Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Clínica Médica / Lote de amoxicilina é recolhido por conter partículas de vidro
medicamentos variados incluindo amoxicilina que foi recolhida

Lote de amoxicilina é recolhido por conter partículas de vidro

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Depois da losartana e da ranitidina, chegou a vez da amoxicilina. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou o recolhimento da amoxicilina (50 mg/mL), do lote 18J94P distribuído pela indústria farmacêutica Prati-Donaduzzi.

Segundo resolução, publicada no Diário Oficial da União, o motivo do recolhimento foi a presença de partículas de vidro em unidades do produto. Além disso, a publicação explicita que a empresa confirmou a alteração nos medicamentos.

É importante ressaltar que o recolhimento foi de um lote específico da indústria citada e que a amoxicilina pode continuar a ser prescrita normalmente, considerando a existência de outras marcas no mercado.

Outros recalls recentes no Brasil

No Brasil, a Anvisa recolheu lotes de valsartana, irbesartana e losartana em maio de 2019, além de suspender a fabricação desses medicamentos com uso de insumos suspeitos (N-nitrosodimetilamina). Ao todo, importação dos insumos de dez fabricantes foi interrompida.

Em dezembro de 2019, a farmacêutica Aché também anunciou a suspensão de fabricação e comercialização de seus medicamentos com a substância cloridrato de ranitidina: Label comprimidos (150 mg), Label xarope e seus genéricos (cloridrato de ranitidina 150 mg, 300 mg e xarope). O recolhimento dos produtos foi feito de forma voluntária pela empresa, que protocolou o pedido junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O motivo foi parecido com o do losartana, presença de N-nitrosodimetilamina (NDMA), componente que pode ser cancerígeno e apareceu em grandes quantidades em alguns medicamentos que usaram a ranitidina produzida pela empresa indiana Saraca Laboratories Limited em setembro de 2019.

Autor:

Referências bibliográficas:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.