Página Principal > Saúde Pública > Médicos deveriam fazer provas para exercerem a profissão?
medico segurando um livro

Médicos deveriam fazer provas para exercerem a profissão?

Queremos saber a sua opinião! Gostou de ouvir essa notícia em áudio? Clique aqui e responda nossa pesquisa.

Você é a favor que testes sejam obrigatórios para médicos recém-formados exercerem a profissão? Esta é uma discussão cada vez mais crescente no país, principalmente depois dos resultados da avaliação 2016 do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp).

Pela nona vez em dez anos, mais de 50% dos recém-formados que realizaram a prova foram reprovados. Como já publicado no Portal da PEBMED, 1.511 (56%) dos 2.677 médicos não conseguiram acertar 72 das 120 questões.

O presidente da entidade, Mauro Aranha, concedeu entrevista ao jornal Estado de S. Paulo e defendeu a obrigatoriedade de aprovação em exames como o do Cremesp para o exercício da medicina. Segundo ele, os médicos que foram reprovados terão dificuldades até nos diagnósticos e tratamentos mais comuns, já que o teste tem complexidade de média a baixa e contempla as doenças mais encontradas na população.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

A prova que a entidade sugere aconteceria de forma seriada, depois dos dois primeiros anos de curso e uma outra avaliação para o terceiro e quarto anos, dando oportunidade para que as escolas corrijam as principais necessidades dos alunos. Isso também evitaria o problema de escassez de médicos no país, porque as reprovações seriam menores ao realizarem o último exame.

Na avaliação de 2016, 80% dos médicos que fizeram a prova não conseguiram interpretar uma radiografia, e 63%, uma tomografia abdominal. Cerca de 70% não souberam qual o manejo correto de um paciente com crise hipertensiva. Apesar disso, ele não acredita que a população terá cada vez mais médicos despreparados, já que a residência pode ajudá-los a melhorar. Outras medidas são cursos e treinamentos gratuitos, como o programa que a Cremesp possui em parceria com o Hospital Albert Einstein.

Ainda assim, Mauro acredita que o ideal seria que as escolas estivessem preparadas para formar alunos de medicina e outras áreas da saúde que conhecessem, no mínimo, condições clínicas de patologias que são epidemiologicamente mais relevantes. “Se isso acontecesse, de 70 a 80 % dos casos seriam resolvidos apenas com uma boa história clínica, um bom exame físico e um conhecimento básico sobre terapêutica”, concluiu ele.

Clique aqui e baixe GRÁTIS nossos e-books e tenha em mãos os guias fundamentais para sua Residência!

E você, o que acha? Responda nossa enquete!

[poll id=”9″]

Veja também: ‘Residentes passam mais tempo com computadores do que com pacientes’

Referência:

5 Comentários

  1. Ageu Barbosa Gomes

    Com certeza, atualmente não só os médicos, os enfermeiros também.

  2. Matheus Almeida

    A questão não é a aplicação de uma prova para os estudantes de Medicina que resolveria o problema, mas sim uma adequada fiscalização pedagógica das faculdades. O que vemos é a abertura de um grande numero de escolas medicas em todo Brasil, principalmente em regiões de interesse político que não oferecem condições adequadas para a formação dos novos profissionais. Falta de hospitais escola, ambulatórios de atendimento clínico ou que contemplem as cadeiras de base do curso. A criação da Anasem – Avaliação Nacional Seriada dos Estudantes de Medicina, já tem demonstrado essas pequenas fragilidades do sistema. Além disso, uma prova teórica não avalia competências de habilidades desses futuros profissionais.

    • Ana Carolina Pomodoro

      Olá, Cleiton! Sou Ana Carolina, médica e colunista da Pebmed. Ficamos felizes com seu retorno e lhe convidamos a continuar acompanhando e participando do nosso portal.

  3. Todos deveriam passar por uma reciclagem, pois tenho visto colegas de profissão que não olham direito para o paciente e já estão dando um provável diagnóstico. Estou dizendo porque passei por uma experiência desta. E só fui atendido como todos deveriam ser, após me identificar como colega de profissão.
    Não está havendo o compromisso que juramos quando em nossa formatura. Lamento por isto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.