Ministério da Saúde libera uso da cloroquina para casos leves de Covid-19

Foi divulgado um novo protocolo do Ministério da Saúde que libera o uso da cloroquina e da hidroxicloroquina para casos leves de Covid-19.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Foi divulgado nesta quarta-feira, dia 20 de maio, um novo protocolo do Ministério da Saúde que libera o uso da cloroquina e da hidroxicloroquina para casos leves de Covid-19 no Sistema Único de Saúde (SUS). Até então, o protocolo previa a utilização desses remédios apenas para os casos críticos.

O documento divulgado mantém a necessidade de o paciente autorizar o uso da medicação e de a equipe médica decidir sobre a aplicação ou não do remédio. A cloroquina não está disponível para a população em geral.

O Termo de Ciência e Consentimento, que deve ser assinado pelo paciente, ressalta que “não existe garantia de resultados positivos” e que “não há estudos demonstrando benefícios clínicos”.

O documento afirma ainda que o paciente deve saber que a cloroquina pode causar efeitos colaterais que podem levar à “disfunção grave de órgãos, ao prolongamento da internação, à incapacidade temporária ou permanente, e até ao óbito”.

Leia também: Hidroxicloroquina para Covid-19: estudo randomizado não mostra benefício

Novas orientações

As novas orientações incluem a utilização da cloroquina ou do sulfato de hidroxicloroquina associados à azitromicina por cinco dias em casos com sintomas leves e moderados. Após o 14º dia de sintomatologia devem ser prescritos medicamentos de acordo com os sintomas apresentados.

Para os casos moderados, deve-se avaliar a necessidade de internação e a presença de infecção bacteriana, além da utilização de anticoagulantes e corticoides.

Já para os casos críticos, a orientação é administrar o sulfato de hidroxicloroquina e a azitromicina, sem um período de tempo determinado. A equipe médica deve ainda considerar o uso de imunoglobulina humana, anticoagulante e pulso de corticoide.

No documento, diz que é absolutamente contraindicado a utilização da hidroxicloroquina em gestantes, pacientes com retinopatia/maculopatia secundária ao uso do fármaco já diagnosticado, hipersensibilidade ao fármaco, e miastenia grave.

Em crianças, deve-se dar sempre prioridade ao uso de hidroxicloroquina pelo risco de toxicidade da cloroquina. E a cloroquina deve ser administrada com precaução em portadores de doenças cardíacas, hepáticas ou renais, hematoporfiria e doenças mentais.

Veja também: Achados no sangue periférico de paciente com intoxicação por cloroquina

O texto orienta ainda que a hidroxicloroquina não deve ser coadministrada com amiodarona e flecainida. Há ainda a constatação de interação moderada da hidroxicloroquina com digoxina, ivabradina e propafenona, etexilato de dabigatrana, edoxabana, e de interação leve com verapamil e ranolazina.

Já a cloroquina deve ser evitada em associação com clorpromazina, clindamicina, estreptomicina, gentamicina, heparina, indometacina, tiroxina, isoniazida e digitálicos.

O que dizem as associações médicas

Quatro órgãos representativos de especialidades médicas publicaram nesta semana manifestos contrários a utilização generalizada da hidroxicloroquina, no tratamento da Covid-19, antes da conclusão de estudos científicos complementares.

Um dos documentos foi assinado pela Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB), a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) e a Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT), reunindo 27 especialistas para analisar remédios e terapias aplicadas em pacientes com Covid-19. Segundo os órgãos, diversos procedimentos utilizados atualmente “carecem de apropriada avaliação de efetividade e de segurança”.

O documento redigido pela Sociedade Brasileira de Imunologia (SBI) destaca ainda que a escolha dessa terapia e a conotação que a Covid-19 é uma doença de fácil tratamento são perigosas, pois assumem um aspecto político inesperado, estando na contramão da experiência científica mundial.

Já o Conselho Federal de Medicina (CFM) não recomenda o uso da substância, mas autorizou a prescrição em situações específicas, inclusive em casos leves, a critério do médico e em decisão compartilhada com o paciente.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências bibliográficas:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão