Meu paciente apresenta eosinofilia, o que devo fazer?

Eosinofilia, contagem de eosinófilos no sangue periférico maior que 500/mm³, é uma condição relacionada a desordens hematológicas ou não hematológicas.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Eosinofilia, definida como contagem de eosinófilos no sangue periférico maior que 500/mm³, é uma condição relacionada a desordens hematológicas (eosinofilia primária ou clonal) ou não hematológicas (eosinofilia secundária ou reacional). Pode ser classificada em três subtipos de acordo com a gravidade: leve (eosinofilia < 1.500/mm³), moderada (eosinofilia entre 1.500-5.000/mm³) e severa (eosinofilia > 5.000/mm³). Contagem de eosinófilos maior que 1.500/mm³ é denominada hipereosinofilia e pode estar associada a lesões de órgão-alvo.

Segundo a classificação da Organização Mundial da Saúde (OMS) para as neoplasias de tecidos linfoide e hematopoiético de 2017, as desordens primárias podem estar associadas a quatro rearranjos genéticos: PDGFRA, PDGFRB, FGFR1 ou PCM1-JAK2. Outro diagnóstico diferencial é a leucemia eosinofílica crônica, enquadrada no grupo das neoplasias mieloproliferativas.

Eosinofilia: como agir?

Pelo fato de as condições primárias serem mais raras, recomenda-se que, diante de um paciente com hipereosinofilia, seja feita uma pesquisa de possíveis causas secundárias, como infecção (ex.: verminose, escabiose), alergia (ex.: asma, rinite alérgica, dermatite atópica, síndrome DRESS), efeito de medicamentos (ex.: penicilina, cefalosporina, anti-inflamatórios não esteroidais), inflamação (ex.: artrite reumatoide, doença inflamatória intestinal), malignidade (ex.: adenocarcinomas, linfomas), alterações metabólicas (ex.: insuficiência adrenal).

Leia também: Pseudoplaquetopenia induzida pelo anticoagulante presente nos tubos de hemograma (EDTA)

Em paralelo, deve-se pesquisar lesão orgânica. Qualquer órgão pode ser acometido, logo o quadro clínico é bastante variável. Possíveis manifestações incluem:

  • Cardíaca: dor torácica, dispneia, palpitações, edema de membros inferiores;
  • Respiratória: tosse, dispneia, broncoespasmo;
  • Gastrointestinal: dor abdominal, disfagia, náuseas, vômitos, diarreia;
  • Neurológica: confusão mental, parestesias, perda de memória, alteração comportamental;
  • Cutânea: rash, prurido, dermografismo, eritrodermia.

Dessa forma, recomenda-se a realização de exames complementares, de acordo com a sintomatologia do indivíduo (ex.: dosagem de troponina, eletrocardiograma e ecocardiograma, prova de função respiratória e broncoscopia, eletroneuromiografia).

Se a eosinofilia for persistente e/ou progressiva, associada à pesquisa de causa secundária negativa e/ou à pesquisa de lesão de órgão-alvo positiva, a investigação de desordem hematológica está indicada. Havendo a presença de rearranjos genéticos, faz-se o diagnóstico de neoplasia mieloide/ linfoide com eosinofilia e rearranjo PDGFRA, PDGFRB, FGFR1 ou PCM1-JAK2. Casos com aumento de blastos na medula óssea (5-19%) e/ou anormalidades citogenéticas/moleculares específicas podem representar leucemia eosinofílica crônica.

Quando toda a investigação é negativa, considera-se síndrome hipereosinofílica idiopática, se presença de disfunção orgânica, ou hipereosinofilia idiopática, se ausência de disfunção orgânica.

Casos idiopáticos sem repercussão clínica são candidatos à conduta expectante. Se houver sintomatologia associada, pode ser feita corticoterapia, sendo que, em geral, a contagem de eosinófilos cai expressivamente (até mais de 50% do valor inicial) nas primeiras 24 horas.

Referências bibliográficas:

  • Shomali, William, and Jason Gotlib. World Health Organization‐defined eosinophilic disorders: 2019 update on diagnosis, risk stratification, and management. American journal of hematology (2019);
  • Swerdlow, Steven H., ed. WHO classification of tumours of haematopoietic and lymphoid tissues. International Agency for Research on Cancer, 2017;
  • Klion A. Hypereosinophilic syndrome: current approach to diagnosis and treatment. Annu
    Rev Med 2009; 60:293.
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão