. Sendo assim, determinou-se que os pacientes do grupo do jejum intermitente receberiam uma dieta elaborada por nutricionistas com 500 a 600 kcal/dia (contendo no mínimo 50g de proteína) por dois dias durante a semana, enquanto nos outros cinco dias poderiam realizar uma alimentação habitual com um total de 11.500 kcal por semana. Já para o grupo de restrição calórica contínua, ficou instituído uma dieta entre 1.200 e 1.500 kcal por dia (30% proteínas, 45% carboidratos e 25% gorduras), totalizando 10.300 kcal por semana.

Os participantes realizaram consultas periódicas com nutricionistas e endocrinologistas. No inicio do estudo, a maioria dos pacientes estava utilizando metformina (65%), seguido de sulfonilureia (22%), insulina (20%) ou inibidor da dipeptidil-peptidase 4 (15%). Poucos estavam utilizando algum inibidor do cotransportador de sódio-glicose 2 (6%) ou agonistas do peptídeo do tipo glucagon 1 (4%). Porém, no decorrer do estudo, devido a episódios recorrentes de hipoglicemia, foi necessário realizar um novo protocolo que exigia que todos os pacientes parassem de tomar as sulfonilureias e a insulina se os níveis de HbA1c ao início do estudo estivessem abaixo de 7%. Além disso, os pacientes com níveis de HbA1c entre 7% e 10% foram orientados a suspender o uso de sulfonilureias e insulina nos dias de jejum e suspender a insulina de ação prolongada antes do jejum.

O objetivo primordial do estudo era a avaliação da HbA1c e o resultado foi semelhante nos dois grupos: uma redução média de 0,3-0,5% nos grupos de restrição calórica contínua e jejum intermitente, respectivamente. Como dados obtidos de forma secundária, ressalta-se uma maior perda ponderal no grupo que fez jejum intermitente (6,8kg x 5,0kg) entretanto não houve significaria estatística.

Apesar de promissores, os próprios autores do estudos reconhecem que os resultados não devem ser generalizados, uma vez que os pacientes estudados tinham uma glicemia bem controlada previamente e que foram realizadas consultas com nutricionistas e médicos de forma mais frequente que na prática clínica usual, sendo, inclusive, realizado intervenções medicamentosas ao longo do estudo.

LEIA MAIS: 6 dicas de nutrição para compartilhar com seus pacientes

Jejum intermitente: por que sim? Por que não?

O jejum intermitente, praticado de diversas formas diferentes, apresenta-se atualmente como uma oportunidade de perda de peso para pacientes com dificuldades de seguir uma rotina de dieta hipocalórica. Suas várias vertentes (jejum de um dia inteiro, em dias alternados ou alimentação com restrição de tempo) permitem que o próprio paciente encontre a forma como se adapta e possa permanecer com sua dieta habitual enquanto não está de jejum.

De fato, o que se tem de evidencia sobre a forma como o jejum impacta no nosso organismo é baseada em estudos realizados com animais e portanto seguimos carecendo de suporte cientifico nesta área. Em tais estudos, mostrou-se que o ato de jejuar ativa mecanismos de cetogênese que funcionam como verdadeiros antioxidantes. Além disso, pelo maior período sem alimentação (e consequentemente sem secreção de insulina), o organismo aumenta a sensibilidade a mesma, podendo gerar benefícios em pacientes com diabetes mellitus tipo 2. Ademais, foi demonstrado uma redução dos níveis tensionais, maior resistência celular ao insulto isquêmico e até mesmo maior longevidade em ratos sujeitos ao jejum intermitente. De certa forma, grande parte dos benefícios descritos são devido à cetogênese também presente em outras dietas.

É verdade que a pratica de jejum se perpetuou por demonstrar grandes perdas ponderais, sendo hoje difundida em academias e ainda um tema polêmico nos consultórios de nutricionistas e médicos. É preciso ter ciência, entretanto, de que os estudos em humanos são escassos e que a pratica de jejum intermitente pode se tornar perigosa principalmente em indivíduos portadores de outras comorbidades como o próprio diabetes mellitus (onde há elevado risco de hipoglicemia caso não haja acompanhamento medico frequente).

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Marcos Viana

Residente de Clínica Médica do HUCFF – UFRJ ⦁ Médico da Terapia Intensiva do Complexo Hospitalar de Niterói

Referências:

  • Effect of Intermittent Compared With Continuous Energy Restricted Diet on Glycemic Control in Patients With Type 2 DiabetesA Randomized Noninferiority Trial. Carter S, Clifton PM, Keogh JB. JAMA Network Open.2018;1(3):e180756. doi:10.1001/jamanetworkopen.2018.0756.
  • Early Time-Restricted Feeding Improves Insulin Sensitivity, Blood Pressure, and Oxidative Stress Even Without Weight Loss in Men with Prediabetes. Elizabeth F. Sutton, Robbie Beyl, Kate S. Early, William T. Cefalu, Eric Ravussin, Courtney M. Peterson. Cell Metab. 2018 Jun 5; 27(6): 1212–1221.e3. Published online 2018 May 10. doi: 10.1016/j.cmet.2018.04.010 PMCID: PMC5990470
  • Effects of eight weeks of time-restricted feeding (16/8) on basal metabolism, maximal strength, body composition, inflammation, and cardiovascular risk factors in resistance-trained males. Tatiana Moro, Grant Tinsley, Antonino Bianco, Giuseppe Marcolin, Quirico Francesco Pacelli, Giuseppe Battaglia, Antonio Palma, Paulo Gentil, Marco Neri, Antonio Paoli. J Transl Med. 2016; 14: 290. Published online 2016 Oct 13. doi: 10.1186/s12967-016-1044-0 PMCID: PMC5064803
  • The effects of intermittent compared to continuous energy restriction on glycaemic control in type 2 diabetes; a pragmatic pilot trial. S. Carter, P. M. Clifton, J. B. Keogh. Diabetes Res Clin Pract. 2016 Oct 19; 122: 106–112. Published online 2016 Oct 19. doi: 10.1016/j.diabres.2016.10.010

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.