Leia mais:
Leia mais:
Nova combinação subcutânea de anticorpo REGEN-COV para a prevenção da Covid-19
Exame para detecção de anticorpos contra o SARS-Cov-2: realmente útil?
Sintomas gastrointestinais e fadiga podem persistir após infecção por Covid-19
Anticorpos contra SARS-Cov-2 após infecção: proteção por muito tempo?
Covid-19: Infecção por SARS-CoV-2 na gestação e desfechos neonatais

Novas evidências da transmissão zoonótica de SARS-CoV-2

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Conforme descrito no início da pandemia da síndrome Covid-19, em dezembro de 2019, a origem sugerida do coronavírus SARS-CoV-2 estaria possivelmente relacionada com o contato com animais silvestres exóticos e frutos do mar vivos, vendidos em um mercado em Wuhan, China. Devido às similaridades com o coronavírus SARS-CoV-1, sugere-se também uma relação zoonótica para SARS-CoV-2, assim como ocorrido em diversos outros casos de surtos infecciosos prévios por transmissão de vírus de origem animal. Embora haja uma correlação filogenética próxima em relação aos coronavírus de morcegos e pangolins, as divergências evolutivas existentes que geraram o SARS-CoV-2 parecem ter ocorrido no período entre 1948 e 1982, mas o reservatório do presente vírus ainda não foi determinado (Costagliola et al. 2020; Jo et al., 2020; Tiwari et al., 2020; Sharun et al., 2021).

A pandemia do vírus SARS-CoV-2 teve sua origem possivelmente relacionada ao contato com animais silvestres exóticos.

Transmissão zoonótica de SARS-CoV-2

Em ensaios experimentais, diversos hospedeiros apresentaram susceptibilidade à infecção por SARS-CoV-2 incluindo: cães, gatos, furões, hamster, macacos rhesus, macacos cynomolgus, marmotas, musaranhos, coelhos e morcegos frutíferos. Dentre esses, gatos, hamster, musaranhos e furões foram capazes também de transmitir o coronavírus da atual pandemia. Adicionalmente, suínos e aves não são infectados por esses vírus. Já foram descritas a detecção de RNA de SARS-CoV-2 em cães nos Estados Unidos (EUA) e Hong Kong. Achados semelhantes foram observados em gatos na Holanda, França, Hong Kong, Bélgica, Espanha e Estados Unidos. Quatro tigres e três leões também apresentaram resultados positivos para RNA de SARS-CoV-2 no zoológico do Bronx, em Nova Iorque, EUA (Jo et al., 2020; Mahdy et al., 2020; Sharun et al., 2021).

Em estudos epidemiológicos mais detalhados, o coronavírus da atual pandemia foi detectado em diversas visões (Neovison vison) de criadouros, que evoluíram com manifestações clínicas respiratórias e elevada mortalidade na Holanda. A abordagem comparativa por sequenciamento genômico das partículas virais detectadas, associada à combinação de dados epidemiológicos, permitiu detectar surtos de infecção por estirpes virais de SARS-CoV-2 em visões cultivados e trabalhadores desses criadouros de visões. A história começou com o diagnóstico inicial de infecção por SARS-CoV-2 em dois visões (NB1 e NB2) de um criadouro realizado em abril de 2020, iniciando todo um rastreio de possíveis contatos animais e humanos locais. Os contactantes humanos (profissionais dos criadouros) relataram sintomas respiratórios em dias anteriores aos casos manifestados em visões. Um terceiro visão (NB3) apresentou sintomas no início de maio de 2020 e cinco funcionários em contato ocupacional direto com esse animal, e com testes prévios negativos, iniciaram sintomas dias após os contatos com o animal, e testaram positivo para SARS-CoV-2, com completa identidade genômica com o coronavírus isolado do animal NB3. Tais achados indicam que os funcionários foram infectados após a síndrome respiratória e detecção de SARS-CoV-2 no visão NB3. Essa dinâmica foi observada em outro cluster de infecções com a primeira detecção em um visão NB7, e subsequentemente em funcionários contactantes. A partir de então, o sistema nacional de resposta às doenças zoonóticas foi ativado nesse país, e um sistema de vigilância foi, então, implementado desde maio de 2020, com notificação obrigatória ao Netherlands Food and Consumer Product Safety Authority (NFCPSA) em caso de sintomas suspeitos nesses animais da família Mustelidae. Concomitantemente à vigilância dos casos em animais, mais de 1750 partículas virais de SARS-CoV-2 obtidos de pacientes humanos foram submetidas ao sequenciamento genômico e comparados com os descritos a partir de visões. O progresso das transmissões de seres humanos para visões de criadouros, e a partir desses animais aos humanos, foi detalhadamente descrito por Oude Munnink et al. (2021) na revista Science, e por outros autores (Oreshkova et al., 2020; Boklund et al.2021).

Posteriormente aos alarmantes achados observados nos estudos em território holandês, inúmeros de surtos de infecção respiratória de visões e humanos contactantes na Dinamarca também confirmaram a possibilidade desses animais corresponderem a um potencial reservatório e a possibilidade de favorecimento do surgimento de novas variantes de SARS-CoV-2 (Hammer et al., 2021; Larsen et al., 2021). Estudos subsequentes detectaram a progressão ampla de casos semelhantes nas Américas, reforçando a necessidade de controle e investigação epidemiológica e microbiológica detalhada da dinâmica dessas transmissões zoonóticas e os possíveis problemas para a saúde pública mundial (Sharun et al., 2021).

Autor:

Referências bibliográficas

  • Boklund A, Hammer AS, Quaade ML, Rasmussen TB, Lohse L, Strandbygaard B, Jørgensen CS, Olesen AS, Hjerpe FB, Petersen HH, Jensen TK, Mortensen S, Calvo-Artavia FF, Lefèvre SK, Nielsen SS, Halasa T, Belsham GJ, Bøtner A. SARS-CoV-2 in Danish Mink Farms: Course of the Epidemic and a Descriptive Analysis of the Outbreaks in 2020. Animals (Basel). 2021 Jan 12;11(1):164.
  • Costagliola A, Liguori G, d’Angelo D, Costa C, Ciani F, Giordano A. Do Animals Play a Role in the Transmission of Severe Acute Respiratory Syndrome Coronavirus-2 (SARS-CoV-2)? A Commentary. Animals (Basel). 2020 Dec 24;11(1):16.
  • Hammer AS, Quaade ML, Rasmussen TB, Fonager J, Rasmussen M, Mundbjerg K, Lohse L, Strandbygaard B, Jørgensen CS, Alfaro-Núñez A, Rosenstierne MW, Boklund A, Halasa T, Fomsgaard A, Belsham GJ, Bøtner A. SARS-CoV-2 Transmission between Mink (Neovison vison) and Humans, Denmark. Emerg Infect Dis. 2021 Feb;27(2):547-551.
  • Jo WK, de Oliveira-Filho EF, Rasche A, Greenwood AD, Osterrieder K, Drexler JF. Potential zoonotic sources of SARS-CoV-2 infections. Transbound Emerg Dis. 2020 Oct 9:10.1111/tbed.13872.
  • Larsen HD, Fonager J, Lomholt FK, Dalby T, Benedetti G, Kristensen B, Urth TR, Rasmussen M, Lassaunière R, Rasmussen TB, Strandbygaard B, Lohse L, Chaine M, Møller KL, Berthelsen AN, Nørgaard SK, Sönksen UW, Boklund AE, Hammer AS, Belsham GJ, Krause TG, Mortensen S, Bøtner A, Fomsgaard A, Mølbak K. Preliminary report of an outbreak of SARS-CoV-2 in mink and mink farmers associated with community spread, Denmark, June to November 2020. Euro Surveill. 2021 Feb;26(5):2100009.
  • Mahdy MAA, Younis W, Ewaida Z. An Overview of SARS-CoV-2 and Animal Infection. Front Vet Sci. 2020 Dec 11;7:596391. doi: 10.3389/fvets.2020.596391.
  • Oreshkova N, Molenaar RJ, Vreman S, Harders F, Oude Munnink BB, Hakze-van der Honing RW, Gerhards N, Tolsma P, Bouwstra R, Sikkema RS, Tacken MG, de Rooij MM, Weesendorp E, Engelsma MY, Bruschke CJ, Smit LA, Koopmans M, van der Poel WH, Stegeman A. SARS-CoV-2 infection in farmed minks, the Netherlands, April and May 2020. Euro Surveill. 2020 Jun;25(23):2001005.
  • Oude Munnink BB, Sikkema RS, Nieuwenhuijse DF, Molenaar RJ, Munger E, Molenkamp R, van der Spek A, Tolsma P, Rietveld A, Brouwer M, Bouwmeester-Vincken N, Harders F, Hakze-van der Honing R, Wegdam-Blans MCA, Bouwstra RJ, GeurtsvanKessel C, van der Eijk AA, Velkers FC, Smit LAM, Stegeman A, van der Poel WHM, Koopmans MPG. Transmission of SARS-CoV-2 on mink farms between humans and mink and back to humans. Science. 2021 Jan 8;371(6525):172-177.
  • Sharun K, Tiwari R, Natesan S, Dhama K. SARS-CoV-2 infection in farmed minks, associated zoonotic concerns, and importance of the One Health approach during the ongoing COVID-19 pandemic. Vet Q. 2021 Jan 1;41(1):50-60.
  • Tiwari R, Dhama K, Sharun K, Iqbal Yatoo M, Malik YS, Singh R, Michalak I, Sah R, Bonilla-Aldana DK, Rodriguez-Morales AJ. COVID-19: animals, veterinary and zoonotic links. Vet Q. 2020 Dec;40(1):169-182.

 

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Um comentário

  1. Jorge Lopes Chinalia

    Prezado Dr. Rafael, uma dúvida: o coronavírus é o próprio RNA destes animais ou estes animais são hospedeiros do vírus?
    Minha pergunta deve-se a, sendo o coronavírus um retrovírus, ele possui RNA. É possível a existência de um ser somente com RNA, já que este tem a função de sintetizar a proteína? Como pode existir um ser que tem uma função que depende da informação genética livremente?
    Não sei se me fiz entender…de qualquer forma parabéns pela matéria e se possível aguardo sua resposta
    jorgechinalia@gmail.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar