Pediatria

Mães com coronavírus podem amamentar? Veja os posicionamentos

Tempo de leitura: 2 min.

No último dia 13, o Departamento Científico de Aleitamento Materno (DCAM) da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) emitiu um comunicado, direcionado aos pediatras brasileiros, sobre amamentação e o novo coronavírus (SARS-CoV2, causador da Covid-19).

Neste documento, o DCAM da SBP se posicionou como favorável à amamentação em mães portadoras do Covid-19, caso este seja o desejo delas. Isso porque os principais artigos publicados sobre o tema indicam que os benefícios da amamentação são superiores aos riscos de transmissão do novo vírus, assim como ocorre em diversas outras viroses. Até o momento, não se sabe se as mães com Covid-19 podem transmitir o vírus através do leite materno.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Coronavírus e amamentação

Segundo o Centers for Disease Control and Prevention, o leite materno é a melhor fonte de nutrição para a maioria dos bebês. No entanto, não se sabe muito sobre o novo coronavírus. O início ou a manutenção da amamentação deve ser determinado pela mãe em conjunto com sua família e profissionais de saúde. Uma mãe com Covid-19 confirmada ou sintomática suspeita deve tomar todas as precauções possíveis para evitar disseminar o vírus para o bebê, inclusive lavar as mãos antes de tocá-lo e usar uma máscara facial, se possível, enquanto estiver amamentando.

Além disso, ao ordenhar o leite materno com uma bomba manual ou elétrica, a mãe deve lavar as mãos antes de tocar em qualquer parte da bomba ou da mamadeira e seguir as recomendações para uma limpeza adequada da bomba após cada uso. Se possível, considerar que alguém que esteja bem dê o leite materno ordenhado ao bebê.

Leia também: Coronavírus: características de Covid-19 em pediatria, na China

O assunto, todavia, é bastante controverso. Em publicação no jornal The Lancet, de 3 de março, Favre e colaboradores haviam recomendado que os recém-nascidos de mães positivas para SARS-CoV-2 devem ser isolados por, pelo menos, 14 dias ou até que o derramamento viral desapareça, período durante o qual a amamentação direta não é aconselhada no artigo.

Os pesquisadores destacam que essas recomendações devem ser adaptadas às unidades de saúde locais, bem como em resposta a quaisquer atualizações adicionais sobre SARS-CoV2 e Covid-19.

Veja ainda: Whitebook: como tratar coronavírus na gravidez?

Conclusão

Diante da controvérsia, até que haja um consenso, o médico deve discutir caso a caso com as mães os prós e contras e ajudá-las a tomar uma decisão consentida.

Autora:

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Roberta Esteves Vieira de Castro

Posts recentes

Asma em Criança: atenção em tempos de Covid-19 [podcast]

Neste episódio do Whitecast, a Drª Dolores Silva, especialista em pediatria e conteudista do Whitebook,…

4 horas atrás

Meta-análise: A prática de atividade física e a influência sobre as imunizações

Alguns estudos já chamam a atenção da necessidade da boa saúde advinda de atividade física…

4 horas atrás

Esôfago curto: Estudo revisa questões históricas e atuais relacionadas ao seu tratamento

O trabalho publicado na Annals of Surgery revisa questões do tratamento da doença do refluxo…

5 horas atrás

Suplementação de ômega-3 pode retardar o envelhecimento acelerado relacionado ao estresse 

Vários estudos foram realizados e evidenciou-se que a suplementação diária com ômega 3 estaria relacionado…

6 horas atrás

Anvisa recebe pedido de uso emergencial de vacina contra Covid-19 da Sinopharm

A Anvisa recebeu uma solicitação de autorização temporária para uso emergencial para a vacina contra…

7 horas atrás

Manejo perioperatório nas lesões de medula espinhal

A incidência de casos de lesão de medula espinhal é baixa, mas elas levam a…

8 horas atrás