Residentes passam mais tempo com computadores do que com pacientes - PEBMED

Residentes passam mais tempo com computadores do que com pacientes

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Pouca evidência atual documenta como os residentes gastam seu tempo no trabalho, principalmente em relação às horas gastas no atendimento direto ao doente. Um novo estudo suíço revelou que os residentes de clínica médica do país passam quase a metade do seu dia longe dos pacientes. Essa realidade é muito próxima da que observamos no Brasil.

Para investigar essa questão, pesquisadores acompanharam 36 residentes de clínica médica na sua rotina em um hospital, por um total de 696,7 horas. Eles registraram suas atividades, categorizando-as como diretamente relacionadas aos pacientes, indiretamente relacionadas aos pacientes, comunicação, acadêmicas, tarefas não-médicas e handoffs.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

As atividades indiretamente relacionadas aos pacientes (preenchimento de prontuários eletrônicos, handoffs, etc) representaram 52,4% do tempo de trabalho e as diretamente relacionadas (procedimentos clínicos, admissões, etc) representaram apenas 28%. Os residentes gastaram uma média de 1,7 horas com os pacientes, 5,2 horas usando computadores e 13 minutos fazendo ambos.

Esses achados se aproximam bastante da realidade do residente aqui no Brasil, que segue o médico por toda a sua vida profissional. Outro estudo publicado no Annals of Internal Medicine mostrou que, para cada hora gasta com um paciente, o médico leva duas horas preenchendo registros e documentações. Com isso, 49% das horas são gastas em papelada, enquanto apenas 27% é gasto diretamente com os pacientes.

Recentemente, Ministério da Saúde definiu que todos os municípios do Brasil teriam que implantar o prontuário eletrônico nos hospitais públicos. Um dos argumentos mais fortes é a agilidade que a tecnologia pode conferir ao profissional. No entanto, em estudos realizados em países onde o prontuário eletrônico já é bem estabelecido, os resultados mostram que os médicos continuam a perder cada vez mais tempo de interação com o paciente.

Os autores do estudo suíço sugerem algumas intervenções para melhorar a alocação do tempo dos residentes:

  • aumento do número de residentes por paciente
  • delegar as tarefas administrativas
  • otimizar o suporte à documentação e redefinir seus procedimentos

Referências:

  • Allocation of Internal Medicine Resident Time in a Swiss Hospital: A Time and Motion Study of Day and Evening Shifts. Published: Ann Intern Med. 2017. DOI: 10.7326/M16-2238

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar