Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Clínica Médica / Mais da metade dos brasileiros está acima do peso e 20% obesos, alerta Ministério da Saúde

Mais da metade dos brasileiros está acima do peso e 20% obesos, alerta Ministério da Saúde

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Como no dia 4 de março foi comemorado o Dia Mundial da Obesidade, o Ministério da Saúde escolheu a data para alertar a população sobre a necessidade da adoção de hábitos saudáveis a fim de evitar o excesso de peso e as doenças desencadeadas pela obesidade.

Os números impressionam: 55,7% da população adulta do país apresenta excesso de peso e 19,8% está obesa, de acordo com a Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), de 2018. Outro dado alarmante é que 7,7% da população adulta possui diabetes e 24,7%, hipertensão.

Por isso, é fundamental explicar aos pacientes a importância de cultivar a longo prazo hábitos saudáveis de alimentação para manter o peso adequado e prevenir enfermidades.

“A obesidade e as doenças crônicas relacionadas à alimentação são desafios globais e o seu controle e prevenção exigem a adoção de políticas urgentes”, ressalta a coordenadora de Alimentação e Nutrição do Ministério da Saúde, Gisele Bortolini.

A data do Dia Mundial da Obesidade, antes celebrada em 11 de outubro, passa a ser lembrada no dia 4 de março, a partir deste ano.

Leia também: Dia Mundial da Obesidade: quais os riscos da obesidade na gravidez?

Obesidade no Brasil e no mundo

A obesidade é a segunda causa de morte evitável no mundo, perdendo somente para o tabaco. No Brasil, mais metade da população tem excesso de peso e mais de 40 milhões sofrem de obesidade.

Considerada uma doença crônica pela Organização Mundial de Saúde (OMS), os pacientes obesos são alvo de estigmas e preconceitos por questões físicas, sem que sejam considerados possíveis portadores de várias comorbidades associadas ao excesso de peso.

“Muitas pessoas se preocupam apenas em emagrecer, muitas vezes por uma questão puramente estética, sem dar importância às graves consequências de se estar acima do peso. É preciso analisar com cuidado quais os riscos que o quadro do sobrepeso realmente traz para a saúde como um todo”, afirma a médica Maria Teresa Zanella, professora titular de Endocrinologia na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).

Compulsão alimentar

A obesidade, por si só, traz sérios riscos para a saúde e a ocorrência de episódios de compulsão alimentar compromete os resultados do tratamento. Por outro lado, entre as pessoas que se submetem a dietas restritivas para controle de peso, a incidência de compulsão alimentar aumentou significativamente.

“Quando se fala em tratamento para a obesidade, a tendência é associar o emagrecimento a uma mudança radical na alimentação. Porém, a obsessão pela obtenção de uma rápida perda de peso e a adoção de uma drástica restrição alimentar podem ocasionar quadros de compulsão, culminando no famoso ‘efeito sanfona’, em que o paciente emagrece muito rapidamente e logo depois retoma o ganho de peso”, complementa Maria Teresa Zanella.

Ouça nosso podcast do Dia Mundial da Obesidade!

Diante disso, o tratamento mais adequado é focar, a princípio, em mudar hábitos e melhorar o comportamento em relação à comida e, assim, o emagrecimento virá como uma consequência.

“Ocorrem alterações no comportamento que indicam maior risco de desenvolver o transtorno da compulsão alimentar, sendo a falta de controle na ingestão de alguns alimentos uma das principais. Precisamos ficar mais atentos”, ressalta a endocrinologista.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autora:

Referências bibliográficas:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.