Página Principal > Colunistas > Novidades sobre diagnóstico e tratamento de tuberculose no SUS
medicando examinando raio x do torax

Novidades sobre diagnóstico e tratamento de tuberculose no SUS

Tempo de leitura: 3 minutos.

No dia 24 de março é comemorado o Dia Mundial de Combate à Tuberculose e, para marcar a data, o Ministério da Saúde está realizando uma campanha para estimular a adesão ao tratamento da doença: “Tuberculose tem cura. Todos juntos contra a tuberculose”. Além da campanha, foram divulgadas novidades impontantes no diagnóstico e no tratamento disponíveis pelo Sistema Único de Saúde (SUS), tendo como foco a nova formulação da isoniazida (300mg).

A campanha ocorre entre os dias 23 e 30 de março e visa conscientizar as pessoas a procurarem a unidade de saúde para o diagnóstico e os pacientes a realizarem o tratamento completo, para atingir a cura. A campanha utiliza um filme com um jingle e peças para internet, outdoors, TV aberta, rádio, jornal e revista, sendo o alvo principal os homens entre 30 e 40 anos de idade, das classes C, D e E.

Diagnóstico da Tuberculose no SUS

O Ministério da Saúde enviou mais 70 aparelhos de teste rápido molecular para tuberculose (TRM-TB) para municípios selecionados previamente por critérios epidemiológicos e operacionais, ampliando a cobertura de 92 para 128 cidades, que respondem a aproximadamente 65% dos casos de Tuberculose. Com isso, a Rede de Teste Rápido Molecular para diagnóstico de tuberculose do SUS foi ampliada, contando com 248 equipamentos de TRM-TB.

O teste rápido de tuberculose está disponível no SUS desde 2014. Este exame, importante para o diagnóstico da tuberculose ativa, é realizado em apenas duas horas e, além do DNA do bacilo causador da doença, detecta a resistência à rifampicina, principal droga do tratamento. Para o diagnóstico da tuberculose ativa, o SUS oferece ainda exames como a baciloscopia, cultura para micobactérias e teste de sensibilidade.

Além disso, o Ministério da Saúde vai adquirir 70 mil frascos-ampolas do PPD, produto utilizado no teste tuberculínico para auxiliar no diagnóstico da infecção latente pelo Mycobacterium tuberculosis (ILTB). A quantidade é suficiente para atender a demanda nacional e melhorar o rastreamento da doença.

Tuberculose: a importância do rastreio de contactantes

Novidades sobre o tratamento: isoniazida 300mg

A partir desse ano, a novidade é que estará disponível na rede pública de saúde para o tratamento, tanto da tuberculose ativa quanto da infecção latente, uma nova formulação da isonizada, em que os comprimidos serão de  300mg. Atualmente, os comprimidos são de 100mg, o que faz com que o paciente necessite de três por dia. Com a mudança, a isoniazida passaria de três para um comprimido diário, o que favorece a adesão ao tratamento.

Para a implantação da isoniazida 300mg na rede pública de saúde, o Ministério da Saúde vai financiar uma pesquisa, desenvolvida pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). O objetivo é conhecer o processo de utilização do medicamento, bem como a sua oferta em tempo oportuno pelos serviços de saúde, além de garantir a segurança do paciente com relação ao uso da nova apresentação do medicamento.

É médico e também quer ser colunista da PEBMED? Clique aqui para se inscrever!

Autora:

Referências:

3 Comentários

  1. Muito bom ,to fazendo um trabalho de pesquisa sobre tuberculose,Vai ser muito util today essas informaçoes.

    • Dayanna Quintanilha

      Olá Claudia! Sou Dayanna, colunista do portal. Fico feliz que tenhamos ajudado! Obrigada pela participação!

  2. Podemos considerar um avanço no tratamento da tuberculose latente o que, certamente, vai melhorar a adesão na ILTB, já em relação ao tratamento da tuberculose não vejo como mudar muito. Atenciosamente, Melquizedeck Belo e Silva. Maceió/Al.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *