Página Principal > Colunistas > mHealth: o papel dos smartphones no dia a dia da saúde
close de um iphone em cima da mesa

mHealth: o papel dos smartphones no dia a dia da saúde

Tempo de leitura: 2 minutos.

Uma peça fundamental para a nova fase de ebulição da inovação em saúde são os devices mobiles. O crescimento exponencial da presença de smartphones e tablets nas mãos dos pacientes e profissionais fomenta a base de toda a revolução em serviços e produtos para a saúde que estamos começando a viver hoje.

O papel dos smartphones no dia a dia da saúde, que forma o mobile health, ou simplesmente mHealth está ainda em desenvolvimento e expansão.

Experiências como envio de SMS para pacientes com lembretes para visitar o médico ou tomar medicações chegou a diminuir em 16% reinternações de pacientes no Hahnmann Hospital na Philadelphia. Aqui no Brasil, a CucoHealth vem prestando um serviço ainda mais completo, com a presença de chatbots, possui mais de mil qualificações positivas e é destaque na App Store – e estamos conversando apenas sobre um tipo de aplicação nessa grande sopa efervescente chamada mHealth.

Agora, some a isso todas as possibilidades de mudança na contratação de serviços médicos ou produtos de saúde, monitorização de pacientes à distância e apoio cognitivo em tempo real com conteúdo (como faz o Whitebook). As possibilidades crescem geometricamente a cada dia.

Entretanto, a maior de todas as mudanças, ao meu ver, é a possibilidade de coleta de dados. Desde coletas passivas em aplicativos contadores de passos e fitness, até dados mais críticos como os coletados em smartphones na beira do leito ou cabeceira da mesa cirúrgica.

O AxReg da Anestech é um app para tablets que coleta dados durante o procedimento cirúrgico

A grande massa de dados que o movimento mHealth trará à tona vai inundar a gestão e promoção de saúde com novos pontos de vista e possibilidade de rodar análises mais complexas com cenários mais extensos, como os estudados em Inteligência Artificial.

Nunca a bioestatística esteve tão na moda e com tantos players envolvidos como agora. Praticamente todos hoje estão atentos à formação de grandes nuvens de dados e os resultados das análises que virão delas. Vocês verão nomes bonitos e dignos de episódios de ficção científica, como Inteligência Artificial, Machine Learning e Consciência Computacional.

Não se iluda! Tudo parte de dados coletados continuamente (por mobiles) de uma fonte confiável, submetidos à análise de padrões com confirmação estatística. O resto é moda, com o perdão do trocadilho.

É médico e também quer ser colunista da PEBMED? Clique aqui e inscreva-se!

Autor:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.