Ministério da Saúde anuncia dose de reforço para idosos acima de 60 anos

O Ministério da Saúde anunciou a dose de reforço contra a Covid-19 para pessoas acima de 60 anos no Brasil. Saiba mais.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Nesta terça-feira, 28, o Ministério da Saúde anunciou que a vacinação com as doses de reforço contra a Covid-19 irá contemplar as pessoas acima de 60 anos no Brasil. Desde o dia 15 de setembro, a dose de reforço estava sendo aplicada apenas em pessoas com 70 anos ou mais e imunossuprimidos.

Segundo o Ministério da Saúde, são cerca de 7 milhões de brasileiros com idade acima de 60 anos no país.

Na última sexta-feira, 24, o Ministério já havia anunciado a terceira dose para os profissionais de saúde.

dose de reforço

Aplicação da dose de reforço

A dose adicional deve ser aplicada, pelo menos, seis meses após o idoso ter o ciclo de imunização completo com a segunda dose, independentemente do imunizante utilizado.

A nova etapa da vacinação está sendo realizada com a vacina da Pfizer. Porém, na falta desse imunizante, a alternativa pode ser usar as vacinas de vetor viral, como a Janssen ou AstraZeneca.

Saiba mais: Afinal, quantas doses da vacina anti-Covid-19 serão necessárias?

Estudo sobre a terceira dose em Israel

Um dos países pioneiros em conseguir ampla cobertura vacinal de sua população, Israel teve o seu programa de vacinação e o impacto da dose adicional nos casos de Covid-19 no país avaliados por um estudo. Os dados foram publicados no The New England Journal of Medicine.

Os dados foram extraídos do sistema do Ministério da Saúde de Israel e incluíram datas de vacinação, informações em relação a resultados de PCR, datas de hospitalização por Covid-19, variáveis demográficas e status clínico (doença leve ou grave).

Para estimar a redução nas taxas de infecção confirmada e de doença grave, foram analisados os dados dessas duas taxas entre pacientes com dose booster e entre pacientes com duas doses. As taxas foram calculadas na forma de casos confirmados e de doença grave por pessoas-dias sob risco. A vacinação foi feita com a vacina da Pfizer. As análises foram ajustadas por idade, sexo, grupo demográfico e data da segunda dose. Confira os resultados do estudo.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências bibliográficas:

 

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão